sábado, 21 de março de 2015

INÉDITOS - A POESIA DE MYRTHA RAC'Z- 3


COSMOPOEMA


O homem hoje
tem a cabeça
dependurada
nos seios do pôr-do-sol
e
a verdade mostra-se criança
brincando com meteoros

Hoje
a humanidade
é
dois gêmeos
do espaço
que foram caçar história no azul

Hoje
o homem
brinca de cosmonauta
para ser humanidade



Myrtha

A rua da literatura e a literatura da rua

A rua da literatura e a literatura da rua


de Ivete Lara Camargos Walty  


Coleção:
Humanitas

Ano | Edição:
2014 | 1ª
Páginas:
270

Dimensão:
22,5 x 1,06 x 15,5 cm
Peso:
400 g

Maglore lança clipe de “Mantra”


Trio apresenta-se nesse domingo (22) em São Paulo

Com pouco mais de cinco anos de carreira, o Maglore está preparando seu terceiro álbum, que deve ser lançado pela Deck ainda no primeiro semestre. Trazendo na bagagem mais de 300 shows pelo país, o trio apresentou no último ano o single “Mantra”, que estará no novo trabalho e teve alta execução nas rádios do segmento. Hoje, a música ganha imagens com o lançamento do clipe oficial no YouTube.

O vídeo foi gravado em uma praia de Salvador e teve direção de Victor Marinho, que já havia dirigido a banda em outros dois clipes. O trio escolheu por não retratar a música, que fala sobre espiritualidade e sorte, ao pé da letra. Nas imagens, Teago Oliveira (voz e guitarra) é arrastado por seus companheiros de banda, Rodrigo Damati (voz e baixo) e Felipe Dieder (bateria e percussão), pela orla. No vídeo, eles passam um misticismo quase imperceptível, representado por um sentimento de transição e reflexão pessoal, ao entrarem no mar no final.

O Maglore se apresenta nesse domingo (22) no Parque Villa Lobos, em São Paulo. No repertório estarão as músicas de seus trabalhos anteriores e algumas surpresas. O show contará com a participação do cantor Helio Flanders (Vanguart).

Para assistir, acesse: https://www.youtube.com/watch?v=S-ix8aFdtA4

Maglore
Data: 22/03/2015 (domingo)
Horário: 14h
Local: Parque Villa-Lobos (Avenida Professor Fonseca Rodrigues, 2001 - Alto de Pinheiros - São Paulo) 

Entrada Gratuita

Boletim Política Social 141 - Dieese: 91,5% das unidades de negociação tiveram reajustes reais em 2014

Dieese: 91,5% das unidades de negociação tiveram reajustes reais em 2014
O Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese) analisou negociações coletivas de 716 unidades de negociação da Indústria, do Comércio e dos Serviços no Brasil em 2014 e, em comparação com a variação do INPC-IBGE (Índice Nacional de Preços ao Consumidor, do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), 92% desses reajustes salariais apresentaram aumento real, enquanto 6% igualaram-se ao índice inflacionário e 2% não alcançaram a recomposição salarial. O aumento real médio em 2014 equivaleu a 1,39% (contra 1,22% em 2013). Em toda a série analisada, este percentual ficou abaixo somente do registrado em 2010 (1,66%) e 2012 (1,90%). A maior parte dos reajustes que incorporaram ganhos reais aos salários ficou entre 0,01 e 3%. Em todos os anos da série, essa faixa é a que agrega: entre 72% (em 2008 e 2010) e 86% (em 2014).
Distribuição dos reajustes salariais, em comparação com o INPC – IBGE, Brasil (2008 – 2014)

Fonte: Dieese, 2015



Entre os três setores econômicos analisados, o comércio obteve os melhores resultados em 2014 no percentual de negociações com aumentos reais (98,2%) e na média de aumento real (1,47%). No setor industrial, 90,9% dos reajustes foram acima da inflação e nos Serviços, 89,2%. O maior percentual de reajustes acima do INPC-IBGE (93,6%) foi no Sul, e os menores no Norte e Centro-Oeste (89,6% e 89,8%, respectivamente). Os dados também mostram que a distribuição dos reajustes salariais foi mais positiva nas convenções coletivas que nos acordos coletivos.

Apesar dos resultados positivos, tanto no primeiro quanto no segundo semestre, houve inversão do comportamento típico, que implicou melhor desempenho das negociações do primeiro semestre: foi verificada a média de 1,50%, no primeiro semestre, e 1,16%, no segundo, o que poderia ser um reflexo da desaceleração econômica. 

* As opiniões aqui expressas são de inteira responsabilidade da sua autora, não representando a visão da FPA ou de seus dirigentes.
 

