quinta-feira, 22 de junho de 2017

Criações poético-espaciais é tema de palestra na Fundação Ema Klabin

A partir da década de 1960 se intensifica a multiplicidade de temas e linguagens nas artes visuais. 
 
 Foto: Mapa elaborado coletivamente ao longo do projeto “Corpo político, corpo sensível”
 
No sábado, 24 de junho,  às 11h,  a mestre em Artes Visuais Gabriela Leirias ministra a   palestra “Criações poético-espaciais: cartografias, práticas artísticas e geografias contemporâneas”.
 O encontro aborda a cartografia como linguagem nas artes visuais e suas potencialidades de comunicação de conteúdos críticos e afetivos sobre o espaço. Estão disponibilizadas 30 vagas e as inscrições podem ser realizadas no site: http://emaklabin.org.br/criacoes-poetico-espaciais/
Sobre a palestrante:
Gabriela Leirias é mestre em Artes Visuais pela ECA-USP, especialista em História da Arte Moderna e Contemporânea pela EMBAP-PR e graduada em Geografia pela FFLCH-USP. Desenvolve projetos como pesquisadora, educadora e artista em arte contemporânea. Prêmio Bolsa Funarte de Reflexão Crítica em Mídias Digitais em 2011 com o projeto Novas Cartografias on-Line. Desenvolve desde 2013 com Anahí Santos e Wellington Tibério o projeto de pesquisa, intervenção urbana e performance “Aqui passa um rio” que investiga poeticamente os rios invisíveis da cidade de São Paulo. Atualmente finaliza o projeto “Corpo político, corpo sensível – o fluxo das mulheres no espaço público e o direito à cidade”.
Serviço:
Palestra: Criações poético-espaciais: cartografias, práticas artísticas e geografias contemporâneas com Gabriela Leirias
Data: 24/06 (sábado) 
Horário:  11h 
Investimento: R$ 35,00 
Vagas: 30 
Local: Fundação Ema Klabin -  Rua Portugal, 43 - Fone: 3897 3232

FPA Análise de Mídia - 21/6

 
  • CAPA – Manchete principal: “Corretor acusa Temer e diz que pagou a aliados”
  • EDITORIAL – “Frágil normalidade” avalia que Michel Temer tentou adotar um ar de normalidade para a situação do seu governo quando embarcou para a Rússia, como se o momento por aqui não fosse de alta de tensão. O jornal observa que apesar da tentativa, dois fatos foram prejudiciais e Temer precisou ser evasivo: a conclusão inicial da PF no inquérito sobre ele e a derrota na Comissão de Assuntos Sociais do Senado. O segundo fato seria uma demonstração de que a base do governo não é assim tão unida. Assim, a fragilidade torna-se evidente.
  • COLUNA PAINEL – DELAÇÃO DA JBS: Edson Fachin será mantido relator da delação da JBS no Supremo, mas corre sério risco de ver a corte abrir caminho, nesta quarta (21), para modificar os termos do acordo que ele homologou com a empresa. A forte divisão entre os ministros será expressa na segunda etapa do julgamento, quando eles discutirão a possibilidade de o plenário rever as condições ofertadas aos colaboradores. O desfecho do caso é visto pelo governo e pela Lava Jato como um divisor de águas para a operação.
  • COLUNA PAINEL – MUITA COISA EM JOGO: Defensores da manutenção do acordo homologado por Fachin dizem que erra quem acha que é só a negociação da JBS que está em jogo. Uma revisão neste caso, dizem, colocaria em xeque novas tratativas, minando a segurança jurídica em torno de instrumento vital para a Lava Jato.
  • COLUNA PAINEL – PROTESTO: Em viagem oficial, Temer não deverá ter trégua no exterior. Um grupo de brasileiros convocou protesto para recepcioná-lo na Noruega.
  • “Funaro acusa Temer e diz ter pago comissões a Moreira Franco e Geddel” - O corretor de valores Lúcio Bolonha Funaro afirmou à Polícia Federal que o presidente Michel Temer fez "orientação/pedido" para que fossem feitas duas "operações" de crédito junto ao Fundo de Investimentos do FGTS, para duas empresas privadas. As operações, segundo Funaro, geraram "comissões expressivas, no montante aproximado de R$ 20 milhões". O dinheiro, segundo Funaro, foi destinado principalmente à "campanha para Presidência da República no ano de 2014" e à campanha do ex-deputado federal Gabriel Chalita à Prefeitura de São Paulo em 2012. As empresas beneficiadas foram a BR Vias, da família Constantino, dona da aérea Gol, e a LLX, que hoje se chama Prumo Logística e tem como sócio Eike Batista. Funaro também afirmou ter ouvido do ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha (PMDB-RJ) que havia "conhecimento do presidente Michel Temer a respeito da propina sobre o contrato [para construção] das plataformas entre a Petrobras Internacional e o grupo Odebrecht". O corretor afirmou também ter pago, em espécie, um total de R$ 20 milhões ao ex-ministro Geddel Vieira Lima por "operações" na Caixa.
  • “Joesley diz à PF que Temer 'pressionou' BNDES para favorecer JBS” - Em depoimento à Polícia Federal na última sexta (16), Joesley Batista, delator e um dos donos da JBS, afirmou que soube por Geddel Vieira Lima que o presidente Michel Temer "pressionou" a ex-presidente do BNDES Maria Silvia para favorecer o frigorífico. De acordo com o empresário, o presidente teria chamado Maria Silvia em seu gabinete para pedir que ela não vetasse uma reestruturação societária da JBS no exterior. O BNDES barrou a reestruturação –ou seja, a então presidente do banco não teria atendido o desejo da empresa de Joesley. Maria Silvia pediu demissão do comando do BNDES no dia 26 de maio, menos de dez dias depois de a delação dos executivos da JBS se tornar conhecida.
  • “Há 'evidências' com 'vigor' de corrupção praticada por Temer, diz PF” - O relatório diz "concluir pela prática" do crime de corrupção passiva do presidente Temer "em face de, valendo-se da interposição de Rodrigo Rocha Loures, ter aceitado promessa de vantagem indevida em razão da função". A PF pediu mais cinco dias ao ministro Edson Fachin para finalizar as investigações e apresentar o laudo da perícia das gravações de conversas feitas por Joesley Batista, um dos donos da JBS. A polícia aguarda esse resultado para concluir se houve também o crime de obstrução de Justiça.
  • “Juiz rejeita queixa-crime de Temer contra Joesley por entrevista”
  • “Relatório da PF é 'jurídico, não político', diz Temer na Rússia”
  • “STF decide se caso JBS fica com Fachin” – A decisão deve sair hoje.
  • “França confirma condenação de Maluf por lavagem de dinheiro”
  • “STF coloca irmã e primo em prisão domiciliar e adia decisão sobre Aécio”
  • “PSDB adia encontro da executiva sobre destino de Aécio”
  • “Defesa diz que OAS não tinha mais poder para dar tríplex a Lula” – A defesa do ex-presidente Lula apresentou ontem suas alegações finais. Na manifestação, o advogado Cristiano Zanin Martins fez um histórico da documentação do imóvel e afirma que a empreiteira transferiu os direitos econômicos e financeiros a partir de 2010 para um fundo gerido pela Caixa Econômica. Para a defesa, isso mostra que a OAS não tinha como ceder a propriedade ou prometer a posse ao ex-presidente, o que invalidaria a acusação do Ministério Público Federal. Zanin sustenta que a medida fez parte de uma negociação da OAS para a emissão de debêntures (títulos emitidos por uma empresa para captar recursos). A defesa diz ter providenciado essa documentação ao pesquisar cartórios pelo país por conta própria, já que uma perícia pedida ao juiz foi negada. Questionada pela Folha, a Caixa disse, por meio de sua assessoria, que não é dona dos direitos econômicos do tríplex. Segundo o banco, o FGTS adquiriu debêntures da OAS garantidos pela hipoteca do prédio, de propriedade da construtora. Mas, diz, essa garantia "não impede a comercialização dos imóveis".
  • “Defesa de Lula tenta 'pessoalizar' acusações, diz força-tarefa da Lava Jato”
  • “O real proprietário do tríplex era Lula, reafirma Léo Pinheiro à Justiça”
  • “Governo sofre derrota na reforma trabalhista em comissão do Senado” - Apesar do revés, o resultado da votação não interrompe a tramitação da proposta do governo. Isso porque o posicionamento do colegiado é um parecer, e a decisão final cabe ao plenário do Senado. A derrota do governo teve resposta negativa no mercado financeiro. A Bolsa brasileira caiu 2% e fechou abaixo do patamar registrado no dia 18 de maio, o dia seguinte à divulgação da notícia de que Joesley Batista havia gravado o presidente Michel Temer. A cotação do dólar comercial subiu 1,27%, para R$ 3,3310.
  • “Governo tenta tranquilizar mercado após derrota na reforma trabalhista” - Os ministros Henrique Meirelles (Fazenda), Dyogo Oliveira (Planejamento), Eliseu Padilha (Casa Civil) e Moreira Franco (Secretaria-Geral da Presidência), além de parlamentares governistas, foram mobilizados para dizer a investidores que o cronograma da reforma está mantido e que o projeto deve ser aprovado até o fim de julho. Eles também gravaram vídeos para serem divulgados nas redes sociais. Na gravação, Meirelles minimiza a derrota e diz que "são fatos corriqueiros". Ele afirma inda que a situação é normal e que a proposta será aprovada no plenário.
  • “Temer minimiza derrota de reforma trabalhista no Senado”
  • “Agropecuária sustenta crescimento de vagas com carteira assinada”
  • “Arrecadação do governo em maio é a pior para o mês desde 2010” - Influenciada pela queda nas receitas pagas pela indústria, a arrecadação em maio foi a pior para o mês desde 2010, divulgou nesta terça-feira (20) a Receita Federal. As receitas federais totalizaram R$ 97,6 bilhões no mês passado, uma redução real (descontada a inflação do período) de 0,96% na comparação com maio de 2016. A arrecadação administrada pela Receita Federal somou R$ 96 bilhões (queda de 0,31% em relação a maio de 2016) e a não administrada, que vinha crescendo com força até abril, totalizou R$ 1,6 bilhões, queda de 28,7% na mesma comparação. No acumulado do ano, as receitas federais totalizam R$ 544,4 bilhões, um crescimento de 0,35% na comparação com o período de janeiro a maio do ano passado.
 
