quinta-feira, 16 de agosto de 2012

Não Conte Para a Mamãe

Não Conte Para a Mamãe

Memórias De Uma Infância Perdida
1a. edição, 2012
de Toni Maguire



 "Não Conte para a Mamãe" é o relato assustador e, ao mesmo tempo, tocante da pequena Toni Maguire, negligenciada e traída por aqueles em quem mais deveria poder confiar. Um livro de difícil leitura, mas fundamental nos dias de hoje.
Toni Maguire foi estuprada, seviciada pelo pai, dos seis aos quatorze anos. A diferença é que ela tinha certa liberdade, mas estava presa num silêncio aterrorizador. Uma vez tentara contar à mãe, que lhe disse para nunca mais repetir um absurdo daqueles. E diante das ameaças do pai, de que ninguém nunca acreditaria nela e de que no fim ela seria a culpada de tudo, Toni se deixou acreditar naquelas palavras. Ela foi coagida e teve um dos direitos mais antigos do homem (Ninguém será submetido à tortura, nem a tratamento ou castigo cruel, desumano ou degradante) violentamente negado.
Violentada constantemente pelo pai, chegando a engravidar, Toni resvalou a completa destruição. Sua recuperação e seu reconhecimento como escritora servem de exemplo para crianças e jovens vítimas, todos os dias, de abusos sexuais, mostrando-lhes que é preciso lutar contra essa condição e que é possível vencer a luta.
Escondido pela aparente normalidade de uma família britânica, os abusos sexuais foram relatados para a mãe, quando a garota já não suportava guardar segredo. "Nunca, nunca mais fale disso de novo, está bem?", foi a resposta.

"Eu sentia segurança no amor de minha mãe. Ela deveria ter mandado ele parar. Não mandou", conta no livro. Aos 14 anos, a autora engravidou e foi coagida a abortar, mesmo com uma gravidez avançada.

Maguire confessa que o seu maior desejo é ouvir um pedido de perdão de sua mãe, que está em leito de morte.

O texto, narrado em primeira pessoa, retrata como a pedofilia pode causar danos emocionais permanentes. "Não Conte para a Mamãe" chegou ao topo dos livros mais vendidos na Inglaterra.

Leia alguns trechos 



*

Sua boca veio para a minha. Ele forçou a língua pelos meus lábios. Senti sua saliva escorrer pelo meu queixo, e o cheiro de uísque rançoso e o bafo de cigarro entraram em minhas narinas. Minha sensação de segurança abandonou-me para sempre, substituída por repulsa e medo. Ele me soltou de modo abrupto, segurou-me pelos ombros e encarou-me fixamente.

- Não conte para a mamãe - disse ele, dando-me uma breve sacudida. - Isso é um segredo nosso, Antoinette, você ouviu?

- Está bem, papai - respondi. - Não vou contar.

*

- Fique aqui, Antoinette - ordenou. - O papai tem um presente para você. Você vai gostar.

O medo que senti dele se transformou em horror, criando um peso terrível que me prendia ao banco. Ele saiu do carro e trancou o galpão, depois abriu a porta do passageiro. Quando me puxou para encará-lo, vi que o zíper da calça dele estava aberto. Seu rosto estava vermelho, o olhar, vidrado. Quando olhei em seus olhos, ele não parecia me ver. Senti um tremor dentro de mim, fazendo o meu corpo todo estremecer e saindo de mim em forma de choramingo.

*

Depois do que pareceu uma eternidade, ele soltou um gemido e saiu de mim. Senti uma substância quente, molhada e grudenta sobre minha barriga. Ele jogou um pedaço de saco para mim.

- Se limpe com isso.

Sem dizer nada, fiz o que mandou.

As palavras que se seguiram estavam destinadas a se tornarem o refrão dele:

- Não vá contar para a sua mãe, minha menina. Isso é um segredo nosso. Se contar, ela não vai acreditar em você. Ela não vai mais amar você.