Banda Leash apresenta “Sementes de Chuva“ no Teatro do Paiol



O Teatro do Paiol recebe neste sábado (21), às 19h, o show  “Sementes de Chuva“ da banda curitibana Leash. Influenciado por artistas como Jack Johnson, Donavon Frankenreiter, The Beautiful Girls e Jason Mraz, o grupo tem o estilo surf rock. Suas músicas contêm notas de gêneros como pop, reggae e country, o que deixa o som versátil e diferenciado.
O repertório do grupo conta com músicas próprias e covers de bandas nacionais e internacionais. O nome da banda faz referência ao surf (“leash” é uma corda que amarra os pés à prancha) e surgiu durante uma viagem à Ilha do Mel, no litoral do Paraná.
A banda – Juntos desde 2005, o vocalista Allan Furtado e o guitarrista Fabio Kussym já integravam a cena musical da cidade. Com a entrada do baixista Maurício Monteiro e do baterista Leo Baggio em 2011, formou-se a Leash. Em 2013 lançaram seu primeiro disco e o clipe da música “Número 1” e desde então, o quarteto vem ganhando destaque no cenário local.
Serviço:
Show “Sementes de Chuva“ da banda curitibana Leash.
Local: Teatro do Paiol (Praca Guido Viaro, s/nº – Prado Velho)
Data: 21 de março de 2014 (sábado), às 19h.
Ingressos: R$ 50 e R$ 25 (meia-entrada, válida com 1 kg de a
limento ou apresentação de carteira de estudante)

sexta-feira, 20 de março de 2015

INÉDITOS - A POESIA DE MYRTHA RAC'Z- 2



AMAR-TE

De onde estávamos

era bela a vista do mar
e nos anúncios
que o mar pregava nas pedras
líamos claramente
amor clara / amor sorte / amor morte
mas o mar passou 
e na cidade
os letreiros insistem em danças e andanças
coloridas
amor clara / amor sorte / amor morte
agora que não somos
tristes é a paisagem que a rotina descerra
o coro insiste apertando as vozes
contra os cartazes no muro
amor clara / amor sorte / amor morte
amar-te


Myrtha - 1974

Expansões contemporâneas Literatura e outras formas

Expansões contemporâneas
Literatura e outras formas
de Ana Kiffer ; Florencia Garramuño (org.)



Coleção:
Babel

Ano | Edição:
2014 | 1º
Páginas:
155

Dimensão:
18 x 1 x 13 cm
Peso:
170 g

Este livro quer pensar o campo da literatura sob o prisma de seu contato com outros campos artísticos, tais como as artes plásticas, a antropologia ou a performance. Quer ainda, ao se debruçar sobre estéticas modernas e contemporâneas, perceber de que maneira o próprio da literatura foi tornando-se impróprio, fazendo-a deslocar-se de seus lugares mais estáveis, colocando sua matéria primordial, a palavra, em diálogo com as suas ruínas ou com o seu próprio limite. Desse modo, esta obra convida o leitor para a experiência de contestação radical da palavra com e a partir da experiência com a própria palavra.

LANÇAMENTO DA
 

Flauta e Arado








O que representam as famosas insígnias de Krishna e Balarama?

Devoto: Qual a razão de o Senhor Balarama ser branco? Por que Ele carrega um arado?

Gour Govinda Swami: Balarama é Nityananda Prabhu. Nitai pada-kamala, koti-chandra suchitala: os pés de lótus de Nityananda Rama são tão refrescantes e misericordiosos quanto o efeito refrescante de milhões de luas. Branco é a cor do luar, que indica frescor e misericórdia.

Balarama tem um arado em Sua mão, e Krishna tem uma flauta. Primeiramente, é preciso o cultivo, karshana. Então, todas as coisas sujas, que são como ervas daninhas, serão desarraigadas. O campo deve ser apropriadamente cultivado com o arado de Balarama. Em consequência disso, o campo do coração, hridaya-kshetra, torna-se fértil, e a semente da trepadeira da devoção, bhakti-lata, pode ser semeada. O terreno não pode ser estéril. Se você plantar a semente em uma terra estéril, jamais frutificará. Foi isso que Gopinathacharya disse a Sarvabhauma Bhattacharya: “Por que estou plantando sementes em uma terra infértil [tentando convencer você]? Estou trabalhando inutilmente, pois nunca frutificarão”. Depois de cultivo apropriado pelo arado de Balarama, quando a terra está fértil, a semente deve ser plantada. Quando a semente brotar e você desenvolver prema-bhakti, você se atrairá pela flauta de Krishna. A flauta de Krishna representa akarshana, atração.





