sábado, 24 de março de 2012

Mãe dos fiéis: Um romance sobre o nascimento do islã



Mãe dos fiéis: Um romance sobre o nascimento do islã
Título Original: Mother of the believers
de Kamran Pasha


Tradutor: Mariluce Pessoa

Páginas: 532
Formato: 16x23



No coração da Arábia do século VII, surge um novo profeta chamado Maomé. Homem comum, ele vê sua vida mudar quando o anjo Gabriel lhe faz as primeiras Revelações. Em pouco tempo sua mensagem de paz e justiça conquista o coração dos primeiros muçulmanos, mas sua crença afronta os principais líderes políticos da região. À medida que seus ensinamentos se estendem por toda a Arábia e unificam tribos rivais, sua jovem esposa Aisha narra a extraordinária transformação do marido em guerreiro e estadista. Mãe dos fiéis resgata a essência do islamismo ao contar a história de uma mulher notável destinada a anunciar a mensagem de Maomé ao mundo.




O Autor Kamran Pasha Fala sobre seu Livro Mother of the Believers


um lançamento






O Ensino de geografia na escola de Lana de Souza Cavalcanti



O Ensino de geografia na escola

de Lana de Souza Cavalcanti



Coleção: Magistério: Formação e trabalho pedagógico

Nº Páginas: 208

Público Alvo: Professores e alunos de Geografia

Segundo LANA DE SOUZA CAVALCANTI a Geografia como disciplina escolar deve ser encarada de forma diversa da ciência geográfica , "embora ambas analisem a realidade pela mesma perspectiva. O modo como cada uma compõe e organiza os temas de estudo é diferente. No mais, a primeira é um feixe de referências - e, entre elas, está a ciência geográfica estudada nas nossas universidades. Para lecionar no Ensino Fundamental, não basta aplicá-la diretamente, nem de um modo simplificado. A disciplina tem história, estrutura e lógica próprias. Muitos professores recém-formados não têm isso claro e se sentem atormentados por não conseguir aplicar o que aprenderam na graduação. "

O LIVRO
Esse livro aborda a formação e a prática do professor de geografia, com vistas a um ensino efetivamente voltado para a aprendizagem do aluno, considerado como sujeito histórica e socialmente constituído e ativo na construção de seus conhecimentos. Nesse ensino, o professor tem o papel de mediar a relação do aluno com os conteúdos geográficos, buscando ajudá-lo em seu processo de desenvolvimento intelectual, cognitivo, afetivo e social.
Ao apresentar princípios teóricos e implicações práticas da formação inicial e continuada em geografia, a obra traz contribuições para estudantes e professores preocupados em qualificar a prática docente cotidiana e em dar sentido crítico aos conteúdos da disciplina.


O CONTEÚDO
APRESENTAÇÃO
1. A FORMAÇÃO PROFISSIONAL: PRINCÍPIOS E PROPOSTAS PARA UMA ATUAÇÃO DOCENTE CRÍTICA
2. REFERÊNCIAS PEDAGÓGICO-DIDÁTICAS PARA A GEOGRAFIA ESCOLAR
3. UM PROFISSIONAL CRÍTICO EM GEOGRAFIA: ELEMENTOS DA FORMAÇÃO INICIAL DO PROFESSOR
4. GEOGRAFIA ESCOLAR, FORMAÇÃO CONTÍNUA E TRABALHO DOCENTE
5. TRABALHO DOCENTE EM GEOGRAFIA, JOVENS ESCOLARES E PRÁTICAS ESPACIAIS COTIDIANAS
6. CONCEPÇÕES TEÓRICO-METODOLÓGICAS E DOCÊNCIA DA GEOGRAFIA NO MUNDO CONTEMPORÂNEO
7. CONCEITOS GEOGRÁFICOS: META PARA A FORMAÇÃO E A PRÁTICA DOCENTES
8. GEOGRAFIA ESCOLAR E PROCEDIMENTOS DE ENSINO DE UMA PERSPECTIVA SOCIOCONSTRUTIVISTA
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

UM LANÇAMENTO







O Cavaleiro da Terra de Ninguém Vida e tempos de Cristóvão Pereira de Abreu



O Cavaleiro da Terra de Ninguém

Vida e tempos de Cristóvão Pereira de Abreu

de Sinval Medina


Formato: 14x21
Nº de páginas: 432


Segundo Euripedes Falcão Vieira , doutor em Geografia e Bacharel em Ciências Econômicas eProfessor emérito do Rio Grande do Sul -
"Na teoria geral da população uma fixação inicial gera processos demográficos, dinamizando o núcleo primevo em direção a um adensamento populacional, formação de vila, de cidade e de zona urbana. O que aconteceu em Rio Grande foi uma pré-definição geográfica de lugar, uma determinação de criar povoamento e a instalação de um comando militar de posse territorial. São dois momento, duas datas. A primeira em 27/09/1736 com Cristovão Pereira de Abreu à frente, e a outra, em 19/02/1737, com o Brigadeiro Silva Paes entrando na barra do Rio Grande e assumindo o comando dos fortes já existentes e tomando posse do território do Rio Grande do Sul. Não há dúvida, porém, face a documentação dos próprios protagonistas do fato geográfico e histórico que a primazia do núcleo inicial da futura cidade do Rio Grande data de 27/09/1736 e a figura de seu fundador não oficializado foi Cristovão Pereira de Abreu.

Penso que a polêmica não visa mudar a data nem o “fundador simbólico”, mas não devemos subalternizar o núcleo inicial e a figura que o organizou. Interpretar que Rio Grande não tinha um núcleo de povoamento anterior ao Brigadeiro José da Silva Paes é desconhecer a realidade geográfica onde os fatos se desenrolaram, ou em outra perspectiva, a pesquisa foi incompleta.

Cristovão Pereira de Abreu participou, também, em 1737, sob o comando de Silva Paes, da construção do forte São Miguel, hoje território Uruguaio; em 1754, aos setenta e quatro anos, para garantir os limites estabelecidos no Tratado de Madri, confrontou com os nativos missioneiros comandados por Sepé Tiaraju. Em 1755, o grande pioneiro, desbravador e lutador pela posse da territorialidade rio-grandense morreu em Rio Grande, no núcleo de povoamento que iniciara e seria, mais de dois séculos após, a cidade portuária do Rio Grande. Cristovão Pereira de Abreu nasceu em 1680, ano da criação da Colônia do Sacramento. Por mais de 30 anos percorreu as terras do litoral sul, onde acabou ficando para a eternidade. Deixou cartas e relatórios que estão preservados na Biblioteca Rio-Grandense em Rio Grande."

Agora com o livro de Sinval Medina parece ter odevido reconhecimento da história!

O LIVRO
Explorador, sertanista, combatente: Cristóvão Pereira de Abreu é o cavaleiro da Terra de Ninguém - o território que hoje é o Rio Grande do Sul e que, no período colonial, mal fazia parte do Brasil. Conhecido como Rei dos Tropeiros, foi ele quem, nas primeiras décadas do século XVIII, abriu o caminho entre São Paulo e aquela região, permitindo a integração social, política e econômica do Sul com o restante do país.

Resultado de minuciosa pesquisa, este livro é uma biografia romanceada, na qual Sinval Medina reconstrói a trajetória do fidalgo português que cruzou o oceano para tornar-se um dos personagens mais importantes de nossa história.

UM LANÇAMENTO


Governo lança programa para política de educação no campo Ascom MEC - 21/03/2012 Pelo Pronacampo, mais de 3 milhões de estudantes receberão material

Governo lança programa para política de educação no campo

Pelo Pronacampo, mais de 3 milhões de estudantes receberão material didático relacionado à realidade do campo, por meio do Programa Nacional do Livro Didático. O Programa Nacional de Biblioteca da Escola atenderá professores e estudantes, ao oferecer obras de referência sobre as especificidades do campo e das comunidades remanescentes de quilombos.

Lançamento dos livros de Louis Lavelle e Tarcísio Padilha


A Editora É convida para o lançamento dos livros de Louis Lavelle e Tarcísio Padilha

clique para ampliar











Ciclo de debates – 25 anos em Contexto

Este ano é muito especial: em 2012 estamos comemorando 25 anos da Editora Contexto. Para dar início às celebrações, realizaremos uma série de debates comandados por profissionais renomados de cada área e sempre enfocando temas atuais e de grande interesse. Os eventos acontecerão sempre no Teatro Eva Herz, na Livraria Cultura do Conjunto Nacional, em São Paulo.

Confira abaixo as datas, os temas, os convidados já confirmados e participe. A entrada é gratuita.




25 ANOS – O CONTEXO JORNALÍSTICO
Data: 2 de abril – Horário: 19h

Milton Leite, Pollyana Ferrari, Milton Jung e Carlos Eduardo Lins da Silva

A revolução tecnológica atingiu em cheio o jornalismo, provocando enormes mudanças que estão sendo absorvidas aos poucos por jornalistas e empresas do ramo. O que mudou nos últimos 25 anos? Para onde vai o jornalismo?