 
  • CAPA – Manchete principal: “Temer orientou divisão de verba desviada, diz Funaro”
  • “O doleiro no ataque” – As informações são semelhantes às da Folha. A diferença é que o texto da reportagem supõe uma situação de maior pressão sobre Temer.
  • “Joesley: Temer pressionou Maria Silvia, do BNDES, por pedido da JBS” – A reportagem divulga as informações semelhantes às da Folha de São Paulo.
  • “Relatório da PF afirma que Temer era beneficiário final de propina” – A manchete é diferente da publicada pela Folha, mas as informações são semelhantes.
  • “Justiça rejeita ação do presidente contra Joesley”
  • “Irmã e primo de Aécio ficarão em prisão domiciliar”
  • “PSDB quer que senador desista de comando da legenda”
  • “Delação de Joesley nas mãos do Supremo” - Advogados ouvidos pelo GLOBO acreditam que esse julgamento será importante para determinar como o Supremo vai se portar diante de acordos de delação que ainda estão sendo negociados, como o do ex-ministro Antônio Palocci e o do dono da OAS, Leo Pinheiro. Também há expectativa em torno do futuro das apurações contra Temer, caso a maioria dos ministros entenda que a homologação de Joesley deve ser validada pelo plenário. Há, ainda, a possibilidade de que os ministros discutam regras novas para homologar delações futuras. No entendimento de alguns juristas, o Supremo precisa ser cuidadoso ao analisar esta questão para evitar que uma mudança no entendimento adotado até agora provoque dúvidas em relação aos processos já julgados com base nas delações homologadas apenas pelo relator do caso.
  • “Justiça francesa condena Maluf a três anos de prisão e multa”
  • “Lula diz que tríplex é da OAS; empreiteiro nega” - Os advogados do expresidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmaram nas alegações finais da ação que envolve o tríplex do Guarujá, apresentadas ontem ao juiz Sergio Moro, que o apartamento pertence à OAS e que houve cerceamento da defesa. O Ministério Público Federal (MPF) afirma, na acusação, que o tríplex foi mantido em nome da construtora para ocultar o verdadeiro proprietário, que seria o petista. Em suas alegações finais na mesma ação penal, o ex-presidente da OAS Léo Pinheiro reafirmou que Lula é o real proprietário do apartamento. Após receber as alegações finais da defesa, o juiz Sérgio Moro já pode julgar a ação a partir de hoje, redigindo a sentença que dirá se Lula é inocente ou culpado. O magistrado também pode optar por pedir novas diligências antes de decidir o caso. Após a publicação da sentença, o caso segue para o Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4). Uma eventual pena só começa a ser cumprida após a decisão em segunda instância. A reportagem não tem um posicionamento claro sobre o caso. É objetiva.
  • EDITORIAL – “Lula e Dilma não estão bem na foto de Joesley”  afirma que a delação da JBS é um marco na investigação contra a corrupção e defende que o conteúdo da delação ou da entrevista de Josley à revista Época não fazem parecer que o empresário está protegendo Lula ou Dilma. O jornal carioca faz ligações entre o dinheiro dado pelo BNDES à JBS e a citação de Mantega pelo empresário para dizer que o MPF já tem provas suficientes contra “a organização criminosa do lulopetismo”. O texto ainda cita que existiriam organizações criminosas do PMDB e “esquemas” do PSDB . O que fica evidente é que os empresários não são taxados como bandidos, apenas os políticos.
  • “Revés para o governo” - O governo sofreu ontem uma derrota no Senado Federal e não conseguiu aprovar um dos projetos mais importantes da atual agenda econômica. Por um voto de diferença, a reforma trabalhista foi rejeitada na Comissão de Assuntos Sociais (CAS): dez senadores foram contrários ao parecer do relator, Ricardo Ferraço (PSDB-ES), e nove votaram a favor. Foi o primeiro tropeço desde o recrudescimento da crise política, causada pela delação do empresário Joesley Batista, da JBS, que colocou o presidente Michel Temer sob suspeita de corrução e obstrução da Justiça. O jornal carioca utiliza um tom mais preocupante com relação à derrota do governo, como se quisesse levantar dúvida sobre a capacidade de aprovar o projeto.
  • “Temer minimiza derrota e diz que o importante é votação no plenário”
  • “Rejeição faz Bolsa cair 2%. Dólar avança 1,27%”
 