Devoto: Quando ouvimos um guru fidedigno, isso é o cultivo da terra?

Gour Govinda Swami: Cultivar a terra significa seguir as regras e regulações, vaidhi-bhakti. O guru lhe dará algumas orientações sobre o que fazer e algumas orientações sobre o que não fazer: siga as regras e regulações, cante dezesseis voltas de japa por dia etc. Após o cultivo apropriado, as coisas indesejadas, as ervas daninhas, são desarraigadas, anartha-upashama, e o campo se torna fértil. O guru, então, plantará a bhakti-lata-bija. Sob sua guia, você fará sravana-kirtana, você ouvirá krishna-katha, em consequência do que você desenvolverá raganuga-bhakti. Você chegará a raga-marga-bhakti e desenvolverá prema sob a guia desse guru. Você, então, verá Krishna. Você, então, obterá Krishna. Nesse momento, o doce flautear de Krishna, que atrai a todos, encantará você. Akarshana, “atração”, é o ponto último, mas, primeiramente, é preciso haver karshana, “cultivo”. Karshana-akarshana, “cultivo e encantamento”, assim é o templo de Krishna-Balarama.

por Gour Govinda Swami
Todo o conteúdo das publicações de Volta ao Supremo é de inteira responsabilidade de seus respectivos autores, tanto o conteúdo textual como de imagens.


Tricky se apresenta no Nublu Jazz Festival



Artista britânico lança nova música com participação de Mallu Magalhães
                                            
Algumas coisas são tão diferentes que nunca imaginamos como seria se as misturássemos. A princípio, é normal resistir à ideia, mas após os primeiros instantes de experimentação já sabemos que a combinação não poderia ser mais perfeita.

Something in The Way, a nova música do artista britânico Tricky, tem colaboração da cantora brasileira Mallu Magalhães e já pode ser ouvida no canal oficial de Tricky no YouTube: https://www.youtube.com/watch?v=08I-tIFqiMU&feature=youtu.be.

Talentos separados por um oceano e unidos pela música. Ela, uma jovem artista de voz suave, famosa por suas composições bonitas e tocantes. Após uma ascensão meteórica quando tinha apenas 15 anos, Mallu Magalhães – que já lançou três álbuns solo – mergulha agora em seu projeto Banda do Mar, com o marido e líder da cultuada banda Los Hermanos, Marcelo Camello e o amigo Português de longa data, Fred Ferreira. Já Tricky é um ícone da música autoral que explora em suas músicas as nuances sombrias e melancólicas do ser humano. Ao longo de sua carreira já fez colaborações com alguns dos maiores nomes da música mundial, como Massive Attack e Bjork, explorando diversos estilos musicais do punk ao pop, do jazz ao eletrônico. Juntos eles criam uma combinação agridoce que torna Something In The Way uma música carregada de sentimentos, que permanecem em você mesmo depois que ela acaba. O grave distorcido traz o clima sombrio enquanto a voz suave de Mallu guia a sua mente para a luz. O timbre melancólico é impulsionado por batidas dançantes, tornando praticamente impossível ficar indiferente. Something In The Way não tenta esconder os fatos adversos da vida. Ela abraça o caos, e o transforma em arte.

Tricky é uma das atrações do Nublu Jazz Festival e se apresenta no dia 26 de março no Sesc São José dos Campos e nos dias 28 e 29 de março no Sesc Pompeia, em São Paulo.

Programação Sesc Pompeia
26 Março (quinta), às 21h30
Apresentação dos DJ’s às 20h30
Abertura com: Brian Jackson + Zulumbi
Hiatus Kaiyote
27 Março (sexta), às 21h30
Apresentação dos DJ’s às 20h30
Abertura com: Ilhan Ersahin's Istanbul Sessions + Erik Truffaz
Joshua Redman, Aaron Parks, Matt Penman e Greg Hutchinson: James Farm
28 Março (sábado), às 21h30
Apresentação dos DJ’s às 20h30
Abertura com: Chris Dave
Tricky
29 Março (domingo), às 19h
Tricky
*A ordem das apresentações pode sofrer alterações
*Apresentações dos DJ's ocorrem no início e no intervalo dos shows. Excepcionalmente, no dia 29 de março (domingo) não haverá apresentação dos DJ’s