*****

25 ANOS – O CONTEXTO HISTÓRICO
Data: 4 de junho – Horário: 19h
Cicatrização das marcas da ditadura, consolidação da democracia, liberdade de expressão, governos civis escolhidos por voto e incorporação de parcela maior da população na cidadania são marcos da nossa história nos últimos 25 anos. Contudo, persiste uma distância enorme entre a sociedade civil e o estado. O que fazer para aproximá-los?

*****

25 ANOS – O CONTEXTO DA LÍNGUA PORTUGUESA
Data: 6 de agosto – Horário: 19h
Se é verdade que ainda não há uma língua brasileira, o último quarto de século tornou evidente a existência de uma língua portuguesa brasileira. Qual é a especificidade dessa língua? É possível (e desejável) aproximar o português falado da norma culta e vice-versa?

*****

25 ANOS – O CONTEXTO EDUCACIONAL
Data: 1º de outubro – Horário: 19h
A deterioração do ensino público limita o crescimento do país, dificulta a mobilidade social e a prática de uma cidadania integral. O que fazer para alterar este quadro?

*****

25 ANOS – AS CIDADES BRASILEIRAS EM CONTEXTO
Data: 3 de dezembro – Horário: 19h
Crescimento desordenado, aumento da violência, trânsito caótico: as cidades brasileiras, inclusive as médias, sofreram grandes alterações nos últimos 25 anos. Por outro lado, é nelas que vive a esmagadora maioria da população. O que pode ser feito pelas cidades e pelas pessoas?

Galpão comemora 30 anos em Curitiba



Além de apresentar ‘Eclipse” nacionalmente, Grupo abre portas para o teatro mineiro no Festival de Curitiba





O Grupo Galpão estreia, pela primeira vez fora de Belo Horizonte, o espetáculo "Eclipse", no ano em que completa 30 anos de história. Nos dias 6, 7 e 8 de abril, a companhia desembarca no Paraná para se apresentar na 21ª edição do Festival de Teatro de Curitiba.

“Eclipse” completa o projeto “Viagem a Tchékhov”, lançado pelo Grupo Galpão em 2011. O Grupo propôs um mergulho, durante um ano, na obra do autor russo, com o objetivo de montar dois espetáculos.



--

Sinopse “Eclipse”

Cinco pessoas aguardam o final de um eclipse solar. Enquanto isso discutem sobre a existência e a condição humana perpassando os contos e a filosofia do escritor russo Anton Tchékhov. À medida que a espera se torna longa, o confronto dessas visões de mundo desencadeia uma série de situações absurdas.

--



O Galpão Cine Horto realiza, a curadoria da segunda edição da mostra “Grupos de BH - Teatro para Ver de Perto”, sob a coordenação artística de Chico Pelúcio e Leonardo Lessa. O centro cultural do Grupo Galpão levará para o Fringe, em Curitiba, um panorama da produção recente de jovens grupos teatrais da capital mineira, além de lançamento de duas publicações do Selo Edições CPMT e bate-papo sobre algumas tendências da criação teatral contemporânea. As atividades acontecerão de 31 de março a 8 de abril, no Teatro Novelas Curitibanas.



MOSTRA “Grupos de BH - Teatro para ver de perto”

Os sete espetáculos de seis grupos mineiros, que compõem a programação de nove dias do Teatro Novelas Curitibanas, foram escolhidos por terem em comum a criação dramatúrgica original e a relação de proximidade com o espectador como premissa para a encenação. O público do Festival poderá assistir, no Teatro Novelas Curitibanas, aos seguintes espetáculos: “A Pequenina América e Sua Avó $ifrada de escrúpulos” da Mayombe Companhia de Teatro, “Quintal”, da Cia. Casca, “Outro Lado”, da Cia. QuatroLosCinco, “Robinson”, da Cia Pequeno Mamute Capitão Amável, “Da ordem das coisas” e “Mudanças”, da Companhia do Chá e “Cachorros não sabem blefar”, da Cia. Cinco Cabeças.

Jogando no Quintal 10 anos




Dias 7 e 8 de abril, no Estúdio Emme





O Jogando no Quintal comemora 10 anos de sua criação resgatando a agenda de exibição das primeiras temporadas, quando o grupo fazia apresentações somente no primeiro final de semana de cada mês. As próximas apresentações acontecem nos disa 7 e 8 de abril, sábado e domingo.



O Jogando no Quintal traz no elenco os maiores nomes do improviso no Brasil. O grupo permanece junto desde a sua formação o que possibilitou o aprofundamento da pesquisa que continua surpreendendo e divertindo o público a cada apresentação. O espetáculo foi idealizado por César Gouvêa e Marcio Ballas.



Alguns jogos de improviso que serão apresentados serão inéditos e alguns há muito não apresentados farão retornos surpresas a cada sessão da temporada que se estende até o mês de setembro. Em algumas delas, convidados inéditos e que já se apresentaram com o grupo farão participações especiais.



Baseado nos jogos de improviso e nas regras do futebol, só que jogado por palhaços-atletas, o Jogando no Quintal traz a energia dos estádios para o teatro transformando o público em torcedor e incendiando a platéia a cada partida. Mais de 250 mil pessoas já assistiram o Jogando no Quintal.



10 anos em cartaz

O Jogando no Quintal comemora 10 anos em cartaz com uma programação pautada pela ação que traduz uma das essências do grupo: O COMPARTILHAR.



Uma programação gratuita terá o objetivo de abrir os bastidores do espetáculo e revelar o que está por trás do nariz vermelho. Workshops, exibição de vídeos e debates serão realizados durante todo este ano no Quintal de Criação.



O espaço foi inaugurado em 2009 e hoje atrai mais de 500 alunos por ano, entre leigos e atores, que buscam formação na linguagem da improvisação e do palhaço. O Quintal de Criação é hoje a grande fonte de inspiração para a criação de outros grupos e espetáculos que surgiram em todo o país.



O site terá uma nova identidade visual visando ampliar a possibilidade de comunicação direta com o público e a troca de experiências.




JOGANDO NO QUINTAL – 10 anos

Temporada: 07 e 08 de abril | 05 e 06 de maio | 02 e 03 de junho | 07 e 08 de julho | 04 e 05 de agosto | 01 e 02 de setembro.

Início do espetáculo: sábado as 21h e domingo às 19h30

Abertura da casa: sábado às 20h00 e domingo às 18h30

Duração do espetáculo: 90 minutos

Preço: 20,00 ( NÃO TEM MEIA ENTRADA)

canais de vendas:

On line: aloingressos.com.br

Bilheterias do Estúdio Emme: de segunda a sábado, das 13h00 - 19h00.

Censura: 18 anos

Estacionamento: serviço de vallet: R$ 20,00

Cartão de crédito: Mastercard e Visa

Cartão de Débito: Redeshop e Visa Electron

Acesso para deficientes.

Ar condicionado.

Estreou dia 3 de março

Estúdio Emme

Av. Pedroso de Moraes, 1036

https://www.facebook.com/EstudioEmme

contato@estudioemme.com.br

Informações: 11 3031 3290



Ficha Técnica

Criação e direção: César Gouvêa e Marcio Ballas

Direção: César Gouvêa

Elenco: Allan Benatti, César Gouvêa, Cláudio Thebas, Eugênio La Salvia, Lú Lopes, Marcio Ballas, Marco Gonçalves, Nando Bolognesi, Paola Musatti, Paulo Federal, Rhena de Faria, Vera Abbud, Gabriela Argento, Álvaro Lages, Danilo Dal Farra, Ernani Sanches.

Cenário: César Gouvêa

Direção de Produção: Ludmilla Picosque

Técnico de som: Felipe Mesquita

Iluminação: Aline Barros e Marcel Gilber

Contra regra: Getulio e Fernando Albuquerque

Produção Executiva: Humberto Rodrigues

No aniversário de Curitiba, idosos fotografam a cidade

No dia 29 de março, aniversário de Curitiba, um grupo de aproximadamente 90 idosos, moradores dos bairros Portão e CIC, farão um passeio de ônibus pela cidade, com paradas em parques e pontos turísticos para tirar fotografias e fazer caminhadas. Os ônibus saem às 14h do Parque Cambuí (Portão) e do CRAS Vila Verde (Rua Emílio Romani, 2637 – CIC), e passam pela Praça do Japão, Museu Oscar Niemeyer, Bosque Alemão e Parque Tanguá, onde acontece um piquenique de confraternização.

O passeio fotográfico completa as atividades da oficina de fotografia “Aprender a Ver”, destinada especialmente a idosos que queiram aprimorar a técnica. A oficina será realizada de 26 a 28 de março, na Associação Curitibana da Melhor Idade (Portão), com orientação do fotógrafo Bruno Stock. Os participantes terão aulas teóricas e práticas, que abordam história da fotografia, noções de enquadramento, composição, angulação e iluminação.