Eu já sabia que isso era verdade.

- Ora, Antoinette, quantas vezes vou ter que repetir?
De açúcar e canela, é claro, e de todas as coisas boas!
Pág. 22

um lançamento


Meu Pai Não Mora Mais Aqui

Meu Pai Não Mora Mais Aqui  

    de Caio Riter

    com Gustavo Piqueira e Samia

    16x23 cm
    200 páginas
    2x2
   
         
      "E eu? Alguém pensa em mim, Diário. Me diga. Pensa?"

Meu pai não mora mais aqui, de Caio Riter, é um livro que conversa o tempo todo com o leitor e confessa os desejos, os dramas, as inquietações e os segredos mais íntimos de uma garota e de um garoto: Letícia e Tadeu.

Os dois jovens estão escrevendo um diário a pedido da professora de Língua Portuguesa e o que de início era uma tarefa nada simpática acaba se tomando uma experiência de descobertas em que os personagens perguntam por que a gente está sempre amando a pessoa errada, por que as pessoas morrem e até mesmo qual é o sentido de existir.

De um jeito bastante espontâneo e bem humorado, emotivo e sem censura, Letícia e Tadeu contam os seus amores escondidos, os afetos e desafetos pelo mundo adulto, as curtições e as carências, a separação entre pessoas queridas e a amizade, até mesmo o próprio sentido da morte e da solidão.
OS AUTORES         
      Caio Riter nasceu em Porto Alegre, onde mora até hoje. É professor mestre e doutor em Literatura Brasileira. Autor de vários livros, com os quais recebeu algumas distinções literárias, como os prêmios Açorianos, Barco a Vapor, Orígenes Lessa e Selo Altamente Recomendável entre outros.

Formado em Jornalismo e em Letras ministra aulas no ensino fundamental e médio, desde 1987, atuando também como professor universitário em cursos de graduação e de pós-graduação.

Participa como palestrante em cursos de capacitação de professores em várias cidades do Rio Grande do Sul, momento bastante rico de troca e aprendizagem. Todavia, com certeza, ser professor, estar em contato diário com adolescentes, sempre foi e será a melhor escola. Publicou pela Editora Biruta os titulos, Meu Pai não Mora Mais Aqui, As Luas de Vindor e Pedro Noite
      Gustavo Piqueira dirige a Casa Rex (www.casarex.com http://www.casarex.com//), casa de design com bases e São Paulo e Londres e é o designer com mais trabalhos selecionados na história da Bienal ADG de Design Gráfico (48) além de ter recebido dois prêmios Jabuti e diversos prêmios internacionais de design.

Gustavo também já publicou 10 livros entre eles os fictícios como "Marlon Brando - Vida e Obra" (Martins Fontes, 2008) e "Manual do Paulistano Moderno e Descolado" (Martins Fontes, 2007), e os infanto-juvenis "A Vida sem Graça de Charllynho Peruca" (Biruta, 2009) e "Eu e os Outros Pioneiros da Aviação" (Escala Educacional, 2007), ambos selecionados para o PNBE 2010.

Entre 2000 e 2004 foi diretor da Associação dos Designers Gráficos do Brasil e entre 2000 e 2005 deu aulas na Faculdade Senac. Também desenha alfabetos e ilustra livros infantis.









 
 

























Desnudando a Educação Sexual de Claudia Bonfim


Desnudando a educação sexual

de Cláudia Bonfim


Área:     Educação
Coleção:     Papirus educação

Nº Páginas:     144

Público Alvo:     Interessados no assunto, professores e alunos de graduação.