 
 
  • CAPA – Manchete principal: “Revés governista eleva dúvida sobre aprovação de reformas”
  • EDITORIAL – “Alerta importante” se refere às criticas que Gilmar Mendes fez à Operação Lava Jato e à possibilidade de se instaurar um “Estado policial” no Brasil em função de como as investigações estão sendo conduzidas. O jornal considera que as palavras do ministro do STF precisam ser levadas em consideração. O Estadão concorda com Mendes que o Brasil pode virar uma ditadura de promotores e juízes. É, de certa forma, surpreendente a mudança de posição do jornalão paulista que até outro dia defendia com veemência a Operação Lava Jato.
  • “Temer pediu comissão de R$ 20 milhões, diz Funaro” – As informações são semelhantes às da Folha e do Globo.
  • “Crise brasileira na agenda russa” – A notícia afirma que durante a viagem, Temer precisou procurar a imprensa para tratar dos assuntos que ocorriam no Brasil.
  • “Supremo deve manter delação da JBS” – A reportagem afirma que o Estadão consultou os ministros da corte e que a tendência é de que seja formada maioria pela manutenção do acordo de delação aprovado por Edson Fachin. No entanto, durante a sessão devem ser feitos duros discursos e o placar deve ser dividido.
  • “Juiz nega ação de presidente contra Joesley”
  • “Lula encontrou Temer um dia após ‘reunião’ de Cunha” – Essa notícia não está muito destacada na página, aparece embaixo da reportagem sobre a discussão no Supremo com relação a delação da JBS e em tamanho bem menor. A publicação tenta dar veracidade à versão dada por Eduardo Cunha em uma carta que escreveu de dentro da prisão indicando que teria participado de uma reunião com Lula e Joesley para discutir o impeachment. Segundo o jornal, a data coincide com o momento em que se tentava negociar para que o PMDB não saísse do governo. Ainda de acordo com o Estadão, alguns dias depois, Lula teria se reunido com Michel Temer para discutir a permanência do PMDB.
  • “Léo Pinheiro reitera que triplex é de Lula” – Diferente do Globo e da Folha que separaram as argumentações das partes em reportagens diferentes, o Estadão coloca as alegações finais de Leo Pinheiro e Lula nesse texto que claramente privilegia a versão dada pelo antigo dono da OAS.
  • “Irmã de Aécio vai para prisão domiciliar”
  • “Tucanos pedem renúncia ao comando como ‘gesto de grandeza’”
  • “Tribunal francês condena Maluf a três anos de prisão”
  • “Governo sofre derrota em tramitação da reforma trabalhista no Senado” – O Estadão classifica a derrota como inesperada. O Planalto teria sido surpreendido pelo voto contrário de três parlamentares que pertencem à base governista. Segundo a reportagem, o Planalto estima que conseguirá aprovar a reforma no plenário com 46 votos. O Estadão afirma que uma leitura que se faz sobre a derrota é de que os parlamentares do Nordeste estão desconfortáveis em votar as reformas diante da crise.
  • “Vitória no plenário é certa, diz Temer”
  • “Sinal de ‘desarticulação’ surpreende analistas” – Os analistas de mercado consultados pelo jornal avaliaram que a derrota foi um sinal de desatenção do governo que estaria preocupado com outras questões.
  • “Geração de vagas fica no azul pelo segundo mês seguido”
  • “Desembolsos do BNDES caem 17%”
  • “Arrecadação é a menor para maio desde 2010”
 