As vagas para a oficina já estão preenchidas, mas ela não é requisito para participar do passeio fotográfico do dia 29. Quem quiser se integrar ao passeio, deve se inscrever nos núcleos regionais da Fundação Cultural de Curitiba no Portão e CIC, e depois se apresentar no local de embarque com sua câmera fotográfica. A atividade é gratuita.



Serviço:

Passeio fotográfico dos idosos

Data: 29 de março (quinta-feira), às 14h

Locais de saída dos ônibus:

Parque Cambuí – Rua Carlos Klemtz, s/n – Portão

Centro de Referência de Assistência Social – CRAS Vila Verde – Rua Emílio Romani, 2637 – CIC

Atividade gratuita

Informações: (41) 3350-3965 (Portão) e (41) 3212-1523 (CIC).

SANTO FORTE no ESTÚDIO EMME




O Dj e pesquisador musical Tutu Moraes

agita quinzenalmente o Estúdio Emme com a Festa do Santo Forte.

A próxima edição acontece no dia 31 de março.









A Festa do Santo Forte foi idealizada pelo

DJ e pesquisador musical Tutu Moraes que,

ao transformar a música popular brasileira

em protagonista da noite, criou um

dos maiores sucessos da noite de São Paulo.



Seus sets inusitados fazem uma mistura de gêneros

que reúne pontos de umbanda e candomblé com carimbó,

frevo, tropicália e até marchinhas de carnaval.

Tutu incorpora todas as vertentes do samba

com a música independente,

criando assim uma atmosfera de repertórios

extensos e diversificados.



“O grande diferencial da Festa do Santo Forte

é a qualidade das referências musicais

– todas canções brasileiras –

garimpadas de norte a sul, de diferentes culturas”

fala Tutu Moraes sobre a Festa.



Ele destaca também o público, parte imprescindível

para a evolução da energia que paira a cada edição.



De caráter essencialmente underground,

a Santo Forte reúne músicos, atores, artistas plásticos,

cineastas e também curiosos, dispostos a dançar ao som

de diferentes ritmos, que em algumas

noites proporcionam verdadeiras catarses na pista.



Serviço

FESTA DO SANTO FORTE

Data: 31 de março (sábado)
Abertura da casa: 23h30
Ingresso: Antecipado: R$ 25,00

Na porta: R$ 40,00

Local: Estúdio Emme

Av. Pedroso de Morais, 1036 – Pinheiros
Horário da Bilheteria:

de segunda a sábado, das 13h00 às 20h00,

para venda de ingressos antecipados.

bilheteria reabre no sábado,

no horário do início da festa,

para a venda de ingressos na porta.

Tel para informações: (11) 2626 5835
Valet no local
Não recomendado para menores de 18 anos.
A casa aceita cartões, dispõe de chapelaria,

e área aberta (externa) para fumantes

Realização
Santo Forte Produções
www.santoforteproducoes.com.br
Estúdio Emme
www.estudioemme.com.br



Sobre o Estúdio Emme

O Estúdio Emme proporciona uma experiência completa, através de serviços exclusivos, para quem gosta de moda, música, cultura e diversão. Instalado junto à loja da marca, que dá nome à casa, em Pinheiros, o local tem uma programação que destaca o pop, rock, música brasileira, música eletrônica e suas variações em DJ sets ou performances ao vivo.

Cinemateca apresenta mostra especial para comemorar aniversário de Curitiba






A Cinemateca de Curitiba promove, de 26 a 30 de março, a Mostra Especial Comemorativa do Aniversário de Curitiba. Serão exibidos filmes de diretores paranaenses que retratam aspectos da história, da sociedade e da cultura curitibana. Fazem parte da mostra as produções “Belarmino e Gabriela”, de Geraldo Pioli, “O Preço da Paz”, de Paulo Moreli, “O Sal da Terra”, de Elói Pires Ferreira, “Dois Sacos de Lixo”, de Yanco del Pino, e “Lance Maior”, de Sylvio Back.

“A programação escolhida presta uma homenagem a Curitiba. Todos os filmes contam histórias de pessoas que de alguma maneira fizeram parte da construção desta cidade”, explica a coordenadora da Cinemateca, Solange Stecz, responsável pela seleção dos filmes. “A mostra é também uma oportunidade para o público conhecer essas obras valorizando nossas produções”, diz.

O documentário “Belarmino e Gabriela”, de Geraldo Pioli, tem o circo como cenário para as histórias de Salvador Graciano e Júlia Alves (Nhô Belarmino e Nhá Gabriela), que formaram uma das duplas caipiras mais populares do Paraná. Eles são representados no filme por vários personagens e também pelos seus filhos Ivan e Rui, e pela neta Júlia.

A superprodução “O Preço da Paz”, de Paulo Moreli, retrata momentos da vida do Barão do Serro Azul, um dos personagens da Revolução Federalista e da história política de Curitiba. Fazem parte do elenco Giulia Gam, Herson Capri, Lima Duarte e Camila Pitanga.

A história de “O Sal da Terra”, de Eloi Pires Ferreira, narra o dia-a-dia de três personagens que têm suas vidas cruzadas – o padre, os caminhoneiros Miguel e Romeu e um andarilho. Na trama eles expõem seus dilemas particulares. Em “Dois Sacos de Lixo”, Yanco Del Pino reproduz trechos de filmes encontrados no lixo do Canal 4 em Curitiba. O longa-metragem aguça a curiosidade do público ao mostrar imagens da vida de importantes personalidades da sociedade curitibana.

O reconhecido cineasta catarinense Sylvio Back, que desenvolveu parte de sua carreira no Paraná, e o seu primeiro longa-metragem “Lance Maior”, também estão na mostra. Com Reginaldo Farias e Regina Duarte, o filme foi realizado em Curitiba e lançado nacionalmente em 1968. A ação é centrada em personagens jovens, de camadas sociais diferentes, na Curitiba da época. A descoberta amorosa, a Universidade, as baladas, o emprego, a família, a luta pela sobrevivência são temas discutidos por Back nesse filme.



Serviço:

Mostra Especial Comemorativa do Aniversário de Curitiba

Local: Cinemateca de Curitiba – R. Carlos Cavalcanti, 1174

Datas e horário: de 26 a 30 de março, às 14h

Dia 26: “Belarmino e Gabriela”, de Geraldo Pioli

Dia 27: “O Preço da Paz”, de Paulo Moreli

Dia 28: “O Sal da Terra”, de Eloi Pires Ferreira

Dia 29: “Dois Sacos de Lixo”, de Yanco del Pino

Dia 30: “Lance Maior”, de Sylvio Back

Ingressos: R$5 e R$2,50

A editora LeYa convida para o lançamento do livro "Ziiim"

A editora LeYa convida para o lançamento do livro "Ziiim", de João Wady Cury e Ilka Freitas. O evento será realizado no sábado, dia 24, a partir das 16h, na Livraria Cultura do Shopping Villa-Lobos, com autógrafos e contação de histórias.


“Ziiim” é o novo livro infantil da editora LeYa Brasil e chega em março às livrarias

Os autores João Wady Cury e Ilka Mourão retratam na obra a viagem de uma criança a partir de seu próprio coração até outras galáxias do Universo

A editora LeYa Brasil lança em março o livro “Ziiim”, do escritor e jornalista João Wady Cury e da diretora de arte, Ilka Freitas. Ricamente ilustrado, a obra retrata o mundo inocente de uma criança por meio de suas dúvidas e observações sobre a vastidão do Universo.

Cada criança tem a sua forma peculiar de ver o mundo. Mas o que os adultos não sabem é que elas o veem em “ziiim”, como um voo para fora de si mesmas, partindo de seu coração e passando por bairros, cidades, estados, países, planetas e outras galáxias. Como neste trecho:

“onde mora meu coração?

seu coração mora em você.”

Em “Ziiim”, a criança começa a descobrir o mundo pelo que há de mais próximo e também pelo que a toca. O livro propõe a viagem a partir do próprio coração da criança, mistura de sentimento, simbologia do amor, e órgão vital. A história é contada por um texto delicado e desenhos muito coloridos para retratar a maneira como uma criança vê o mundo.

Com uma linguagem simples, de fácil identificação, “Ziiim” é mais do que apenas um livro infantil, é um fiel e doce diálogo sobre o amor .