Esta obra busca orientar pais, educadores e agentes sociais interessados em refletir sobre o encaminhamento dessa questão, tão fundamental em nossas vidas, de forma regular e adequada.
São discutidas as dimensões da educação sexual e da própria vivência ou representação da sexualidade em nossa sociedade: tabus, repressão, matrizes culturais, questões de gênero, o desenvolvimento psicossexual da criança, a erotização da adolescência e a influência da indústria cultural. É uma proposta de superação de preconceitos e de assimilação de novas significações da própria sexualidade, a fim de que essa vivência seja prazerosa, saudável, de qualidade – e, sobretudo, humanizada e afetivamente responsável.
A autora apresenta ainda algumas dicas e sugestões de atividades pedagógicas!

CONTEUDO

PREFÁCIO
César Nunes

APRESENTAÇÃO
Ricardo Desidério

INTRODUÇÃO

1. CONCEITOS
Sexo
Sexualidade
Educação afetivo-sexual crítica e emancipatória
Genitalidade
Gênero e identidade de gênero
Preconceito de gênero
Orientações pedagógicas para proporcionar reflexões sobre a vivência da sexualidade na escola com adolescentes e jovens

2. A SEXUALIDADE NA FAMÍLIA E NA ESCOLA
Corpo e corporeidade: A anulação da potencialidade do corpo na escola
Da educação sexual familiar e escolar que temos à educação sexual que queremos
Como e quando falar de sexualidade com crianças e adolescentes?
A partir de que idade?
As fases do desenvolvimento psicossexual da criança
Sexualidade de crianças e adolescentes com necessidades especiais
Sugestão de atividades pedagógicas para trabalhar a consciência corporal e os valores éticos

3. FATORES DE INFLUÊNCIA SOBRE NOSSO COMPORTAMENTO
Do sexo reprimido ao sexo virtual mecanizado e instintivo
Proposta de atividades para reflexão sobre a influência dos meios de comunicação na vivência da sexualidade

CONSIDERAÇÕES FINAIS

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

A AUTORA
Dra Claudia Bonfim
Penso que esta frase do Grande Mestre Paulo Freire consegue também me descrever:

Gostaria desde já de manifestar minha recusa a certo tipo de crítica científica que insinua faltar rigor no modo como discuto os problemas e na linguagem demasiado afetiva que uso. A paixão com que conheço, falo ou escrevo não diminuem o compromisso com que denuncio e anuncio. Sou uma inteireza e não uma dicotomia. Não tenho parte esquemática, meticulosa, racionalista e outra desarticulada, imprecisa, querendo simplesmente bem ao mundo. Conheço com meu corpo todo, sentimentos, paixão. Razão também. (FREIRE, 2001, p. 18)

Doutora em Educação Sexual na área História, Filosofia e Educação (UNICAMP), tendo defendido tese sobre Educação Sexual e Sexualidade .
Pesquisadora Colaboradora do Grupo de Estudos e Pesquisas Paidéia - UNICAMP
Vice-Presidente, Pesquisadora e Educadora Sexual da Associação Brasileira de Educação Sexual - ABRADES
Coordenadora do GEPES - MEC - Faculdade de Ensino Superior Dom Bosco - Grupo de Estudos e Pesquisas em Educação e Sexualidade tendo seu projeto avaliado como segundo melhor projeto do Brasil na categoria Faculdade e Universidades Particulares, aprovado, homologado e financiado integralmente pelo Ministério de Educação e Cultura.
Autora do livro "Educação Sexual e Formação de Professores: da educação sexual que temos à educação que queremos" (UFPB) e co-autora do livro "Educação Infantil: políticas e fundamentos" (UFPB).
Membro da Sociedade Brasileira de Estudos em Sexualidade Humana (SBRASH)

LANÇAMENTO




AGENDA | Destaques de 16 a 22 de agosto

clique para ampliar

Lançamento - desnudando a educação sexual


Coro da Camerata apresenta “O Magnum Mysterium”






            Sob a regência da maestrina venezuelana Maria Guinand, o Coro da Camerata Antiqua de Curitiba apresenta neste fim de semana o concerto “O Magnum Mysterium”, em que serão executadas diferentes versões do cântico sobre o mistério do nascimento de Jesus e a pureza da Virgem Maria. O concerto é uma homenagem à cantora lírica Neyde Thomas, no mês em que se completa um ano de sua morte. As apresentações acontecem sexta-feira (17), às 20h, e sábado (18), às 18h30, na Capela Santa Maria.