 
  • CAPA – Manchete principal: “STF deve manter validade do acordo de delação da JBS”
  • “Arrecadação recua em maio e tem pior resultado em 7 anos”
  • “Resultado coloca novas dúvidas sobre ritmo de recuperação”
  • “Eleição de 2018 ameaça reformas, dizem analistas” - O cenário político conturbado pode não atrapalhar muito o desempenho da economia este ano, mas as eleições de 2018 representam risco real à agenda de reformas necessárias para o país voltar a crescer. Até essa definição, a economia deve ser afetada pela incerteza. A avaliação foi feita por empresários e economistas que participaram de evento promovido pelo Instituto Millenium.
  • “Volume de desembolsos do BNDES indica uma recuperação ainda lenta da economia”
  • “Bancos discutem mais crédito para pequenas empresas”
  • “Agropecuária garante 2º mês seguido de abertura de vagas”
  • “Reajustes salariais voltam a ficar acima da inflação”
  • “Homologação de delação da JBS deve ser mantida pelo STF” - O Supremo Tribunal Federal (STF) deve manter esta tarde a validade da delação de executivos da JBS, inclusive a homologação do acordo pelo ministro Edson Fachin, relator da Operação Lava-Jato na Corte. Os ministros discutirão duas questões específicas. A primeira é se o caso deve permanecer nas mãos de Fachin. Para essa discussão, espera-se um placar  elástico que pode até atingir 11 a 0 em favor da manutenção da relatoria do ministro. Já a segunda questão, mais polêmica, envolve os limites da atuação de um juiz no acordo de delação. O debate se desdobra em dois pontos específicos: a quem cabe homologar as colaborações (um ministro sozinho ou o plenário do STF); e em que momento a Corte pode discutir a validade das cláusulas do acordo e dos benefícios oferecidos pelo Ministério Público  (no momento da homologação ou apenas no fim do processo).
  • “Presidente vai recorrer de rejeição de queixa contra Joesley Batista”
  • “PF vê evidência de corrupção de Temer”
  • “Polícia acredita ter identificado 'Edgar' citado por Loures” - A Polícia Federal (PF) suspeita que o homem de nome 'Edgar' mencionado pelo ex-assessor especial de Michel Temer, Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR), seja Edgar Rafael Safdie, empresário dos ramos imobiliário e financeiro e dono da Latour Capital Real Ltda.
  • “Funaro diz que governante orientava desvios na Caixa” – As informações são semelhantes às publicadas pelos outros jornais, mas é impressionante que a manchete não utiliza o nome de Temer e em seu lugar coloque “governante”.
  • “Supremo adia decisão sobre Aécio e coloca irmã em prisão domiciliar”
  • “Janot pede mais um inquérito contra Lobão”
  • “Ação penal sobre triplex entra na fase final” – A reportagem se concentra em explicar em que fase está o processo, quais são os outros inquéritos aos quais Lula responde e passa superficialmente pelas alegações finais da defesa do ex-presidente.
  • “Votação da LDO de 2018 fica para agosto”
  • “Rodrigo Maia tenta atrair parte do PSB para o DEM”
  • “Com voto tucano, comissão rejeita reforma trabalhista” - A votação mexeu com o mercado - o dólar teve a maior alta desde a crise política desencadeada pela delação da JBS, em maio, e o Ibovespa caiu 2,01% - e com os ânimos dos senadores. Enquanto governistas demonstravam abatimento, a oposição celebrava o resultado como "o início do fim do governo Michel Temer". Com o presidente em viagem oficial à Rússia e Noruega, governo e PSDB passaram a se culpar mutuamente pela derrota ao longo da tarde. Em declarações à imprensa, o ministro-chefe da Secretaria-Geral da Presidência, Moreira Franco, apontou a postura "contraditória" do PSDB, que hesita em decidir sobre desembarcar ou não do governo, como determinante para a derrota do texto na CAS. Por sua vez, o presidente interino do PSDB, senador Tasso Jereissati (CE), responsabilizou a viagem do presidente pela derrota: "O governo levou todo mundo para Moscou e se esqueceu da votação".
  • “Temer prega mudanças sem combinar com os russos do Congresso” - No primeiro dia de sua viagem à Rússia, o presidente Michel Temer elogiou os parlamentares brasileiros, ora para o presidente da Duma, o parlamento russo, Vyacheslav Volodin, ora para representantes de empresas reunidos em um seminário de captação de investimentos russos no Brasil. Só no fim do dia ficou claro que faltou ao presidente combinar com os russos que deixou no Congresso Nacional o desfecho da derrota governista na votação da reforma trabalhista.
  • “Para Padilha, derrota parlamentar 'é fato corriqueiro'”
  • “Preço do petróleo cai 2% e aprofunda perda”

RuPaul's Drag Race: Final de reality show de drag queens tem transmissão no Soviet nesta sexta



A grande final da nona temporada de RuPaul's Drag Race terá transmissão ao vivo no Soviet nesta sexta-feira (23/6). O fenômeno da televisão, um reality show de competição entre drag queens, poderá ser visto em um telão gigante a partir das 21h, com abertura da casa às 20h30. Para valorizar a torcida das finalistas (Sasha, Peppermint, Shea e Trinity), a noite terá ainda drinks temáticos. A entrada até 22h é de R$ 10 para todos. Após 22h, a entrada de R$ 25 tem desconto na lista amiga a R$ 15 até 1h e estudantes pagam R$ 10 até meia-noite. Drags que forem montadas tem entrada liberada até 22h.

Na programação musical, a sexta tem os DJs Eduardo Gomes Freneda, ADRN, Dimis e Pedrô, tocando pop, dance e R&B. Até 1h, há dose dupla de Catuaba, vodka e Ypióca.

No sábado, o Soviet tem a festa Stardust com muito pop e dance a partir das 23h. Nas picapes, os DJs Dimis, Duda Rezende, Fefo e Pedrô esquentando a pista. Até 1h, dose dupla de vodka, gim e Catuaba. A entrada, de R$ 30, fica a R$ 20 até 1h com nome na lista, e estudantes pagam R$ 15 até meia-noite.

Soviet
Sexta-feira, 23 de junho - 20h30 - Transmissão Ao Vivo RuPaul's Drag Race Finale - Entrada: Até 22h R$ 10, após 22h R$ 25, com nome na lista do Soviet App R$ 15 até 1h, estudantes pagam R$ 10 até 0h
Sábado, 24 de junho - 23h - Stardust  - Entrada: R$ 30, com nome na lista do Soviet App R$ 20 até 1h, estudantes pagam R$ 15 até 0h
Endereço: R. Bispo Dom José, 2277 - Batel

Curso ensina formatação de projetos culturais no Solar do Rosário em julho



A elaboração de projetos culturais passa por variadas etapas, que vão da idealização até o enquadramento nas áreas específicas, orçamento, formação de equipe, busca de documentação necessária, podendo ser um processo complexo e demorado, caso não haja acompanhamento de pessoa especializada. Para otimizar este preparo, o Solar do Rosário oferece a Oficina de Formatação de Projetos Culturais, ministrado por Jul Leardini, em julho. São cinco encontros nos quais o professor auxilia os participantes a elaborarem seus projetos pessoais, com dicas sobre estas etapas, seja para inscrição em Lei Rouanet, Lei do Audiovisual, Lei Municipal de Incentivo à Cultura, Lei Estadual de Incentivo à Cultura ou Editais de Cultura.
As aulas acontecem às segundas-feiras (dias 3, 10, 17, 24 e 31) de julho, das 19h às 22h. O investimento é de R$ 350.