LANÇAMENTO DA





PROGRAMAÇÃO CINEMATECA | 23 A 29 DE MARÇO DE 2012

Dia 23 – sessões às 16h, 18h e 20h

FESTIVAL PERMANENTE DO MINUTO – MELHORES VÍDEOS DE 2011
O Festival do Minuto acontece desde 1991, selecionando e exibindo vídeos de
até 60 segundos de duração, feitos por amadores e profissionais. Atualmente,
o Festival do Minuto é PERMANENTE e ONLINE, ou seja, recebe vídeos
diariamente e oferece prêmios aos melhores vídeos mensalmente.
Uma vez por ano são selecionados os melhores vídeos – dentre os milhares
recebidos – para exibição em todo o Brasil. Nesta mostra serão exibidos os
melhores vídeos de 2011.
Classificação livre
Total do programa: 36 minutos
Entrada gratuita

De 24 a 27 – sessões às 16h e 19h

MOSTRA DO PALCO À TELA
Mostra sobre teatro em parceria com a Aliança Francesa de Curitiba e
Cinemateca da Embaixada da França
Filmes com legendas em português.
O programa reúne captações de espetáculos teatrais adaptados para a tela e
documentários franceses sobre teatro.
Entrada gratuita para todos os filmes do evento

Dia 24 - 16h
A SECRETA ARQUITETURA DO PARÁGRAFO: ENCONTRO COM
PHILIPPE MINYANA | La Secrète architecture du paragraphe : Rencontre
avec Philippe Minyana (França, 2002 - 26 min - documentário). Direção de
Jérôme Deschamps.
Uma introdução concreta e material no trabalho de Minyana que fala de sua
relação com os atores, suas afinidades com o trabalho dos artistas plásticos e,
sobretudo, desenvolve sua concepção de escritura teatral.
INVENTÁRIOS | Inventaires (França, 1990 – 48 min - documentário). Direção
de Jacques Renard. Com Edith Scob, Florence Giorgetti, Judith Magre.
Ao transpor a ação para os corredores de um hipermercado, no meio de
carrinhos de compras, caixas registradoras e clientes anônimos que fazem
compras e se encontram inseridos no filme como espectadores do evento, cria-
se um inquietante visual do mecanismo de jogos televisivos ao vivo e demais
reality shows. Classificação livre

19h
COELHO CAÇADOR | Lapin Chasseur (França, 1991- 112 min -
documentário). Direção de Guy Seligmann. Com Jean-Marc Bihour, Susan
Carlson, Yolande Moreau.
Aqui os diretores prosseguem nesta peça a explorar o burlesco e o lado
inquietante de nossos universos cotidianos, desmontando alegremente,
obstinadamente e com carinho as engrenagens grosseiras ou complexas de
nossa comédia humana. Classificação livre

Dia 25 - 16h
COM UM FIO NA PATA | Un Fil à la Patte (França, 2002 – 130 min -
documentário). Direção de Georges Lavaudant. Com Gilles Arbona, Hervé
Briaux, Natasha Cashman.
Como declara o próprio diretor, foi com "ingenuidade e frescor" que mergulhou
no texto de Feydeau, deixando-se levar por um texto eficaz que vai mais rápido
que o restante, mais rápido que as situações, que os atores, mais rápido que o
pensamento, com uma rapidez quase autônoma.
Classificação livre

19h
FEDRA | Phèdre (França, 2003 – 140 min - documentário). Direção de
Stéphane Metge. Com Christiane Cohendy, Dominique Blanc, Pascal
Greggory.
A partir do olhar de Patrice Chéreau, a tragédia do desejo e da morte escrita
por Racine se concentra nesta questão: como dizer o que não pode ser dito?
Classificação livre

Dia 26 - 16h
TAMBORES NO DIQUE |Tambours sur la Digue (França, 2002 – 135 min -
documentário). Direção de Arianne Mnouchkine.
Os moradores da cidade próspera do Senhor Khang estão confrontados com
uma grande ameaça: uma inundação gigantesca ameaça levar os diques que
protegem a cidade. A iminência da catástrofe anunciada firma em cada um,
príncipe ou mendigo, o instante de verdade em que a natureza e o caráter dos
seres se revelam face ao destino. Classificação livre

19h
TIO VÂNIA | Oncle Vania (França, 2004 – 120 min - drama). Direção de Jean-
Baptiste Mathieu.
Muito mais que uma simples captação do espetáculo teatral dirigido por Julie
Brochen, o filme de Jean-Baptiste Mathieu entra em osmose com o ritmo e
a forma tão singulares de sua direção. Da tempestade maléfica invadida por
violências surdas e paixões reprimidas imaginada por Tchekhov, emerge a
silhueta fantasmagórica de Jeanne Balibar, enigmática e obsessiva, tão bela
quanto inacessível. Classificação livre

Dia 27 - 16h
VIOLAÇÃO | Viol (França, 2003 – 94 min - documentário). Direção de Sophie
Fillières. Com Marie Armelle Deguy, Myriam Boyer.
Inspirado em uma notícia de jornal, a peça se aproxima de uma tragédia
moderna oferecendo um processo fatal onde a interrogadora, pacientemente
mas inexoravelmente, faz emergir a falta inicial, o episódio, o gesto, o signo
que o personagem principal viu sem querer tê-lo visto. Classificação livre

19h
A SECRETA ARQUITETURA DO PARÁGRAFO: ENCONTRO COM
PHILIPPE MINYANA | La Secrète architecture du paragraphe : Rencontre

avec Philippe Minyana (França, 2002 - 26 min - documentário). Direção de
Jérôme Deschamps.
INVENTÁRIOS | Inventaires (França, 1990 – 48 min - documentário). Direção
de Jacques Renard. Com Edith Scob, Florence Giorgetti, Judith Magre.
Classificação livre

De 26 a 30 – 14h

MOSTRA ESPECIAL COMEMORATIVA AO ANIVERSÁRIO DE CURITIBA
Em comemoração ao aniversário de Curitiba, a Cinemateca apresenta uma
mostra de filmes relacionados à cidade. Trata-se de uma sessão extra, às 14h,
especialmente em comemoração aos 319 anos da existência da capital do
Paraná.
Nesta mostra os curitibanos serão contemplados com produções locais. Serão
exibidos importantes filmes realizados por diretores da cidade, além de filmes
que retratam a cultura de Curitiba.
Entrada gratuita para todos os filmes do evento

Dia 26 – 14h
BELARMINO E GABRIELA (2003, BR/PR - 85 min). Direção de Geraldo Pioli.
Documentário sobre a dupla de músicos paranaenses. O circo é o pano de
fundo para as histórias da dupla, porque foi nesse espaço cênico que começou
sua carreira. Salvador Graciano e Júlia Alves (Nhô Belarmino e Nhá Gabriela)
são representados no filme por vários personagens e também pelos seus filhos
Ivan e Rui, e pela neta Júlia. Participam ainda o grupo Viola Quebrada e o
músico Marinho Galera.
Classificação livre

Dia 27– 14h
O PREÇO DA PAZ (2003, BR/PR – 103 min - drama, cor). Direção de Paulo
Moreli. Com Herson Capri, Giulia Gam, Camila Pitanga, Danton Mello, José de
Abreu, Lima Duarte.
A verdadeira história do Barão do Serro Azul, um homem que, durante a
Revolução Federalista, pagou aos revolucionários Maragatos para que não
destruíssem Curitiba.
Classificação 12 anos

Dia 28 – 14h
O SAL DA TERRA (BR/PR, 2008, 90’). Direção de Eloi Pires Ferreira. Com
Emilio de Mello, Edson Rocha, Enéas Lour, Luthero Almeida.
No dia-a-dia da estrada, os personagens - o padre, os caminhoneiros Miguel
e Romeu e um andarilho - têm suas histórias cruzadas ao longo das rodovias.
A trama tem como fio condutor os rituais da Missa e da própria atividade
estradeira, ambos praticados nos ambientes de convívio dos caminhoneiros.
Os três protagonistas expõem, então, a sua vida cotidiana e as suas
expectativas em arquétipos ancestrais preservados e mitificados nesses rituais.
Classificação livre
Dia 29 – 14h
DOIS SACOS DE LIXO (2010, BR/PR – 60 min – documentário.). Direção de
Yanco del Pino.
Trechos de filmes são encontrados em sacos de lixo no canal 4. São

recuperados, revelando momentos da vida de pessoas importantes da
sociedade curitibana.
Classificação livre

Dia 30 – 14h
LANCE MAIOR (1968, BR/PR/SP – 100 min - ficção). Direção de Sylvio Back.
Com Reginaldo Farias, Regina Duarte, Lota Moncada, Irene Stefania.
Primeiro longa-metragem do diretor Sylvio Back. Foi realizado em Curitiba e
lançado nacionalmente em 1968. A ação é centrada em personagens jovens,
de camadas sociais diferentes, na Curitiba da época: a descoberta amorosa, a
Universidade, as baladas, o emprego, a família, a luta pela sobrevivência.
Classificação 12 anos

28/03 a 05/04
MOSTRA DE CINEMA PALCO E PLATEIA
Promoção: Cinemateca de Curitiba, 21º Festival de Teatro de Curitiba.
Apoio: Canal Brasil

Em parceria com o 21º Festival de Curitiba e Canal Brasil, a Cinemateca
de Curitiba exibe trabalhos de vários diretores, que tomaram como desafio
capturar a essência da experiência teatral. O evento será acompanhado por
Evaldo Mocarzel, diretor da série Teatro sem Fronteiras, produzida pelo Canal
Brasil.
A mostra, paralela ao Festival de Teatro de Curitiba, reúne os oito episódios
da série Teatro Sem Fronteiras de Evaldo Mocarzel e Ava Rocha, que trazem
importantes espetáculos do teatro experimental paulistano. Palco e Plateia
traz ainda o lançamento do curta “Kobachuk: a vida e a arte de um brincante”,
de Thiago Couto, selecionado no Edital de Filme Digital da Fundação Cultural
de Curitiba de 2011, “Vianinha”, sobre o dramaturgo Oduvaldo Viana Filho
e “Navalha na Carne”, de Braz Chediak, baseado na obra de Plínio Marcos.
Entrada gratuita para todos os filmes do evento

De 28 a 31 – Teatro Sem Fronteiras – Canal Brasil

Dia 28 - 16h, 18h e 20h
HYSTERIA - GRUPO XIX (Brasil, 2011 – 25 min).
Trata-se de um dos espetáculos mais bonitos já encenados no Brasil e no
mundo nas últimas décadas, sobre mulheres consideradas histéricas no Século
XIX e todo construído a partir de diários encontrados num asilo psiquiátrico do
passado. Com o premiado Grupo XIX de Teatro.