            Serão apresentadas as canções de seis  compositores do século 16 – Pedro de Cristo, Cristóbal de Morales, William Byrd, Giovanni Pierluigi da Palestrina, Giovanni Gabrieli e Tomás Luis de Victoria. O mistério da concepção de Jesus é um dos temas utilizados por inúmeros compositores daquele período, sendo que cada um explorou a musicalidade dos versos bíblicos conforme seus estilos característicos. O concerto possibilita conhecer essas variações.

Na segunda parte, o Coro da Camerata interpreta quatro madrigais de Claudio Monteverdi e finaliza com o “Gloria” a sete vozes, do mesmo compositor. Os madrigais foram as formas mais utilizadas por Monteverdi. Esse gênero é proveniente da Itália renascentista e baseia-se em poemas de temática amorosa, cuja música se destacava pela expressividade. Os madrigais também se prestavam a pequenas cenas operísticas. Mas uma das obras mais interessantes de Monteverdi no repertório da Camerata é o “Gloria”, que faz parte da coleção de música sacra “Selva Morale e Spirituale”, publicada em Veneza entre os anos de 1640 e 1641 e considerada a mais importante antologia de obras litúrgicas desse compositor.

Para dirigir o espetáculo, o Coro da Camerata trouxe como regente convidada a maestrina Maria Guinand, professora universitária e promotora de muitos projetos corais na Venezuela. É diretora de quatro importantes grupos venezuelanos - a Cantoría Alberto Grau, o Orfeón Universitario Simón Bolívar, a Schola Cantorum de Caracas e o Coral de La Fundación Polar, com quem ela tem feito muitas gravações e viagens internacionais. No âmbito da promoção de projetos, atua como primeira vice-presidente da Federación Internacional para la Musica Coral e Membro do Comitê Ejecutivo del Consejo Internacional de la Musica (UNESCO).

A temporada 2012 do Coro da Camerata Antiqua de Curitiba conta com o patrocínio do Ministério da Cultura e da Volvo.



Serviço:

Coro da Camerata Antiqua de Curitiba – O Magnum Mysterium, sob a regência de Maria Guinand

Local: Capela Santa Maria – Espaço Cultural  (R. Conselheiro Laurindo, 273 – Centro)

Datas e horários: 17 e 18 de agosto de 2012. Sexta-feira, às 20h, e sábado, às 18h30

Ingressos: R$ 20 e R$ 10 (meia-entrada)

PROGRAMAÇÃO CINEMATECA | 17 a 23 DE AGOSTO DE 2012







De 17 a 19 (programação final)
MOSTRA DO CINEMA ARGENTINO
Evento em parceria com o Consulado da Argentina em Curitiba e ICBA – Centro de Línguas.

Dia 17
16h:
UM AMOR | Un amor (Argentina, 2011 – 99’ – comédia - DVD).  Direção de Paula Hernández.
Férias de um verão dos anos 70. Lalo e Bruno são dois adolescentes fazendo nada em dias cheios de nada para fazer. Para quebrar a monotonia desses dias chega a jovem, perturbando algo mais do que a monotonia do povoado. Trinta anos mais tarde, Lisa volta a irromper e sacudir a vida desses dois homens.
Filme na versão original em espanhol, sem legendas em português
Classificação 14 anos
19h:
ILUMINADOS PELO FOGO | Iluminados por El fuego (Argentina/Espanha, 2005 – 103’ – drama - DVD). Direção de Tristán Bauer.
Iluminados pelo Fogo narra as lembranças de Esteban Leguizamón, um homem de 40 anos que, em 1982, quando tinha apenas 18 anos, foi levado como soldado conscrito a combater nas Ilhas Malvinas. A partir da tentativa de suicídio de um de seus ex-companheiros, Esteban mergulha nas recordações dessa guerra que compartilhou com outros jovens recrutas.
Filme com legendas em português.
Classificação 16 anos