O professor da oficina, Jul Leardini, é especializado em leis de incentivo desde 1993, atuando como consultor de projetos, e como professor de projetos culturais desde 1998. Produziu mais de cem eventos em teatro, ópera, cinema, literatura, rádio e televisão, entre outros.

Oficina de Formatação de Projetos Culturais
Data: segundas-feiras de julho, dias 3, 10, 17, 24 e 31
Horário: das 19h às 22h
Investimento: R$ 350
Endereço: Rua Duque de Caxias, 4 - Centro Histórico - Curitiba
Setor de Cursos: de segunda a sexta-feira das 11h às 20h e sábado das 9h às 13h
Informações: (41) 3225-6232

quarta-feira, 21 de junho de 2017

Inscrições abertas para cursos no Conservatório de MPB



Estão abertas as inscrições para os cursos do 2º semestre de 2017 no Conservatório de Música Popular Brasileira. São 27 cursos regulares de periodicidade semestral, divididos entre instrumentos, canto, disciplinas teóricas e práticas de conjunto. As inscrições devem ser feitas até o dia 30 de junho pelo site www.conservatoriodempb.com.br.
O Conservatório de MPB oferece cursos de acordeom, bandolim, bateria, cavaquinho, clarinete, flauta doce e transversal, guitarra, percussão, piano, saxofone, trompete, violão e viola caipira. Além desses, oferece o curso de canto popular, disciplinas teóricas (LEM – leitura e estruturação musical, harmonia funcional e arranjo instrumental) e práticas de conjunto (choro, MPB, samba, música caipira). Para crianças, de 7 a 12 anos, há cursos de bateria, violão e piano.
Na 1ª fase das inscrições, o candidato deverá ler o edital geral, clicar no curso de seu interesse e em seguida preencher a ficha de inscrição disponível online. A inscrição poderá ser feita em quantos cursos o candidato tiver interesse. Somente em relação a um mesmo curso (que seja disponibilizado por dois professores diferentes), o candidato deverá optar por um dos professores.
Após esse procedimento, o candidato deverá aguardar o edital de aprovação da 1ª fase. Se for aprovado, passará para a 2ª fase das inscrições quando se submeterá a um teste prático e/ou entrevista de nivelamento, realizado mediante o pagamento da taxa de R$ 35, que será cobrada apenas para os aprovados para a 2ª fase. A lista com os nomes dos selecionados – na 1ª e 2ª fases - será divulgada no próprio site.
Os cursos de disciplinas teóricas e práticas de conjunto poderão ser gratuitos para os alunos matriculados como pagantes nas aulas de instrumentos ou canto. Neste caso, os candidatos deverão se inscrever normalmente conforme o procedimento padrão.
Para obter mais informações e esclarecer dúvidas, o candidato pode enviar um e-mail para  secretariacmpb@fcc.curitiba.pr.gov.br ou ligar para o telefone (41) 3321-3315. O atendimento pessoal é realizado na secretaria do Conservatório, de segunda a quinta-feira das 9h às 22h, sexta-feira das 9h às 21h e sábado das 9h às 13h.


Serviço:
Inscrições para novos alunos do Conservatório de MPB de Curitiba:
16 a 
30 de junho de 2017 – Inscrições pelo site www.conservatoriodempb.com.br
Valores: cursos de instrumentos ou canto – 5 x R$ 120,  teste (2ª fase) R$ 35 e matrícula R$ 120.
Valores: curso de clarinete (em dupla) – 5 x R$ 160, teste (2ª fase) R$ 35 e matrícula R$ 120.
Valores: cursos teóricos e de práticas de conjunto – 5 x R$ 50, teste (2ª fase) R$ 35 e matrícula R$ 50.
Endereço: Rua Mateus Leme, 66, São Francisco
Informações: 
(41) 3321-3315(41) 3321-3208
Informações pedagógicas: 3321-3318
E-mail: 
secretariacmpb@fcc.curitiba.pr.gov.br
Início das aulas - 24 de julho de 2017

CURSOS REGULARES DO CONSERVATÓRIO DE MÚSICA POPULAR BRASILEIRA 

Cursos para adultos |  a partir de 13 anos completos
Canto popular, piano, acordeom, bandolim, violão, cavaquinho, guitarra, baixo elétrico, viola caipira, bateria, percussão, trompete, flauta doce, flauta transversal, trombone, clarinete e saxofone. Carga horária: 16 horas (1 hora/aula semanal)

Cursos para crianças | 7 a 12 anos
Bateria, violão e piano. Carga horária: 16 horas (1 hora/aula semanal)

Disciplinas teóricas | a partir de 13 anos completos
LEM (linguagem e estruturação musical), harmonia e arranjo instrumental. Carga horária: 32 horas (2 horas/aula semanais)

Práticas de conjunto | a partir de 13 anos completos
Conjunto de choro, conjunto de MPB, conjunto de música caipira e conjunto de samba. Carga horária: 32 horas (2 horas/aula semanais)

Valores dos cursos

MODALIDADE DE CURSOS REGULARES
VALOR TOTAL
Nº DE PARCELAS
VALOR PARCELA
Canto, instrumentos adulto/infantil
R$ 600,00
5x
R$ 120,00
Clarinete (aulas em dupla)
R$ 800,00
5x
R$ 160,00
Disciplinas teóricas
R$ 250,00
5x
R$ 50,00
Práticas de conjunto: choro, MPB, samba e música caipira
R$ 250,00
5x
R$ 50,00



TAXAS
PARCELAS
1ª Fase de inscrição – questionário online
gratuito
-
2ª Fase de inscrição – teste de nivelamento / entrevista (se aprovado na 1ª Fase)
R$ 35,00
valor único
Matrícula (se aprovado na 2ª Fase) – instrumentos e canto
R$ 120,00
valor único
Matrícula (se aprovado na 2ª Fase) – Disciplinas teóricas e práticas de conjunto
R$ 50,00
valor único