SERVIÇO
Sesc Pompeia apresenta Nublu Jazz Festival
Dias 26, 27 e 28 de março, às 21h30; dia 29 de março, às 19h
Choperia
Ingressos: R$ 15,00 (credencial plena/trabalhador no comércio e serviços matriculado no Sesc e dependentes), R$ 25,00 (credenciado*/usuário inscrito no Sesc e dependentes, +60 anos, estudantes e professores da rede pública de ensino) e R$ 50,00 (inteira).
Venda online a partir de 18 de março, quarta-feira, às 12h.
Venda presencial nas unidades do Sesc SP a partir de 18 de março, quarta-feira, às 17h30.
Classificação indicativa: Não recomendado para menores de 18 anos.
SESC Pompeia – Rua Clélia, 93.
Não temos estacionamento. Para informações sobre outras programações, acesse o portal sescsp.org.br/pompeia

Assessoria de Imprensa  Sesc Pompeia
Roberta Della Noce: (11) 3871-7740
Igor Cruz: (11) 3871-7776
Fernanda Porta Nova: (11) 3871-7720

Programação Sesc São José dos Campos
26 Março (quinta), às 20h
Apresentação dos DJ’s às 20h e às 22h
Abertura com: Chris Dave
Tricky
27 Março (sexta), às 20h
Apresentação dos DJ’s às 20h e às 22h
Abertura com: Brian Jackson+ Zulumbi
Hiatus Kaiyote
28 Março (sábado), às 20h
Apresentação dos DJ’s às 20h e às 22h
Abertura com: Ilhan Ersahin's Istanbul Sessions + Erik Truffaz
James Farm

SERVIÇO
Sesc São José dos Campos apresenta Nublu Jazz Festival
Dias 26, 27 e 28 de março, às 20h. Ginásio. 600 pessoas.
Ingressos: R$ 15,00 (credencial plena/trabalhador no comércio e serviços matriculado no Sesc e dependentes), R$ 25,00 (credenciado*/usuário inscrito no Sesc e dependentes, +60 anos, estudantes e professores da rede pública de ensino) e R$ 50,00 (inteira).
Venda online a partir de 18 de março, quarta-feira, às 12h.
Venda presencial nas unidades do Sesc SP a partir de 18 de março, quarta-feira, 17h30.
Classificação indicativa: Não recomendado para menores de 18 anos.
Sesc São José dos Campos – Av. Adhemar de Barros, 999 – Jd. São Dimas

Não temos estacionamento. Para informações sobre outras programações, acesse o portal sescsp.org.br/sjcampos

Matanza lança clipe de “O Que Está Feito, Está Feito”




Prestes a lançar o novo álbum, “Pior Cenário Possível”, o Matanza acaba de lançar o segundo webclipe desse trabalho, do single “O Que Está Feito, Está Feito” https://www.youtube.com/watch?v=0h7t1MlqxEc. O vídeo, assim como outros que estão por vir, foi filmado no Estúdio Tambor, no Rio, durante a gravação do disco. As imagens são de Felipe Diniz e edição de Lígia Ramos.

“Pior Cenário Possível” trará 10 faixas inéditas, todas com temas de terror ou suspense, tem produção de Rafael Ramos e será lançado pela Deck na primeira quinzena de abril.

quinta-feira, 19 de março de 2015

INÉDITOS - A POESIA DE MYRTHA RAC'Z- 1

POEMA I


As veias de minha testa

explodem
na experiencia sanguinolenta
atomica/molecular/molemica

o sol que tentou nascer

a minha orelha
morreu entre meus cabelos
até os pelos e apelos de meu rosto
sofrem a impaciência celular de viver , mas
os pelos e apelos de outros rostos
queimam a possibilidade de compor
os membros
estão laços-lassos
os olhos
estão baços-bassos
enquanto 
eu viro a página de meu ego



Myrta - em 1974


GALERIA ALMEIDA E DALE EXIBE OBRAS RARAS DE WILLYS DE CASTRO






Sobre o artista
De segunda a sexta, das 10h às 18h; sábado, das 10h às 14h
Telefone: (11) 3882-7120/ 3051-2311



A mostra Willys de Castro – Múltipla Síntese traça o percurso do artista cult e multidisciplinar.