ASSOMBRAÇÕES DO RECIFE VELHO - OS FOFOS ENCENAM (Brasil,
2011, 25 min).
Trata-se de um documentário arquitetônico, todo rodado no Recife Antigo,
por meio do qual se desvenda a dramaturgia da passagem do tempo e,
sobretudo, as fantasmagorias nas fachadas dos casarios no centro da capital
pernambucana. O filme tem montagem da artista plástica Lea Van Steen.
Dramaturgia do Newton Moreno a partir do livro homônimo de Gilberto Freyre e
encenação do grupo Os Fofos Encenam.
Classificação 12 anos para o programa.

Presença do diretor Evaldo Mocarzel, na sessão das 18h, para debate.

Dia 29 - 16h, 18h e 20h
KASTELO - VERTIGEM (Brasil, 2011 - 25 min).
“Kastelo”, do Teatro da Vertigem, uma das mais importantes companhias do
Brasil e do mundo, resolveu discutir o trabalho no mundo corporativo em seis
andaimes e em rappel, do lado de fora do terceiro andar do Sesc Paulista, em
plena Avenida Paulista. Com montagem também assinada pela artista plástica
Lea Van Steen.
A ÚLTIMA PALAVRA É A PENÚLTIMA – VERTIGEM LOT E ZIKZIRA (Brasil,
2011 - 25 min).
As companhias de artes cênicas Teatro da Vertigem, Zikzira e LOT fazem
juntas uma intervenção numa passagem subterrânea em São Paulo. A
inusitada experimentação artística é inspirada na obra “O Esgotado”, de
Deleuze. O filme foi montado pelo cineasta Fernando Coster. Classificação 12
anos para o programa
Presença do diretor Evaldo Mocarzel, na sessão das 18h, para debate.

Dia 30 - 16h, 18h e 20h
HYGIENE - GRUPO XIX (Brasil, 2011 - 25 min).
Encenada nas ruas abandonadas da capital Rio Branco, a peça conta a história
de um grupo de imigrantes que tem sua moradia ameaçada diante de uma
investida higienista nos cortiços da cidade de São Paulo do século 19.
A edição foi feita pela montadora e finalizadora Nathália Okimoto, de Curitiba,
que agora trabalha em Belo Horizonte.
MEMÓRIA DA CANA - OS FOFOS ENCENAM (Brasil, 2011 - 25 min)
Adaptação da obra "Álbum de Família", de Nelson Rodrigues, a peça retrata
conflitos familiares presentes numa sociedade patriarcal nordestina. As cenas
foram inspiradas nas lembranças dos atores do grupo "Os Fofos Encenam".
O filme foi montado por Mariana Fresnot, filha do cineasta Alain Fresnot.
Classificação 12 anos para o programa
Presença do diretor Evaldo Mocarzel, na sessão das 18h, para debate.

Dia 31
Sessão Especial de VILA VERDE – SATYROS (Brasil, 2011 - 25 min).
15h - no Teatro Peça Por Peça, na Vila Verde (Rua Emilio Romani, 316
CIC), com presença de membros da Companhia Os Satyros e de Evaldo
Mocarzel, para debate.
Na Cinemateca, sessões às 16 h, 18h e 20h
Com o grupo Satyros, um dos mais importantes de São Paulo, que foi
pioneiro na revitalização da Praça Roosevelt, no centro de São Paulo, um
dos espaços que liderou durante muitos anos o ranking de local mais violento
da Grande São Paulo e hoje virou um point cultural. “Vila Verde” é uma
espécie de intervenção urbana encenada na periferia da capital paranaense,
durante o Festival de Teatro de Curitiba, há alguns anos. O encenador
Rodolfo García Vásquez foi para esse bairro – que também durante muitos
anos liderou o ranking de violência na cidade – e entrevistou os moradores
daquela comunidade. Depois, misturou os atores e atrizes do grupo com os
personagens “reais” do local e dirigiu um espetáculo recriando as histórias
contadas por todos da Vila Verde.

FESTA DE SEPARAÇÃO - LUBI MARQUES, JANAÍNA LEITE E FEPA
(Brasil, 2011 - 25 min)
Concebido pela atriz Janaina Leite e pelo filósofo Felipe Pinto (Fepa), o
documentário cênico é baseado na ruptura do casal e na posterior festa de
separação. Vídeos e números musicais debatem as práticas amorosas no
século 21. O filme foi montado e codirigido pelo cineasta Fernando Severo.
Classificação livre para o programa.

01/04 – 16h, 18h

A NAVALHA NA CARNE (Brasil, 1970 – 91 min - ficção). Direção de Braz
Chediak.
“A navalha na carne” é a menos conhecida e talvez a mais cinematográfica
das grandes adaptações de peças de teatro para o cinema no Brasil. Dirigida
a partir do texto do dramaturgo Plínio Marcos, o filme ainda hoje impressiona
pela crueza das situações, pela ousadia de um prólogo de quase 30 minutos
sem diálogos e pelas excepcionais interpretações de Glauce Rocha, Jece
Valadão e Emiliano Queiroz. Mas, acima de tudo, pela capacidade do diretor
de transformar em grande cinema um duelo verbal com apenas três atores,
passado em tempo real, em um quartinho de pensão.
VIANINHA (Brasil, 1984 – 27 min – documentário). Direção de Gilmar Cadeias
e Jorge Achôa.
A obra e as ideias do dramaturgo Oduvaldo Viana Filho, o Vianinha,
examinadas em uma cronologia biográfica que traça um painel dos
acontecimentos mais significativos das décadas de 1960 e 70.
Classificação 18 anos para o programa.

20h
Lançamento do documentário KOBACHUK, A VIDA E A ARTE DE UM
BRINCANTE (Brasil, 2012 - 15 min). Direção de Thiago Couto.
O documentário “Kobachuk: a vida e a arte de um brincante” apresenta
a vida e obra do paranaense Manoel Kobachuk, ator e diretor de teatro. Tido
com um dos mestres mais respeitados do Brasil na arte do Teatro de Bonecos,
Kobachuk coleciona histórias e espetáculos apresentados ao longo de 50 anos
de carreira artística.
Classificação livre
Após a sessão, debate com o diretor Thiago Couto e com Manoel
Kobachuk.
VILA VERDE – SATYROS (Brasil, 2011 - 25 min). Classificação livre

02/ a 05/04 - 16h, 18h e 20h

A NAVALHA NA CARNE (Brasil, 1970 – 91 min).
VIANINHA (Brasil, 1984 – 27 min). Classificação 18 anos para o programa

Cinemateca
Rua Carlos Cavalcanti, 1.174 – São Francisco
Horário de funcionamento: segunda a sexta-feira, das 9h às 12h e das 14h às
22h30. Sábados e domingos, das 14h30 às 22h30.
Informações: (41) 3321-3252

quarta-feira, 21 de março de 2012

O livro das coisas perdidas Título Original: The book of lost things de John Connolly





O livro das coisas perdidas
Título Original: The book of lost things
de John Connolly

Tradutor: Cecília Prada

Páginas: 364

Formato: 16x23





Tudo o que você imagina pode ser real

Os três primeiros livros de Charlie Parker são excepcionalmente bons - e John Connolly é um cara muito divertido com grande senso de humor.


Em O livro das coisas perdidas, John Connolly desconstrói fábulas conhecidas, como A branca de neve e os sete anões e João e Maria, por meio de muita imaginação e mistério. Indicado ao prêmio Hughes & Hughes de melhor romance irlandês em 2007, quando lançado na Grã-Bretanha e nos Estados Unidos, fez grande sucesso e virou mania entre todas as idades.