Dia 18
16h:
IGUALZINHA A MIM | Igualita a mi (Argentina, 2010 – 108’ – comédia - DVD). Direção de Diego Kaplan.
Fredy, um solteiro de 41 anos, não tem filhos e vive na noite, é um tipo de playboy, sem trabalho fixo e sedutor de mulheres de 20 anos. Uma noite, Fredy conhece Aylín. Pensando estar em uma nova paixão passageira, descobre que a moça é sua filha e ainda por cima está grávida. Isso vai mudar sua vida de uma forma em que ele menos imagina.
Filme na versão original em espanhol, sem legendas em português.
Classificação 14 anos
19h:
A DANÇARINA E O LADRÃO | El baile de La Victoria (Espanha, 2009 – 127’ – drama - DVD). Direção de Fernando Trueba.
Com o advento da democracia, o presidente do Chile decreta anistia geral para todos os presos. Entre eles estão o jovem Ángel Santiago e o veterano Vergara Grey, famoso ladrão de caixa-forte. Os dois têm planos muitos opostos: enquanto Grey quer apenas recuperar sua família, o jovem pensa em dar um grande golpe. No caminho da dupla aparece outra jovem, Victoria (Miranda Bodenhöfer), que transforma a vida dos dois.
Filme com legendas em português.
Classificação 12 anos

Dia 19
16h:
UM AMOR | Un amor (Argentina, 2011 – 99’ – comédia - DVD).  Direção de Paula Hernández.
Filme na versão original em espanhol, sem legendas em português
Classificação 14 anos
19h:
GIGANTE (Uruguai/Argentina/Alemanha/Espanha, 2009 – 90’ – comédia - DVD). Direção de Adrian Biniez.
Jara, grande e tímido segurança de supermercado, descobre Julia, faxineira no lugar, pelas câmeras de vigilância e apaixona-se por ela. Logo, sua vida passa a girar em torno da rotina dessa mulher e pelo desejo de conhecê-la.
Filme com legendas em português.
Classificação 12 anos
Entrada gratuita para todos os filmes da mostra



De 20 a23
O CINEMA DE ROSEMBERG CARIRY

Dia 20 
16h:
A SAGA DO GUERREIRO ALUMINOSO (BR, 1993, ficção, cor, 94’)
Em Aroeiras, cidade fictícia dos sertões do Ceará, vive Genésio, velho viúvo, sem filhos, aposentado, que preenche a solidão bebendo cachaça e contando histórias e bravatas sobre os antigos cangaceiros. Baltazar, colega de copo de Genésio, é líder camponês e vê o cangaço como uma luta popular superada, buscando novas formas de combater os poderosos locais.
Classificação 14 anos
18h:
CORISCO & DADÁ (BR, 1996, ficção, cor, 96’)
Capitão Corisco, cognominado de Diabo Loiro, reputado pela sua crueldade,  valentia e beleza, rapta Dada, quando ela tinha 12 anos, jogando-a na difícil vida do cangaço. A partir desse acontecimento, a vida de Corisco se transforma por completo. Ele é um condenado de Deus cuja missão é lavar com sangue os pecados do mundo. Dadá, que a princípio odiava Corisco, descobre o companheirismo, entre lutas e dificuldades, e vê o ódio transformar-se em amor. É o amor de Dadá que humaniza Corisco, livra-o da condenação divina e determina a sua nova história sangrenta e trágica.
Classificação 14 anos
20h:
JUAZEIRO – A NOVA JERUSALÉM (BR, 2001, documentário, cor e p&b, 72’)
Com um mergulho profundo nas maravilhas e mistérios do cotidiano da Cidade Santa de Juazeiro do Norte, no Ceará, o filme conta a história do Padre Cícero Romão Batista (1854-1934) e revela um universo desconhecido e fascinante para o espectador, onde o sonho se confunde com a própria realidade.
Classificação livre