Willys de Castro, Estudo, óleo sobre tela, 35x35cm, 1974

A Galeria Almeida e Dale apresenta, de 26 de março a 30 de abril, a exposição Willys de Castro – Múltipla Síntese. Com curadoria de Denise Mattar, a mostra reúne 35 obras de diferentes fases, revelando o percurso de um dos mais instigantes artistas brasileiros.
Willys de Castro vivenciou integralmente o ideal da vanguarda do pós-guerra, realizando uma verdadeira síntese das artes. Mais conhecido por seu trabalho em artes plásticas, trabalhou também com música, poesia, design, cenografia, figurino e, em todas essas atividades, teve uma produção de excelência.
A exposição pincela a multiplicidade do artista e reúne algumas obras raras, realizadas entre 1949 e 1952, nas quais a figuração se entrelaça em superposições de cores e ritmos geométricos. Apresenta ainda um conjunto de trabalhos realizados entre 1956 e 1958, nos quais o artista, em pleno envolvimento com o Concretismo, realiza obras de estrutura rigorosa, cores puras, planos ortogonais, efeitos óticos e proximidade com o design gráfico.
A criação dos Objetos Ativos marca o momento no qual Willys de Castro se destaca como um dos mais inovadores artistas brasileiros, e que atualmente desperta a atenção da crítica internacional por sua originalidade e ineditismo. Entre os Objetos Ativos apresentados na mostra, está a obra pertencente ao acervo do MASP – Museu de Arte de São Paulo, que, datada de 1959, é um dos mais impactantes trabalhos desse período.
Willys de Castro – Múltipla Síntese exibe também outras produções, como um cartaz-poema da década de 1960; estudos preparatórios, nos quais é possível acompanhar a complexidade do pensamento do artista; e a música Policromos, composta por Willys de Castro em 1951. Completam a exposição os Pluriobjetos, que o artista realizou em metal, nas décadas de 1970 e 1980, e que ampliaram as experiências propostas pelos Objetos ativos.
A melhor definição sobre os Objetos Ativos, que encarnam o conceito paradoxal de Múltipla Síntese, proposto pela curadora, foi dada pelo próprio artista e pode ser estendida a toda a sua obra:
“Tal obra, realizada com o espaço e seu acontecimento, ao penetrar no mundo, perturba-o e, pelo seu surgimento, deflagra uma torrente de fenômenos perceptivos e significantes, cheios de novas revelações, até então inéditas nesse mesmo espaço.(...) Contendo eventos dentro do seu próprio tempo – iniciados, transcorridos, findados, reiniciados etc. – e ali demonstrados clara, fluentemente e indefinidamente, ele inaugura-se no mundo como um instrumento de contar a si próprio.”

Formado em química, Willys de Castro (Uberlândia MG 1926 - São Paulo SP 1988) trabalhou como desenhista técnico e começou a pintar em 1948, já revelando interesse pela abstração. Em 1954, fundou, com Hercules Barsotti, o Estúdio de Projetos Gráficos, em que atuou intensamente por 10 anos e estabeleceu uma nova visualidade no design gráfico brasileiro. Trabalhou como figurinista e cenógrafo para o Teatro de Arena e Teatro Cultura Artístico, recebendo, em 1957, o prêmio da Associação Paulista de Críticos Teatrais. Participou e atuou como barítono no movimento Ars Nova, dirigido pelo maestro Diogo Pacheco, que dedicava-se à revelação de uma música pouco conhecida – tanto clássica quanto contemporânea. Em 1957, num feito inédito, Willys de Castro produziu as partituras de verbalização para poemas concretos de Augusto e Haroldo de Campos, Ferreira Gullar e Décio Pignatari, apresentados pelo Ars Nova, no Teatro Brasileiro de Comédia, no 1o Recital de Poesia Concreta do país. Em 1958, filiou-se ao movimento neoconcreto carioca e surpreendeu o circuito de arte com seus Objetos Ativos que romperam a superfície bidimensional da tela como suporte para a pintura. Participou da mostra Konkrete Kunst, organizada por Max Bill, em Zurique, em 1960. Foi um dos fundadores da Associação Brasileira de Desenho Industrial e da Galeria de Arte Novas Tendências, que reuniu os concretos paulistas, a partir de 1963. Entre 1966 e 1967, projetou estampas para tecelagem, e a partir dos anos setenta fez experiências com o metal e madeira, criando os Pluriobjetos.

WILLYS DE CASTRO  – Múltipla Síntese, na galeria Almeida e Dale
Visitação: De 27 de março a 30 de abril de 2015

Rua Caconde 152, 01425-010, São Paulo SP

Grupo de Teatro Cultura Inglesa volta a apresentar o musical “The Wiz”



Espetáculo gratuito é baseado no clássico "O Mágico de Oz"

O Grupo de Teatro Cultura Inglesa inicia a programação de 2015 trazendo de volta o musical “The Wiz”, baseado no clássico The Wonderful Wizard of Oz (O Mágico de Oz). O espetáculo volta ao palco no dia 20 de março, no Teatro Cultura Inglesa-Pinheiros, em São Paulo, com a direção de Albano Sargaço. A peça conta a história da menina Dorothy, que ao ser atingida por um ciclone, é levada aos mistérios da Terra do Oz. A encenação é toda em inglês, realizada por 35 atores, cantores bailarinos, e banda ao vivo.