FPA Análise de Mídia - 20/6

 
  • CAPA – Manchete principal: “PF conclui que houve corrupção no caso Temer”
  • EDITORIAL – “Devagar e sempre” elogia a estratégia traçada pela equipe econômica do governo para reduzir a meta da inflação a 4,25%. A Folha afirma que o Brasil sempre teve muita dificuldade com relação a inflação e somente do final do anos 1990 pra cá que se lançou um regime de metas com seriedade. O jornal elogia a política atual criticando a que foi realizada durante o governo Dilma.
  • COLUNA PAINEL – EDSON FACHIN: O ministro Edson Fachin está fazendo contas. Segundo pessoas próximas, acredita que tem, hoje, entre seis e sete votos a favor de sua manutenção como relator da delação da JBS no Supremo. Consolidada uma maioria, crê até ser possível obter o apoio de todo o plenário na sessão desta quarta-feira (21). Sabe, porém, que está longe de ser uma unanimidade. Prepara-se para receber críticas durante o julgamento, mas está focado no resultado. Aposta que sairá fortalecido do episódio.
  • COLUNA PAINEL – CAIXA DOIS: Visto como um gesto de Rodrigo Janot ao Congresso em meio à expectativa sobre a iminente denúncia de Michel Temer ao STF, a oferta de suspensão de processos contra políticos delatados na Lava Jato por caixa dois despertou críticas. Parlamentares lembraram que, com isso, ficarão reféns da discricionariedade do procurador-geral. E, ainda, que políticos que pregaram uma “anistia” ao delito por projeto de lei foram acusados de tentar obstruir a investigação.
  • COLUNA PAINEL – TEMER, NÃO CAIA: O embaixador Samuel Pinheiro Guimarães, secretário de Assuntos Estratégicos de Lula, defende que a oposição trabalhe para retardar a queda de Michel Temer. “Quanto mais cedo” ele deixar o poder, diz, “pior será para a oposição”. A tese integra análise de Guimarães, hoje assessor da liderança da minoria no Senado. No texto, ele diz ainda que “a queda imediata de Temer atende aos interesses das classes hegemônicas” e que, com o peemedebista fora do governo, as reformas serão aprovadas.
  • “Investigação da PF conclui que houve corrupção em caso de Temer e Loures” - Relatório preliminar da Polícia Federal referente à investigação sobre o presidente Michel Temer e seu ex-assessor Rodrigo Rocha Loures concluiu que houve a prática de corrupção passiva, segundo a Folha apurou. As informações foram entregues ao STF (Supremo Tribunal Federal) nesta segunda-feira (19) e ainda não foram divulgadas pelo tribunal. Não está claro qual o papel que a polícia atribui a cada um dos investigados. De acordo com apuração da reportagem, o documento é "conclusivo" sobre o crime cometido. A PF pediu, porém, mais cinco dias ao ministro Edson Fachin para finalizar as investigações e apresentar o laudo da perícia das gravações de conversas feitas por Joesley Batista, um dos donos da JBS.
  • “Cunha contradiz Joesley e diz que empresário discutiu impeachment com Lula” - O ex-deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) confrontou o empresário Joesley Batista e afirmou que se reuniu com o dono da JBS e com o ex-presidente Lula, em março de 2016, para discutir o processo de impeachment de Dilma Rousseff. "Ele [Joesley] fala que só encontrou o ex-presidente Lula por duas vezes, em 2006 e 2013. Mentira! Ele apenas se esqueceu que promoveu um encontro que durou horas, no dia 26 de março de 2016, Sábado de Aleluia, na sua residência [...] entre eu, ele e Lula, a pedido de Lula, a fim de discutir o processo de impeachment [...] onde pude constatar a relação entre eles e os constantes encontros que eles mantinham", escreveu o peemedebista. Cunha disse que o encontro com Joesley e Lula pode ser comprovado pelos seguranças da presidência da Câmara que o acompanharam na ocasião, além de registros do carro alugado para transportá-lo em São Paulo. O ex-presidente da Câmara lança dúvidas sobre a elaboração de medidas pela equipe econômica do governo Michel Temer que beneficiam a JBS, apesar das acusações feitas por Joesley contra o presidente. "É estranho que, mesmo atacando o governo, ele ainda seja o maior beneficiário de medidas [...] tais como a MP 783 do Refis", escreveu. "Ele também é o grande beneficiário da MP 784, da leniência com o Banco Central e com a CVM, onde as suas falcatruas no mercado de capitais, as atuais e as passadas, poderão obter o perdão e ficarem impunes." Cunha questiona: "A pergunta que não quer calar é de onde vem o poder dele, que mente, ataca o governo e ainda se beneficia dos atos do governo que o deixam mais rico e impune?"
  • “Temer vai processar Joesley por danos morais, calúnia e difamação”
  • “'Criminosos não sairão impunes', diz Temer em vídeo nas redes sociais”
  • “Amigo de Michel Temer participa de obra suspeita”
  • “Em visita à Rússia, Temer tentará demonstrar alguma normalidade”
  • “Presidência comete equívoco e chama Rússia de República Socialista”
  • “Lava Jato atesta autenticidade de pintura apreendida com investigado” - O artista Fernando Lucchesi não teve dúvidas ao ver a pintura que retrata um enorme vaso de flores, apreendida pela Lava Jato: "Esse quadro é meu", afirmou. Ao que o chefe da perícia da Polícia Federal em Curitiba, Fábio Salvador, respondeu: "Não acredito". A investigação queria demonstrar, com dados objetivos, que o quadro apreendido na casa do ex-diretor da Petrobras Renato Duque era, de fato, do pintor mineiro. Duque é suspeito de usar obras de arte para lavar dinheiro de propina obtida na estatal: a PF apreendeu 132 peças em sua casa. Demorou quase um ano, mas a equipe de peritos concluiu um laudo que promete ser um marco para a investigação de lavagem de dinheiro no Brasil: ele atesta a autenticidade do quadro "Para Guignard" –que, afinal, era mesmo de Lucchesi. Com o uso de cinco técnicas diferentes, o trabalho estabelece um parâmetro para avaliar com segurança a autoria e o valor de uma obra de arte, e então estimar o montante e as condições da lavagem de dinheiro.
  • “Investigação sim, abuso não, defende Gilmar Mendes sobre a Lava Jato” - O ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) e presidente do TSE (Tribunal Superior Eleitoral), Gilmar Mendes, defendeu nesta segunda (19) "limites" a investigações cujos propósitos são "colocar medo nas pessoas, desacreditá-las". Citando a Lava Jato, ele afirmou que as apurações de promotores e procuradores se expandiram demais e que é preciso criticar os "abusos". "Investigação sim, abuso não", afirmou. "Não se combate o crime cometendo crimes", completou o ministro.
  • “Críticas de Gilmar são 'desserviço à República', diz subprocurador-geral”
  • “Para Janot, críticos da Lava Jato querem 'defender amigos poderosos'”
  • “Turma do STF vai decidir sobre prisão de Aécio Neves”
  • “PSOL, petistas e movimento de sem-teto discutem plano para esquerda” - Realizada a convite do MTST (Movimento dos Trabalhadores Sem Teto), de Guilherme Boulos, e da Frente Povo Sem Medo, a reunião contou com a participação do senador Lindbergh Farias (PT-RJ) e do ex-ministro da Justiça Tarso Genro. Embora participantes neguem que o pós-Lula estivesse em pauta, ficou acertada a organização de debates públicos e via internet para elaboração de um programa de governo a partir do segundo semestre. Anteriormente defendida por movimentos de esquerda, a redação de uma plataforma comum já foi rechaçada pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva em duas reuniões, sob o argumento de que deve ser factível. Um dos participantes da reunião de domingo explica que o futuro da esquerda está atrelado ao destino de Lula e aos desdobramentos da Operação Lava Jato. Segundo outro participante, está em discussão um "programa mais à esquerda", que vá "além" dos governos petistas. A reforma do sistema tributário, uma auditoria do sistema da dívida e o controle da mídia são propostas em debate. O encontro invadiu a noite de domingo e reuniu em São Paulo dirigentes da chamada esquerda petista, de aberta oposição ao atual comando partidário. Desde o ano passado, esses descontentes discutem a possibilidade de sair do PT. Entre suas alternativas, estão a criação de um partido ao lado de Boulos e a migração para o PSOL. Boulos ainda não tem filiação partidária.
  • “Doria defende Temer, mas diz que aval ao presidente não é 'interminável'”
  • “Caixa volta a suspender linha mais barata para imóveis de até R$ 950 mil”
  • “Brasil é 'House of Cards' sob efeito de ácido, diz diretor do BTG Pactual”
  • “Incerteza sobre reformas dificultam queda mais rápida dos juros, diz BC”
  • “Correios encerram e-Sedex, frete mais barato em lojas on-line”
 