Dia 21
16h:
CINE TAPUIA (BR, 2002, ficção, cor, 98’)
Cine Tapuia traz uma reflexão sobre a cultura do povo brasileiro a partir do romance Iracema (1865), que inaugura o Indianismo na literatura romântica e cria o mito fundador do povo brasileiro, a partir do encontro do colonizador Martin Soares Moreno com Iracema, a formosa índia da nação Tabajara. No filme, temos uma Iracema contemporânea que acompanha seu pai, o cego Araquém, nas projeções de filmes por pequenas cidades do interior do Ceará. Além de cuidar do pai, Iracema tem a importante função de cantar as canções que ajudam na narrativa dos filmes mudos. Nestas andanças, ela encontra Martim, um malandro português, que negocia CDs e DVDs piratas e conquista as mocinhas ingênuas do interior com falsas promessas. Iracema, fascinada pelo exotismo da fala estrangeira, deixa-se seduzir por Martim, marcando assim o seu destino.
Classificação 14 anos
18h:
A SAGA DO GUERREIRO ALUMINOSO (BR, 1993, ficção, cor, 94’).
Classificação 14 anos
20h:
PATATIVA DO ASSARÉ – AVE POESIA (BR, 2007, documentário, cor e p&b, 84’)
O filme documentário é uma obra importante na preservação, para gerações futuras, de aspectos fundamentais da vida e obra desse poeta popular que se transformou em um patrimônio cultural e afetivo do povo brasileiro. As palavras do poeta revelam as imagens e, assim, palavras e imagens nos mostram a história e a vida na qual nos inserimos como membros que somos desta fabulosa comunidade de destino a que chamamos Brasil.
Classificação livre

Dia 22  
16h:
CORISCO & DADÁ (BR, 1996, ficção, cor, 96’)
Classificação 14 anos
18h:
PATATIVA DO ASSARÉ – AVE POESIA (BR, 2007, documentário, cor e p&b, 84’). Classificação livre
20h:
CINE TAPUIA (BR, 2002, ficção, cor, 98’)
Classificação 14 anos

Dia 23
16h:
PATATIVA DO ASSARÉ – AVE POESIA (BR, 2007, documentário, cor e p&b, 84’). Classificação livre
18h:
CINE TAPUIA (BR, 2002, ficção, cor, 98’)
Classificação 14 anos
20h:
CORISCO & DADÁ (BR, 1996, ficção, cor, 96’)
Classificação 14 anos
Entrada gratuita para todos os filmes da mostra



Cinemateca
Rua Carlos Cavalcanti, 1174, São Francisco
Horário de funcionamento: segunda a sexta-feira, das 9h às 12h e das 14h às 22h30. Sábados e domingos, das 14h30 às 22h30.
Informações: (41) 3321-3252

terça-feira, 14 de agosto de 2012

Eu e o Silêncio Do Meu Pai de Caio Rite

 

Eu e o Silêncio Do Meu Pai          

de Caio Riter

   com Gustavo Piqueira e Samia
    16x23 cm.
    100 páginas

Transformar-se em gente não é tarefa fácil. O Menino muito sofreu, muito chorou. Olhava o Pai e não entendia por que seu pai não era como os outros tantos pais: homens de palavras, homens de carinhos, homens de festa.

Não. Seu Pai era silencioso, triste. Seu olhar era distante,seu passo era trôpego, seu carinho era vago. Assim, o Menino teria que aprender a amar esse Pai. Teria que aprender a conversar com esse Pai.