O livro O Mágico de Oz foi escrito em 1901 pelo norte-americano Frank Baum, e ganhou fama internacional em 1939 ao se transformar em um filme homônimo, estrelado por Jude Garland, que conquistou o Oscar de melhor canção original com “Over the Rainbow”. O musical, originalmente intitulado "O Maravilhoso Mágico de Oz", é um dos maiores sucessos editoriais da literatura. A Broadway transformou a história em musical apenas 40 anos depois.

O Grupo de Teatro Cultura Inglesa compõe a vasta gama de atividades culturais que inclui artes visuais, teatro infantil e adulto, dança, música pop e coral promovidos ao longo do ano pela Cultura Inglesa. As ações desenvolvidas são em sua maioria em inglês, ou seja, oferece uma experiência com a língua inglesa fora da sala de aula e sempre trazendo uma relação com a cultura britânica. Algumas dessas atividades são abertas para o público em geral. 

Mais informações estão disponíveis no portal www.culturainglesasp.com.br. A Cultura Inglesa também está presente nas redes sociais: TwitterFacebook, Youtube, Linkedin e Google +.  

SERVIÇO
THE WIZ
Quando/horário: 20 e 27/3, 3/4 às 20hs, 21, 22,28 e 29/3, 4 e 5/4 às 15hs
Onde: Teatro Cultura Inglesa-Pinheiros
Endereço: - Rua Deputado Lacerda Franco 333, Pinheiros – São Paulo
Valor: Gratuito
Classificação etária: Livre
Duração: 120 minutos

O teatro possui 173 lugares, ar-condicionado, lanchonete, acesso a portadores de necessidades especiais e estacionamento tarifado no local: R$ 20,00

Mostra homenageia 20 anos do Pé no Palco



Evento ocorre durante o Festival de Teatro de Curitiba e conta com espetáculos teatrais, música e exposições fotográficas

Em 2015 comemora-se os 20 anos do Pé no Palco, escola de teatro de Curitiba que realiza constante produção cultural, seja por meio das aulas de teatro como por meio das montagens teatrais da companhia profissional. Para celebrar a ocasião, será realizada durante o Festival de Teatro de Curitiba uma mostra especial no Portão Cultural. As atividades incluem 10 diferentes espetáculos teatrais, um da Mostra Oficial, além de apresentação musical e quatro exposições fotográficas que contam, por meio de imagens, as duas décadas de Pé no Palco.

Única peça local a integrar a Mostra Oficial do Festival de Curitiba, “Ensaio para um Adeus Inesperado” é um texto que aborda questões existenciais e profundas que se desdobram nas narrativas de uma mãe, cujo filho se matou sem deixar nenhum bilhete. Os atores Fátima Ortiz e Pedro Bonacin dão vida ao espetáculo, dirigido por José Simões e Jean Carlos Sanchez, com roteiro de Sérgio Roveri. A estreia ocorre nos dias 27, 28 e 29 de março, às 21h, no Portão Cultural.

Mais de dez anos após estrear na Mostra Oficial do Festival de Teatro, o espetáculo “O Conto da Ilha Desconhecida” volta para a programação do evento, com duas apresentações, nos dias 3 e 4 de abril, às 19h. O texto de José Saramago trata da trajetória de um homem que desafia o rei para sair pelo mundo em busca de uma ilha que ninguém conhece. Em uma linguagem bem humorada e cheia de metáforas, são abordados temas como amor e a busca infinita pelo autoconhecimento.

A comédia “O Amor Seja como For” mostra quatro atores que se revezam em 30 personagens vivendo situações impagáveis da vida real. Para as crianças, a opção é a peça “Que História é Essa?”: num reino de faz de conta, um rei, uma rainha e um enigma para ser decifrado por quem deseja conquistar o coração da princesa: como se conta a história de tudo e se abre as janelas do mundo?

Diversas companhias parceiras do Pé no Palco também se apresentam na mostra. A banda teatral performativa Vulcanióticos apresenta, no dia 30 de março, às 21h, o show “Traje de Gala”. A Súbita Companhia de Teatro o espetáculo “Câmera Escura”, e a Mataveri Cultural volta em cartaz com “O Incrível Menino Preso na Fotografia”.

Os alunos do Pé no Palco também se apresentam na mostra, com as peças “O Tempo é Fluído Aqui”, “Uma Esperança no Inferno” e “Aquele que Diz Sim e Aquele que Diz Não”. Os participantes dos projetos socioculturais da escola, em que alunos de escolas públicas fazem aulas gratuitas de teatro, também participam do Festival com apresentações previamente agendadas para escolas.