 
  • CAPA – Manchete principal: “Para PF, houve corrupção no caso Temer e Loures”
  • “Para PF, há corrupção” -  A Polícia Federal enviou ontem ao Supremo Tribunal Federal (STF) relatório parcial do inquérito que investiga o presidente Michel Temer. Para os investigadores, o presidente cometeu crime de corrupção. Entre as provas consideradas pelos policiais estão duas conversas entre o diretor da JBS Ricardo Saud e o deputado afastado Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR) que já tiveram a perícia concluída. Procurada, a Polícia Federal não comentou o relatório e nem quis se manifestar. Apesar de concluir por indícios de cometimento de crime de corrupção pelo presidente da República, o relatório parcial pede ainda um prazo adicional de cinco dias para os investigadores concluírem a parte do inquérito sobre o crime de obstrução de Justiça.
  • “Presidente processa Joesley por calúnia e difamação”
  • “Da prisão, Cunha rebate acusações de Joesley” - Na carta, o ex-presidente da Câmara diz que o dono da JBS se encontrava frequentemente com o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, ao contrário do afirmado pelo empresário. Segundo Cunha, ele e Joesley se encontraram com Lula em março de 2016 para discutir o impeachment de Dilma Rousseff. O ex-deputado “nega veementemente” as acusações feitas por Joesley, em entrevista à revista “Época”, de que receberia dinheiro da JBS por meio do doleiro Lúcio Funaro.
  • “Temer veta redução de área de preservação”
  • “Se não for preso, Aécio deve ser poupado pelo Conselho de Ética” - Se a Corte determinar, como é provável, que Aécio continuará solto mas afastado do mandato, ele deve ser poupado pelo Conselho de Ética, mas tende a fazer um acordo para antecipar a convenção tucana que escolherá seu substituto na presidência do partido.
  • “Doria diz que apoio a Temer não é ‘irrevogável’”
  • “Caixa dois sem corrupção terá punição mais leve”
  • “Fux diz que STF pode rever delação da JBS”
  • “Gilmar Mendes: ‘Expandiu-se demais a investigação, além dos limites’”
  • “Cabral vira réu pela 11ª vez, por uso de joias para ocultar propina”
  • “Lava-Jato pede sequestro de bens de filhas de Palocci”
  • EDITORIAL – “Julgamento no STF ameaça delações premiadas” alega que a discussão no STf sobre a delação da JBS pode alterar todo o processo através do qual as delações premiadas têm sido firmadas até agora, podendo, inclusive, cancelá-las.
  • “Impacto na geração de empregos” - A pesquisa, do Santander, estima em R$ 37 bilhões o custo para os empresários, por ano, da rigidez na legislação. Analistas alertam, porém, que deve haver perdas para trabalhadores menos qualificados. A reforma trabalhista pode gerar 2,3 milhões de empregos no país em pouco mais de um ano, segundo estudo do Santander obtido com exclusividade pelo GLOBO. A estimativa leva em consideração a flexibilização de regras e consequente redução de custos para o empregador, que voltaria a contratar. Os autores admitem, no entanto, que esse é um processo que causará perdas para uma parcela dos trabalhadores, principalmente aqueles com menor qualificação. Por isso, destacam a necessidade de políticas de proteção social que amenizem esses efeitos.
  • O cálculo do banco leva em consideração o nível de regulamentação do mercado de trabalho brasileiro. A principal base para as conclusões é um relatório do Instituto Fraser que atribui notas a 159 países, de acordo com o grau de flexibilidade nas relações trabalhistas. São levados em conta fatores como regras e custos para contratar e demitir, facilidade para fechar negociações coletivas e regras sobre jornada de trabalho. Na última edição, divulgada em 2016 com base em dados de 2014, o Brasil aparece na 144ª posição, com nota 4,5. O líder era Hong Kong, com nota 9,4.
  • “Governo acredita que a proposta será aprovada em comissão hoje”
  • “OIT: jornada intermitente tem de prever proteção ao trabalhador”
  • “Caixa suspende financiamento com juro baixo da casa própria”
 
 
 