   
      O AUTOR
      Caio Riter nasceu em Porto Alegre, onde mora até hoje. É professor mestre e doutor em Literatura Brasileira. Autor de vários livros, com os quais recebeu algumas distinções literárias, como os prêmios Açorianos, Barco a Vapor, Orígenes Lessa e Selo Altamente Recomendável entre outros.

Formado em Jornalismo e em Letras ministra aulas no ensino fundamental e médio, desde 1987, atuando também como professor universitário em cursos de graduação e de pós-graduação.

Participa como palestrante em cursos de capacitação de professores em várias cidades do Rio Grande do Sul, momento bastante rico de troca e aprendizagem. Todavia, com certeza, ser professor, estar em contato diário com adolescentes, sempre foi e será a melhor escola. Publicou pela Editora Biruta os titulos, Meu Pai não Mora Mais Aqui, As Luas de Vindor e Pedro Noite.


 


      OS ILUSTRADORES  
      Gustavo Piqueira dirige a Casa Rex (www.casarex.com http://www.casarex.com//), casa de design com bases e São Paulo e Londres e é o designer com mais trabalhos selecionados na história da Bienal ADG de Design Gráfico (48) além de ter recebido dois prêmios Jabuti e diversos prêmios internacionais de design.

Gustavo também já publicou 10 livros entre eles os fictícios como "Marlon Brando - Vida e Obra" (Martins Fontes, 2008) e "Manual do Paulistano Moderno e Descolado" (Martins Fontes, 2007), e os infanto-juvenis "A Vida sem Graça de Charllynho Peruca" (Biruta, 2009) e "Eu e os Outros Pioneiros da Aviação" (Escala Educacional, 2007), ambos selecionados para o PNBE 2010.

Entre 2000 e 2004 foi diretor da Associação dos Designers Gráficos do Brasil e entre 2000 e 2005 deu aulas na Faculdade Senac. Também desenha alfabetos e ilustra livros infantis.




um lançamento


  

Editora LeYa lança “Sonhos” da autora best-seller Alyson Noël em agosto



AUTORA DO SUCESSO “OS IMORTAIS” LANÇARÁ O PRIMEIRO VOLUME DE SUA NOVA SAGA, THE SOUL SEEKERS, DURANTE A BIENAL DO LIVRO DE SÃO PAULO

“Eles não veem o que eu vejo. Não veem o jeito que tudo para. Não veem o jeito que a atmosfera muda – ficando mais reluzente, nebulosa, como se estivesse olhando através de vidro iridescente. Não veem o jeito que os brilhantes aparecem – pairando ao longo do perímetro. Não veem o jeito que eles acenam para mim – pedindo que me junte a eles. Apenas eu posso ver isso. Mesmo depois de piscar várias vezes, tentando fazer a cena voltar ao normal, não adianta. E não há nada que eu possa fazer para deter o avanço deles – nada que eu possa fazer para convencer o tempo a seguir adiante novamente. Então, faço a única coisa que posso fazer – eu corro.”

Daire Santos é uma adolescente que tem uma vida de causar inveja a qualquer garota: é filha de uma maquiadora de Hollywood. Namora jovens estrelas de cinema e viaja com a mãe por todo o mundo, acompanhando sets de filmagem. Uma vida de glamour e pura diversão. Até que coisas estranhas começam a acontecer com ela. Ao completar 16 anos Daire começa a ter alucinações de pessoas reluzentes, corvos ameaçadores e cenas que poderia fazer parte de qualquer filme de terror. E o pior de tudo, ninguém acredita nela.

A editora LeYa lança em agosto o primeiro volume da saga The Soul Seekes, “Sonhos”, da autora best-seller Alyson Noël – conhecida mundialmente pelo sucesso da trama “Os imortais”. Alyson estará no Brasil para o lançamento oficial do livro durante a Bienal do Livro de São Paulo. E desta vez, o sobrenatural está mais perto do que se pode imaginar.