Para completar a mostra, quatro exposições fotográficas contam a história do Pé no Palco. São imagens destes 20 anos de cursos livres, das montagens profissionais, dos projetos socioculturais e uma mostra especial com imagens da fundadora do espaço, a atriz, diretora, escritora e arte educadora Fátima Ortiz. As exposições já estão em cartaz e ficam até 24 de maio, com entrada franca.

SERVIÇO
Ensaio para um Adeus Inesperado (ESTREIA)
Dias 27, 28 e 29 de março às 21h

O Conto da Ilha Desconhecida
Dias 3 e 4 de abril às 19h

O Amor seja como for
Dias 4 de abril às 21h e 5 de abril às 19h

Que História é Essa?
Dias 28 e 29 de março às 16h

Show da banda Vulcanióticos
Dia 30 de março às 21h

Câmera Escura
Dia 31 de março às 20h

O Incrível Menino Preso na Fotografia
Dias 1 de abril às 20h e 2 de abril às 18h e 20h

O Tempo é Fluído Aqui
Dias 25 e 26 de março às 22h

Uma Esperança no Inferno
Dias 1 e 2 de abril às 22h

Aquele Que Diz Sim e Aquele Que Diz Não
Dias 3 de abril às 21h e 4 de abril às 23h

Ingressos: preços variados, à venda nas bilheterias oficiais, no site do Festival e uma hora antes de cada espetáculo na bilheteria do teatro Portão Cultural – consulte em www.festivaldecuritiba.com.br

Exposição Linha do Tempo - Espetáculos dos cursos livres de teatro – 20 anos.
Exposição Arte Educação - Projetos socioculturais.
Exposição Companhia Pé no Palco - Espetáculos da companhia estável.
Exposição Mãos de Fátima - Um ensaio do improviso.
Fotos de Edu Camargo, Mariza Tezelli, Laiz Zotovici, Olívia D’agnoluzzo e Marina Tortelli. 
Período expositivo: até 24 de maio de 2015.
Entrada gratuita.

LOCAL: Portão Cultural
Av. República Argentina, 3430 – Portão – Curitiba/PR.
Horário de funcionamento: de terça-feira a domingo, das 10h às 19h.
Fone: (41) 3229-4482

APAP/PR REALIZA NESTE DOMINGO (22) ABERTURA DA EXPOSIÇÃO “OPTICAL”


A artista plástica Noeli Tarachuka apresenta obras com forte influência da Op-Art.



A Associação Profissional dos Artistas Plásticos do Paraná – APAP/PR realiza neste domingo, dia 22 de março, das 11h às 13h, na Sala Osmar Chromiec, a abertura da exposição “Optical” da artista plástica curitibana Noeli Tarachuka.  A artista iniciou sua trajetória artística em 2002 com trabalhos acadêmicos, realizou cursos de pintura e aperfeiçoamento na Casa dos Artistas e no Solar do Rosário, ambos na capital. A artista possui em seu currículo 25 exposições coletivas, em várias cidades, na capital paranaense, Ponta Grossa, Cascavel, Castro e em São Paulo. Recebeu premiações com duas menções honrosas na Câmara Municipal de Ponta Grossa e obteve o destaque em 1º Lugar no Concurso de Pintura em Tela Região Heróis da Lapa do Comando da 5ª Região Militar e 5ª Divisão do Exército,  em Curitiba, entre outros. Esta é a terceira exposição individual da artista plástica Noeli que apresenta a sua produção mais recente com forte influencia da Op-art. “Em 2011 comecei a ter aulas com a artista e orientadora Carla Schwab que me propôs criar meu próprio estilo, depois de alguns dias tentando criar algo, observei meu filho fazendo a lição de casa de geometria, pedi emprestado seu material para fazer alguns desenhos geométricos e foi ai que comecei a dar formas e cores a eles”, declara Noeli.

A Op-art, também conhecida como Arte Óptica, criada na década de 30, é um estilo artístico que utiliza técnicas para criar ilusões óticas.  Artistas como Victor Vasarely, Luiz Sacilotto, Escher (cuja exposição foi sucesso absoluto no Museu Oscar Niemeyer em 2013) e Tomie Othake são algumas referências e inspirações da artista. O resultado é uma obra com rigor técnico no uso da forma e cor, com utilização de princípios matemáticos e pinceladas precisas e esteticamente envolventes e belas. “As obras de Noeli parecem cintilarem. A vibração e energia das suas obras, certamente agradarão os visitantes”. Define a diretora cultural da associação, Sabine Feres.  A exposição permanecerá aberta para visitação pública até 24 de abril de 2015.