  • CAPA – Manchete principal: “PF vê indícios de corrupção passiva de Temer”
  • EDITORIAL – “O que o Sr. Joesley não disse” afirma que em entrevista à Época, Joesley não apresentou nada novo. O jornal critica o empresário por ele ter dito que nunca teve conversa não republicana com Lula e ressalta que ele tenta livrar o ex-presidente. O texto joga a informação de que a JBS cresceu durante o governo Lula e que esse seria o motivo para que o empresário proteja Lula. Basicamente, o editorial tenta desacreditar a entrevista de Joesley porque ela não tem o conteúdo que o Estadão gostaria que tivesse. O texto deixa claro que se Joesley citasse Lula, então qualquer versão apresentada por ele seria factível. A pós-verdade é praticada pela grande imprensa há décadas.
  • “Polícia Federal vê indícios de corrupção de Temer” – São as mesmas informações de O Globo.
  • “Cunha diz que se reuniu com Lula e Joesley para discutir impeachment”
  • “Gilmar ataca modelo de ‘Estado policial’”
  • “Críticos desejam ‘defender amigos poderosos’, diz Janot”
  • “STF julga prisão de Aécio; apoio no Senado é incerto”
  • “Para Doria, aval ao governo não é interminável”
  • “Na UNE, PSDB é ‘Fora, Temer’ e pró diretas” – A reportagem afirma que a juventude tucana teve participação recorde no Congresso da UNE com 148 delegados, o que seria suficiente para garantir pelo menos uma vaga na diretoria da entidade. Diferente da executiva do partido, a juventude defendeu que Temer saia da presidência, que o PSDB abandone o governo e que sejam realizadas eleições diretas. Essa reportagem levanta um grande questionamento. Afinal, o Congresso da UNE só é de interesse público, digno de uma reportagem quando trata da juventude do PSDB. Qual é o critério da imprensa que ignora a UNE e tantos outros movimentos sociais e só noticia a existência da entidade em um caso esdrúxulo como esse?
  • “Estatais terão limite para repasse de recursos ao Tesou Nacional”
  • “No BNDES, teto para repasse é 60% do lucro”
  • “SP deve receber maior parte da verba do ‘Avançar’” – Dos ais de R$ 56 bilhões a serem desembolsados pelo governo federal, São Paulo deve receber R$ 5 bi.
 
 
  • CAPA – Manchete principal: “Supremo decide amanhã validade da delação da JBS”
  • “Investimentos anunciados em SP no 1º tri chegam a US$ 6,7 bi, 80% do total de 2016” - Entre os 90 projetos catalogados, os maiores valores estão concentrados na indústria e no setor de infraestrutura, este último beneficiado por concessões de aeroportos e rodovias. O desempenho, que contabiliza tanto investimentos imediatos quanto empreendimentos com maturação de até 30 anos, reforça os "possíveis sinais de retomada" que os indicadores de curto prazo de atividade têm esboçado, diz Margarida Kalemkarian, analista da gerência de indicadores econômicos do Seade. O ritmo de recuperação, ela ressalva, ainda que modesto, pode desacelerar diante da crise política, já que a incerteza tem impacto negativo importante sobre os investimentos.
  • “Indicadores de maio sinalizam economia ainda resistente à crise”
  • “Governo já estima ritmo menor de expansão no 4º tri”
  • “Focus projeta para junho primeira deflação em 11 anos”
  • “Inflação baixa neste ano beneficia projeções para 2018”
  • “Balança acumula, no ano, superávit de US$ 32,6 bi”
  • “Sem previsão de novos acordos, Temer inicia hoje visita à Rússia’”
  • “STF decide amanhã se homologação de delação será revista” - A questão é crucial para o futuro da Operação Lava-Jato, na qual o Ministério Público vem revelando diversos crimes por meio de acordos nos quais o delator recebe, em troca, a redução da pena - ou no caso dos executivos da JBS, a imunidade penal. O resultado também será determinante para as investigações envolvendo o presidente Michel Temer, um dos citados na delação. As discussões prometem ser duras, mas a expectativa é que o acordo seja mantido, ainda que com um placar apertado. Uma possibilidade é que sejam fixadas algumas condições, como esclarecer que o Judiciário poderá avaliar, ao fim do processo, se o delator cumpriu ou não as condições exigidas para merecer o benefício. Até agora, apenas a homologação de uma delação da Lava-Jato foi submetida ao plenário do STF: a do doleiro Alberto Youssef. Em agosto de 2015, a homologação do acordo foi mantido pela Corte por unanimidade, com placar de dez votos a zero.
  • “’Expandiu-se demais as investigações, além dos limites’, diz Gilmar Mendes”
  • “Segundo Luiz Fux, ‘não é anômalo imaginar’ revisão de termos do acordo”
  • “Inquérito da PF sobre Temer conclui que houve corrupção”
  • “Temer aciona Joesley na Justiça e diz que ‘criminosos não sairão impunes’”
  • “Cunha ataca empresário e menciona reunião com Lula”
  • “Alckmin e Doria condicionam apoio tucano”
  • “Para especialista, proposta de Janot evita impunidade” - A proposta articulada pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, de distinguir caixa dois do crime de corrupção é a melhor medida para evitar a impunidade, segundo o especialista em direito eleitoral Alberto Rollo. Para o advogado, é a forma de enquadrar dezenas de políticos que usaram recursos ilícitos na campanha, já que a legislação eleitoral não prevê o crime de caixa dois. "É lógico que o uso de caixa dois é crime, mas não está previsto no código eleitoral, de 1965. A proposta do Janot é a possibilidade que se tem de usar a lei para denunciar esse tipo de crime", afirmou Rollo.
  • “Investigados por caixa dois não têm interesse em assumir culpa” – O  Valor conversou com quase uma dezena dos investigados, sob condição de anonimato ou abertamente, e apenas um demonstrou de imediato intenção de aceitar um acordo desses. Alguns disseram que teriam que consultar advogados antes de se manifestarem. Os políticos, em sua maioria, apoiaram a iniciativa, mas disseram que seus casos não se aplicam porque provarão sua inocência. A avaliação é de que assumir a culpa por receber caixa dois na véspera da eleição de 2018, que será marcada pela Lava-Jato e pelo sentimento de renovação, causará ainda mais estragos à imagem, já abalada pelas delações.
  • “Câmara deve votar denúncia contra Temer antes da reforma, diz relator”