O LIVRO
Após a morte da mãe, David, de doze anos, passa a maior parte do tempo em seu quarto tendo os livros como companhia. Quando eles começam a sussurrar palavras para o menino, realidade e imaginação se misturam até que, ao brincar no jardim, David entra em um reino encantado, onde encontrará heróis, monstros e um rei fracassado que guarda seus segredos em um livro misterioso.

Ecoando por contos de fadas com os quais todos os leitores cresceram, O livro das coisas perdidas é a apaixonante história de um menino que descobre que ler pode transformar qualquer fantasia em realidade e que, na vida real, crescer pode fazer de um simples jovem um herói.




O AUTOR
John Connolly nasceu em Dublin em 1968. É o autor irlandês mais conhecido pelo mundo na atualidade e o primeiro autor não americano a ganhar o prêmio US Shamus.

Assista aqui uma longa entrevista com John Connolly



Mystery author John Connolly is interviewed by Barbara Peters of Poisoned Pen Press and Bookstore, Arizona

UM LANÇAMENTO

CAIXA patrocina a 2 ª edição da “Mostra Seu Nariz” no Fringe





Cia dos Palhaços garante boas risadas no Festival de Teatro de Curitiba


Entre tantas opções de espetáculos oferecidos pela 21ª edição do Festival de Teatro de Curitiba, vale a pena conferir a segunda edição da Mostra Seu Nariz, da Cia dos Palhaços. Aprovada no edital de Festivais de Teatro e Dança da CAIXA, a mostra faz parte da programação do Fringe e promete repetir o sucesso do ano passado, reunindo 18 trabalhos de sete grupos de diferentes estados.

A bem humorada programação vai do dia 29 de março a 08 de abril com apresentações voltadas para adultos e crianças. Os espetáculos acontecem na sede da Cia dos Palhaços e no Pátio da Reitoria, sendo estes gratuitos. Embora seja o palhaço o elemento comum dos trabalhos, a mostra é rica em diversidade de linguagens dos grupos, garantindo diversão para todas as idades.

Mais informações podem ser consultadas pelos sites www.mostraseunariz.com.br e www.ciadospalhacos.com.br.

Programação:

ESPAÇO CULTURAL CIA DOS PALHAÇOS
Cabaré dos Palhaços - dia 29/03 - quinta feira às 20h
Concerto em Ri Maior - dia 30/03 - sexta feira às 20h
O Misterioso Sumiço do Boi de Mamão - dia 31/03 - sábado às 16h
Altos & Baixos - dia 31/03 - sábado às 20h
No Mundo de Alípio - dia 01/04 - domingo às 16h
A Regra é Cômica - dia 01/04 - domingo às 20h
Palhaços na Noite - dia 04/04 - quarta feira às 20h
Uma Boa Jogada - dia 05/04 - quinta feira às 20h
O Palhaço - dia 06/04 - sexta feira às 20h
Siricotiando - dia 07/04 - sábado às 16h
Gran Circo Internazionale - dia 07/04 - sábado às 20h
Bom Apetite - dia 08/04 - domingo às 16h
Noite de Gala - dia 08/04 - domingo às 20h

PÁTIO DA REITORIA (ESPAÇO DE RUA) - Apresentações gratuitas
Circo S/A - dia 31/03 - sábado às 17h30
O Louco Magnético - dia 01/04 - domingo às 17h30
El General - dia 06/04 - sexta feira às 17h30
Pelada na Rua - dia 07/04 - sábado às 17h30
Tem Palhaço na Praça - dia 08/04 - domingo às 17h30

Serviço:
Teatro: Mostra Seu Nariz
Local: Espaço Cultural Cia dos Palhaços (Rua Amintas de Barros, 307 – Centro – (41) 3077-5009) e Pátio da Reitoria (espaço de rua) – apresentações gratuitas (Rua XV de Novembro, 1299 – Centro)
Data: de 29 de março a 08 de abril
Hora: Verificar a programação
Ingressos: R$20 e R$10 (meia) para os espetáculos na sede da Cia e entrada franca para os espetáculos no Pátio da Reitoria
Classificação etária: Livre para todos os públicos

SEIS ESPETÁCULOS “FRINGE” NA CAIXA CULTURAL CURITIBA


Mostra “Novos Repertórios” exibe a nova dramaturgia curitibana à margem do Festival de Teatro





A CAIXA Cultural apresenta, de 29 de março a 08 de abril, a Mostra Novos Repertórios, parte da programação do Fringe, do Festival de Teatro de Curitiba. A mostra paralela surgiu inspirada em uma mostra escocesa, de 1974, do Festival Internacional de Edimburgo, denominada Fringe. A palavra inglesa significa margem e empresta seu sentido literal à mostra: é o Fringe que possibilita a abertura democrática do Festival às companhias e peças sem curadoria, esboçando um panorama completo do teatro brasileiro.



Mostra Novos Repertórios:



A quinta edição da mostra Novos Repertórios ocupa o teatro da CAIXA Cultural, no período do Festival de Curitiba. O objetivo é exibir o quadro contemporâneo das produções curitibanas, de grupos comprometidos com pesquisa e montagem de novas dramaturgias.

A expressão “novos repertórios” carrega uma pitada de ironia. Pois, por um lado, há a associação com a idéia do teatro de repertório e, por outro, há a palavra “novo”, que coloca tudo em uma dimensão um tanto instável. De certa forma, é preciso deixar de ser “novo” para tornar-se parte de um repertório. Cada ano, a mostra oferece novos grupos, novos autores, novos atores e novos encenadores. Textos escritos por um único autor convivem com dramaturgias colaborativas, com reconstruções e desconstruções. Dramaturgos de além mar convivem com dramaturgos de corpo presente.

A mostra é uma insistente tentativa de criar novos paradigmas de escolha. E isso se faz por uma via negativa: buscando outro sentido de unidade dentro da diversidade, evitando a certeza e abrindo espaço para a surpresa.


Programação:











Sinopses:



SOPHIA LOREN NÃO É MARLON BRANDO – Companhia Subjétil
Direção: Darlei Fernandes

A partir do conceito de gadgets da psicanálise, a Cia Subjétil, aborda na cena as questões de beleza e perfeição. Mesclando dança e teatro, a peça traz ao público o aprofundamento da pesquisa da companhia em dramaturgia espacial e no gesto. Tomando emprestados os nomes de dois ícones do cinema mundial, os atuantes apresentam ao público seus sonhos e devaneios pela fama, contrapondo os com as suas vidas reais.

DARWIN – Processo Multiartes
Direção: Fábio Salvatti

O espetáculo Darwin é composto por quadros motivados por fontes diversas, do próprio cientista a Shakespeare, Homero e Paulo Leminski, além de recortes de jornais, canções populares, depoimentos pessoais, em um resultado que transcende um gênero dramático específico


A CIDADE – Inominável Companhia de Teatro
Direção: Márcio Mattana

Sob a superfície dos pequenos dramas de uma tradutora, um marido, uma filha e uma vizinha, a peça cria um enigmático jogo em que os piores pesadelos da vida cotidiana são sutilmente sugeridos, mas jamais chegam a ser completamente revelados. Lançada em 2008, “A Cidade” é a obra mais recente de Martin Crimp, um dos mais brilhantes dramaturgos britânicos da atualidade, o mesmo autor de obras primas comoAtentados e Menos Emergências.

ILÍADA – CANTO I – Ilíadahomero
Direção: Octavio Camargo

A Ilíada é um dos textos mais antigos do mundo e Homero o primeiro poeta da literatura ocidental. O monólogo de Claudete Pereira Jorge encenará o texto integral do Canto I da Ilíada, na tradução de Manuel Odorico Mendes.

VACA PRÓDIGA – Teatro de Breque
Direção: Nina Rosa Sá



A Vaca Pródiga é a mais nova parceria entre a companhia e o dramaturgo norte americano Mark Harvey Levine. O texto é curto e sugere uma brincadeira com a parábola do Filho Pródigo, a partir do ponto de vista de uma vaca. O animal será sacrificado para ser oferecido de jantar na festa de retorno do filho. A montagem busca expandir alguns dos signos e contextos explícitos na obra, interagindo de modo a criar um diálogo criativo com a obra do norte americano.

SALIVA – Dezoito zero um Cia de Teatro
Direção: Alexandre França

Um homem atira em sua própria cabeça. Do furo da bala, nasce uma outra boca. E desta boca, uma outra cabeça. A nova peça da Dezoito Zero Um – Cia de Teatro trata da construção de novos universos linguísticos de significação do ser humano. Um homem tenta reconstituir o seu passado ao reconstruir a sua fala. A arquitetura de frases e expressões acompanha este processo de evolução que se dá em espirais e o espectador se depara com uma nova concepção de sujeito. Não mais o homem íntegro, binário e dicotômico, mas sim um sujeito constituído de vários sujeitos, múltiplo.