Serviço:
Exposição: “Optical”
Artista plástica: Noeli Tarachuka
Abertura: 22 de março, domingo, das 11h às 13h
Período de exposição: de 24 de março a 23 de março de 2015
Local: Sede da Associação Profissional dos Artistas Plásticos do Paraná – APAP/PR
Sala Osmar Chromiec
Horário de visitação: 13h30 às 18h (2ª a 6ª feira) e 11h às 13h (domingo)
Endereço: Av. Jaime Reis, 107, Sala 07 e 11, São Francisco, Curitiba – PR, CEP – 80.510-100
Telefone: (41) 3232-0408
E-mail: apap@apap.com.br

Site: www.apap.com.br
Entrada: Franca
Classificação: Livre​

Matanza prepara novo álbum




Banda disponibiliza faixa inédita no YouTube

Há mais de 15 anos, o Matanza mantem-se como uma das maiores representantes do hardcore nacional. Conhecida por fazer um estilo muito original, batizado de countrycore, o grupo carioca lançou seu último álbum em 2012, “Thunder Dope” (Deck).

Esse ano a espera dos fãs por um trabalho de inéditas chega ao fim; a banda está finalizando o novo disco, com lançamento previsto ainda para esse semestre. Batizado de “Pior Cenário Possível”, o álbum foi gravado no estúdio Tambor (Rio de Janeiro) e produzido por Rafael Ramos.

Sempre rápido, irônico e ainda muito mal humorado, o Matanza apresenta a faixa inédita, “A Sua Assinatura”. O vídeo, gravado no estúdio, está no ar no canal oficial da Deck no YouTube: http://youtu.be/4p7jTSgM8oc


Mercado de trabalho apresenta nova retração em fevereiro

Mercado de trabalho apresenta nova retração em fevereiro: O mercado de trabalho no Brasil, após apresentar desaceleração na criação de vagas ao longo de 2014, inicia o ano de 2015 no negativo, com saldo de fechamento de postos de trabalho. De acordo com o Cadastro Geral de Emprego e Desemprego (Caged), o Brasil apresentou um fechamento liquido (o saldo entre novas vagas e vagas encerradas) de 2,4 mil postos de trabalho em fevereiro, após já ter apresentado saldo negativo de 78,3 mil vagas no mês de janeiro. Com este resultado, o volume de vagas com carteira assinada foi de 41,125 milhões, menor do que o registrado no ano passado. A composição dos cortes mostra que o setor que mais demitiu foi o comércio (-30,4 mil postos), e a construção civil (-25,8 mil), enquanto a indústria apresentou saldo positivo de 2 mil vagas (27 mil no mês de janeiro) e o setor de serviços 52,3 mil postos de trabalho, em igual intervalo de comparação. A criação de vagas no setor industrial está mais concentrado no setor calçadista (5,4 mil), mas o resultado mostra fechamento de vagas em setores de maior valor agregado, como mecânica (-1,2 mil) e material de transportes (-4,6 mil), decorrente da crise no setor automotivo. Fatores como o carnaval e a baixa atividade econômica são apontados para explicar a queda na geração de novas vagas nos serviços e indústria, assim como o início das aulas ajuda a explicar o saldo positivo de vagas no setor de serviços, dada a contratação de profissionais na área de educação.


Comentário: A queda na geração de vagas formais é um resultado esperado da redução no nível de atividade da econômica. Apesar do mercado de trabalho ter apresentado resistência ao longo de 2014, já era visível a redução no ritmo de criação de novas vagas, que agora em 2015 deve se traduzir em uma elevação nas taxas de desemprego e no fechamento líquido de postos de trabalho. A expectativa de retração econômica para o ano, conjugada as recorrentes dificuldades no setor industrial (segundo a LCA consultoria, a expectativa é que 2015 apresente queda de 160 mil vagas, depois de perder 185 mil vagas em 2014 no cálculo com ajuste sazonal), devem abalar o mercado de trabalho brasileiro nos próximos meses, podendo afetar a renda e a confiança do consumidor. Mesmo o setor de serviços, que apresentava grandes saldos de contratação e mantinha o desemprego em queda, tem revelado forte desaceleração, com o acumulado de doze meses de fevereiro de 2014 sendo de 592,3 mil vagas e, agora em 2015, apenas 324,5 mil. A maioria dos especialistas concorda que os efeitos do ajuste fiscal ainda não se fizeram sentir no mercado de trabalho, o que na realidade representa uma perspectiva pessimista para os próximos meses do ano. A esperança reside no fato de que, com a desvalorização cambial, o impacto da concorrência internacional no mercado interno diminua, forçando os produtores nacionais a procurar fornecedores locais e acelerando as contratações em setores ligados as exportações no médio prazo. 

* As opiniões aqui expressas são de inteira responsabilidade do seu autor, não representando a visão da FPA ou de seus dirigentes.