Serviço:
Teatro: Fringe – Mostra Novos Repertórios
Local: CAIXA Cultural – Rua Conselheiro Laurindo, 280 – Curitiba (PR)
Data: de 29 de março a 08 de abril de 2012
Horário: verificar a programação
Ingressos: R$ 20 e R$ 10 (meia – conforme legislação e conforme regras do Festival) Nas bilheterias do Festival
Bilheteria: (41) 2118-5111 A bilheteria da CAIXA abrirá 01(uma) hora antes de cada espetáculo, mas estará sujeita a disponibilidade de ingressos pelo Festival.
Classificação etária: Livre para todos os públicos, exceto “Darwin” cuja indicação é para maiores de 14 anos
Lotação máxima: 125 lugares (02 para cadeirantes)
Programação completa: no sítio www.caixa.gov.br/caixacultural

23/03 - Marquinho Mendonça e Banda Em Órbita - Teatro da Vila - São Paulo



Turnê “Tempo Templo”

23/03 - Marquinho Mendonça e Banda Em Órbita - Teatro da Vila - São Paulo

20h – Teatro da Vila - Rua Jericó, 256 – Vila Madalena

Entrada Franca

Marquinho Mendonça, compositor, multi-instrumentista e arranjador, possui grande influência da música popular e regional brasileira. Já realizou trabalhos ao lado de grandes músicos como Zé Menezes, Orquestra popular do Recife, Renato Anesi, Banda Mafuá, Vanessa da Mata, Tião Carvalho, Dominguinhos, Yamandu Costa, etc.

Na turnê “Tempo Templo”, Marquinho Mendonça vem acompanhado pela Banda Em Órbita, apresenta um repertório baseado nos seus 2 discos autorais (Tempo Templo e Filosofolia) e realiza um passeio pelo universo da música popular e instrumental brasileira, abordando diversos gêneros como choro, samba, jongo, frevo, boi, baião e outros ritmos tradicionais apresentados em composições inéditas e contemporâneas.

Formação:

Marquinho Mendonça - violão, guitarras, bandolim e cavaquinho

Marcos Paiva - baixo

Thomas Howard - Violão

João Poleto - sax e flauta

Eduardo Marques - Bateria

Vídeo no youtube - Cajueiro
http://www.youtube.com/watch?v=6W6moTgjtLA&feature=related


Fim de semana com muitas atrações para comemorar os 319 anos de Curitiba






Os bairros de Curitiba estarão em festa neste fim de semana, com muitas atrações para comemorar o aniversário da cidade. Nos dias 24 e 25 de março, antecipando as festividades do dia 29, todas as regionais terão shows e atividades artísticas em seus parques e Ruas da Cidadania. No sábado (24), a festa acontece nos Parques Bacacheri (Boa Vista) e dos Peladeiros (Cajuru), nas Ruas da Cidadania do Boqueirão e do Pinheirinho, e também na Boca Maldita, no centro de Curitiba. Domingo (25), as atrações chegam aos Parques Barigüi e Cambuí (Portão), ao Centro de Esportes e Lazer do Bairro Novo e à Praça Alto Bela Vista do Passaúna (CIC).

Serão mais de 50 atrações, entre shows de bandas de rock, duplas sertanejas, espetáculos teatrais, espetáculos de balé e dança folclórica, shows de mágica, aulões de ginástica, apresentações de capoeira, gincana e pintura infantil. As festividades, organizadas pelos núcleos regionais da Fundação Cultural de Curitiba, abrem espaço para apresentações dos talentos locais e também para algumas das bandas mais conhecidas da cidade.

Janaína Fellini estará na festa do Parque dos Peladeiros, a dupla Estrela Leminski e Téo Ruiz anima o palco da Boca Maldita, Juliana Cortes e Fole Baixo estarão no Pinheirinho. O Bairro Novo, entre várias atividades programadas, terá a dupla de música caipira Rogério e Vitor Gulin; o choro curitibano será levado por Julião Boêmio ao Parque do Cambuí; e no Barigüi, muito rock com as bandas Confraria da Costa, Carenagem e Lenda Zero, música brasileira com Jô Nunes e Roda de Choro do Conservatório de MPB, e música eletrônica com os DJs Raul Aguilera e Dante Pippi.

Confira a programação completa das regionais:



24 DE MARÇO (SÁBADO)



REGIONAL BOA VISTA

Horário: 10h às 17h30

Local: Parque Bacacheri

10h – Abertura com Fanfarra Mirim do CEI Bela Vista do Paraíso

10h30 – Mágico Johny e a Bailarina Rosy

11h – Teatro de Bonecos "O Saci e a Pipa"

12h – Sertanejo Universitário com Marco Aurélio e Ricardo

14h – Banda Terceiro Estado

15h30 – Banda Muse'os

16h30 – Banda Fernanda Liz



REGIONAL BOQUEIRÃO

Horário: 13h às 18h

Local: Rua da Cidadania

Balé Infanto-juvenil do Núcleo Regional Boqueirão da FCC

Fanfarra da Escola Municipal Wenceslau Brás

Grupo Folclórico Alemão Boleslau

Aulão de Ginástica

Hino de Curitiba com o Coral Cidadania

Grupo de Dança Expressão da Arte

Grupo de Dança Luzes do Oriente

Ginástica

Banda H2ZO



REGIONAL CAJURU

Horário: 13h às 18h

Local: Parque dos Peladeiros

13h – Entrada das Bandeiras

13h20 – Declamação de poesias

13h40 – Fanfarra da Escola Durval de Brito

13h50 – Dança Cigana com o Grupo Bem Viver

14h – Grupo Comunidade Axé

14h20 – Dança Brasileira Feijão Maravilha com o Grupo Bem Viver

14h30 – Show “Vai Menina, Vem Sereia” com Janaina Fellini

15h – Caricaturista Tadao

15h30 – Banda Novo Horizonte com Fernando e Fabrício

16h30 – Banda Sobrenotas



REGIONAL MATRIZ

Horário: 10h às 17h

Local: Boca Maldita

10h – Falcão Cover

11h – Rafa Gomes e Banda

12h30 – Show “São Sons” com Estrela Leminski e Téo Ruiz

14h – Vilma Ribeiro

15h30 – Banda Uh La La!



REGIONAL PINHEIRINHO

Horário: 13h às 18h

Local: Rua da Cidadania

13h – Gincana SMELJ

13h – Show Wilmar do Teclado

14h – Show Alceni Vieira

15h – Show Juliana Cortes e Fole Baixo

16h – Dança do Ventre

16h30 – Apresentação de Capoeira do Mestre Barril

17h – Show Collin – US



25 DE MARÇO (DOMINGO)



REGIONAL BAIRRO NOVO

Horário: 13h às 18h

Local: Centro de Esportes e Lazer Bairro Novo

13h – Abertura Oficial

13h50 – Grupo Star Dance do Centro de Esportes e Lazer Xapinhal

14h – Rogério e Victor Gulin

14h55 – Grupo de Dança do Centro de Esportes e Lazer Bairro Novo

15h – Dupla Fernando e Fabricio e Banda Novo Horizonte

15h55 – Grupo de Ginástica Artística Curitiba Olímpica

16h – Banda Ervilhas Astrais

17h – Andy Pop e banda



REGIONAL CIC

Horário: 13h às 18h

Local: Praça Alto Bela Vista do Passaúna

13h – Grupo de Dança ACA

13h30 – Show Saudação à Mulher Brasileira

14h – Show Cantando Histórias

15h – Música de Ruiz e Kiko Dinucci

16h – Show Mar de Dentro

17h – Show Ouça com Banda Gambiarra



REGIONAL PORTÃO

Horário: 13h às 18h

Local: Parque Cambuí

13h – Abertura: Entrada das Bandeiras e Hino de Curitiba com Guarda Municipal e Guarda Mirim

13h20 – Grupos de Dança CEL Fazendinha

13h45 – Dança Afro com Grupo Ginga Total

14h – Pintura livre infantil e bruxa Maizinha

14h15 – Dupla Zequinha e Leonor

14h20 – Dança Cigana com Grupo Alegria de Viver

15h – Aulão de ginástica

15h30 – Orquestra de Viola e Cantoria

16h30 – Choro Curitibano com Julião Boêmio

Espaço para talentos locais nos intervalos entre uma e outra apresentação



REGIONAL SANTA FELICIDADE

Horário: 10h às 18h

Local: Parque Barigui

10h – Teatro da Guarda Municipal

11h – Banda Confraria da Costa

12h – Show “Passarinha” com Jô Nunes

13h – Grupo Folclórico Ítalo Brasileiro

14h – Banda Carenagem

15h – Jazz Cigano

15h40 – Raul Aguilera e Dante Pippi

16h – Roda de Choro Conservatório de MPB

17h – Banda Lenda Zero

Curso de produção de trilhas sonoras com André Abujamra



O Conservatório de MPB de Curitiba recebe nos dias 27, 28 e 29 de março o compositor e multi-instrumentista André Abujamra para ministrar o curso de produção em trilhas sonoras. O músico paulista tem uma carreira de destaque na cena musical brasileira. Montou com Mauricio Pereira a banda Mulheres Negras, integrou a banda Karnak e atualmente desenvolve carreira solo. Seu segundo CD, Mafaro, foi lançado em 2010.

André Abujamra é também responsável pela trilha sonora de mais de 40 filmes nacionais e internacionais. Assinou as trilhas de importantes produções, entre elas “Carlota Joaquina, a princesa do Brasil” (1995), de Carla Camurati, “Matadores” (1997), de Beto Brant, “Bicho de sete cabeças” (2000), de Laís Bodanzky, “Domésticas” (2001), de Fernando Meirelles, “Carandiru” (2003), de Hector Babenco, “Os 12 trabalhos” (2006), de Ricardo Elias, e “Quero” (2007), de Carlos Cortes. Seus últimos trabalhos foram as trilhas sonoras de “O contador de histórias” (2009), de Luiz Villaça, e “Do começo ao fim”, de Aluízio Abranches.

Serviço:

Curso de produção de trilhas sonoras com André Abujamra

Local: Conservatório de Música Popular Brasileira de Curitiba – Rua Mateus Leme, 66 – Setor Histórico.

Data e horário: dias 27, 28 e 29 de março de 2012, das 14h30 às 17h

Inscrições: R$ 20

Informações: (41) 3321-3315

domingo, 18 de março de 2012

A mansão do rio de Pat Conroy



A mansão do rio
Título Original: South of broad
dePat Conroy


Tradutor: José Roberto O'Shea


Páginas: 588



O novo romance há muito aguardado Pat Conroy é finalmente lançado aqui! Tão bonito como seus livros anteriores (O Príncipe das Marés - The Prince of Tides, Beach Music), Sul de Broad conta a história de um grupo coeso de amigos cujas ligações se apresentam em duas décadas - desde 1960 e a contracultura até do alvorecer da crise da Aids na 1980. Tendo como cenário e Charleston, Carolina do Sul, é Conroy no seu melhor estilo.


O LIVRO
Leo King, adolescente problemático de Charleston, na Carolina do Sul, será levado a um profundo mergulho pelo que há de mais sublime e terrível na alma humana. Da união do caçula dos King com Starla, Niles, Sheba, Trevor, Chad, Molly, Fraser, Ike e Betty, um grupo de jovens desajustados de origens distintas, nascem laços de amor e amizade que atravessam duas décadas. Nesse meiotempo, eles deverão enfrentar famílias problemáticas, doenças e todos os tipos de preconceito presentes em uma sociedade que luta contra qualquer mudança em seu estilo de vida.


O AUTOR
Pat Conroy nasceu em Atlanta, Geórgia, em 1945. O escritor norte-americano costuma explorar a sua turbulenta história familiar para escrever sobre temas capazes de sensibilizar qualquer leitor. O príncipe das marés ganhou as telas de cinema em 1986, com Barbra Streisand e Nick Nolte nos papéis principais. Pat Conroy vive com a mulher, a novelista Cassandra King, em Fripp Island, Carolina do Sul.


Pat Conroy fala sobre o livro



um lançamento






De onde nascem as histórias: Uma lenda do povo zulu



De onde nascem as histórias: Uma lenda do povo zulu
de Fábio Sombra

Páginas: 48
Formato: 16x23




Com livros conhecidos pela temática ligada ao folclore e à cultura popular brasileira, e vencedor de importantes prêmios, como o selo de Altamente Recomendável para o Jovem, da Fundação Nacional do Livro Infantil e Juvenil (FNLIJ), Fábio Sombra apresenta agora De onde nascem as histórias. É a adaptação para a poesia de uma antiga lenda zulu, em que o autor transporta essa encantadora história para o universo da literatura de cordel.

Nowazi e Sanele, um casal africano, têm um complicado problema para resolver: onde encontrar histórias para contar aos filhos na hora de dormir? Decidida, Nowazi sai de casa e, após conversar com um avestruz, uma macaca babuína, uma coruja e uma girafa, ela acaba conhecendo um prestativo gavião gigante que a transportará a um reino encantado onde está guardado o segredo das histórias. Mas, para descobri-lo, Nowazi precisará antes cumprir uma importante missão.

O AUTOR
Fábio Sombra é escritor e ilustrador. Nasceu no Rio de Janeiro em 1965. Muitas de suas obras foram escritas em versos e em formato de cordel. O autor também é músico, pesquisador da cultura popular brasileira, grande divulgador do universo das violas e dos violeiros, e membro da Academia Brasileira de Literatura de Cordel (ABLC). Mantém um blog que lhe permite estar em contato com seus leitores: www.fabiosombra.com.br.



UM LANÇAMENTO





********

J. EDGAR HOOVER - UMA BIOGRAFIA EM HQ


Bertol Brecht tinha razão - infeliz é o país que precisa de heróis. O dos Estados Unidos, não podia ser diferente e o herói não podia ser outro e ... obviamente não passaria despercebido da industria cinematografica, principalmente se o diretor for um consevador como Clint Eastwood. Industria esta, frizesse, que esteve a serviço do paladino do americanismo e que através de seu Bureau tantas vezes perseguiu os liberais e os "esquerdistas" de Hollywood. Não vamos falar de sua vida suspeita de misogino e sequer o fato dele ser amigo ferrenho de alguns de seus auxiliares. Pois bem, o "pato feio" do FBI tem agora sua vida quadrinizada. Sinceramente, a forma burocratica como foi criada bem merece ficar perdida nos arquivos poerentos do "impoluto" FBI. (E.C.)




O LIVRO
J. EDGAR HOOVER - UMA BIOGRAFIA EM HQ
de Rick Geary
Capa dura - pb
Páginas: 112

O LIVRO
O livro conta a biografia em HQ do personagem que inspirou o filme "J. Edgar", estrelado por Leonardo Dicaprio. Durante 55 anos servindo o povo americano, J. Edgar Hoover assumiu vários papéis, tais como combatente do crime, exterminador de comunistas e protetor da moral, mas ele, certamente, enxergava a si mesmo como um verdadeiro herói do FBI. Nas mãos do premiado cartunista Rick Geary, sua vida torna-se um amplo e atual guia histórico do século XX, ao retratar a eleição de oito presidentes norte-americanos e tudo o que aconteceu na época - Lei Seca, mafiosos, Segunda Guerra Mundial, Guerra Fria, espionagem, escutas telefônicas e muito mais.

O FILME

J. Edgar – Ele guardou os segredos deles, ele controlou os medos deles

Sob a direção de Clint Eastwood, Leonardo DiCaprio estrela no papel título em “J. Edgar,” um drama que explora a vida pública e privada de uma das figuras mais poderosas, controversas e enigmáticas do século 20.




O PERSONAGEM
John Edgar Hoover (Washington, D.C., 1 de janeiro de 1895-Washington, D.C., 2 de maio de 1972) foi durante 48 anos o chefe do FBI, a mais importante organização policial do mundo, sendo considerado seu patrono.


Trabalhou na Biblioteca do Congresso Americano e de educação luterana, formou-se em Direito aos 22 anos. Empregou-se logo em seguida no Departamento de Justiça dos Estados Unidos, onde sua carreira foi rápida. No ano de 1919 foi indicado para investigar estrangeiros suspeitos de subversão. Sua missão resultou na expulsão do país de um grande número de pessoas. Com o sucesso em seu trabalho, foi nomeado para trabalhar como assistente do diretor do FBI. Poucos anos depois, em 1924, Hoover tornou-se o chefe do Departamento.

FBI
Durante o tempo em que ficou na chefia do departamento (até sua morte), serviu 8 presidentes americanos e 18 secretários de Justiça. Mudou a história do FBI: a antiga e ineficiente organização de 657 (muitas vezes corruptos) agentes, tornou-se a maior organização policial do planeta, com mais de 16 000 funcionários, além de modernos métodos de investigação criminal. No ano de sua morte, os arquivos do FBI possuiam mais de 200 milhões de impressões digitais. Nos anos 30, sua fama começou a crescer quando combatia gângsters famosos, como John Dillinger, Pretty Boy Floyd e Baby Face. Na mesma década, também participou da captura do raptor de filho do aviador Charles Lindberg, fato que havia tomado conta da imprensa americana. Durante a Segunda Guerra Mundial, participou na caça de espiões e comunistas.


Praticamente intocável durante sua longa carreira, no final de sua vida passou a ser alvo de críticas da sociedade. Na década de 1960, passou mais tempo censurando o telefone de congressistas e perseguindo líderes do movimento negro do que combatendo criminosos comuns de fato.

Curiosidade
Muitos escritores o citaram em suas obras, entre eles Robert Ludlum no romance O Arquivo de Chancellor, onde sua morte é detalhadamente descrita como um assassinato.
Em 2011, foi feito um filme baseado na sua história, intitulado "J. Edgar (filme)". No filme o ator Leonardo Dicaprio interpreta John Edgar

UM LANÇAMENTO