Os médicos acham que se trata de um caso psiquiátrico. Sua avó, curandeira respeitada na pequena cidade de Encantamento, Novo México, afirma que pode curá-la com suas ervas e poções. Sem alternativa, Daire deixa sua antiga vida para morar nesta cidade perdida no meio do nada, longe da mãe, e com a avó que até então não conhecia.

O que parecia ser o fim, no entanto, revela-se o início de uma grande aventura: guiada pela avó, Daire descobre ser uma Buscadora de Almas, descendente de uma linhagem poderosa que, através dos tempos, vem garantindo o equilíbrio entre o bem e o mal tanto no nosso mundo quanto em outros mundos e outras dimensões.

Nessa mistura de sonho e realidade, Daire reencontra suas raízes ancestrais e conhece o menino dos seus sonhos – aquele que andava por suas visões com olhos azuis-gelo. Mas ela será obrigada a descobrir se estão predestinados um ao outro, ou se ele é aliado do inimigo que ela deve destruir.

“Sonhos” é um romance enigmático com uma narrativa eletrizante, que leva os leitores a um mundo místico desconhecido no qual o destino do mundo poderá ser traçado, e somente uma garota pode impedir que o pior aconteça.

A autora estará no Brasil para o lançamento oficial do livro entre os dias 17 e 23 de agosto.

Ficha Técnica

Título: Sonhos. Livro Um da Saga The Soul Seekers

Autora: Alyson Noël

Formato: 16 x 23 cm

Nº de páginas:320


Sobre a autora

ALYSON NOËL é autora das séries Os Imortais e Riley Bloom, além de sete outros livros. Vive em Laguna Beach, na Califórnia, onde trabalha em sua próxima obra. Visite-a no site www.alysonnoel.com.

Onda Gastronômica







Livros de gastronomia estão entre os mais vendidos do estande do Senac, na 22ª Bienal Internacional do Livro



          

O segmento gastronômico faz sucesso na Bienal do Livro, além do espaço de debates e apresentações Cozinhando com Palavras, os livros de gastronomia têm cativado o público. No estande do Senac, cujas editoras são referências nessa área, os livros de gastronomia seguem entre os mais vendidos. Panelinha – receitas que funcionam, da chefe Rita Lobo, lidera o ranking: vendeu 600 exemplares na primeira semana do evento. Ladurée Doces é o segundo título mais vendido do estande (foram 100 exemplares vendidos), seguido por Chá: rituais e benefícios e Festas em Miniatura, das banqueteiras Taissa Calixto, Flavia Calixto e Roberta Vianna, que venderam 300 e 200 exemplares, respectivamente. A performance reforça o aquecimento do mercado de livros gastronômicos, que cresceu bastante nos últimos cinco anos. As editoras Senac, por exemplo, superaram os 800 mil exemplares vendidos na área, apresentando um crescimento de 24% em 2011. Somente nos últimos cinco anos, as vendas do selo subiram 107%. A produção de títulos da área acompanhou essa evolução, foram lançados 33% mais livros, na comparação entre 2010 e 2011. Hoje, o segmento representa 11% das vendas do catálogo Senac Editoras e 20% dos lançamentos anuais. Para 2012, a expectativa é publicar 40% mais títulos do que nos anos anteriores.



Todos os livros do estande Senac estão com 30% de desconto











Serviço:

Senac Editoras na Bienal do Livro de São Paulo

Local: Bienal do Livro de São Paulo – Estande Senac – k70, entre ruas K e L

Amazônia ganha circuito de festivais com oito eventos integrados



Tendo edições em oito cidades, de seis Estados do Norte do Brasil e mais a Guiana Francesa organização soma-se à Rede Brasil de Festivais

Redes, colaborativismo, Independência. As novas palavras que compõem o vocabulário da Nova Música Brasileira na segunda década do século XXI culminam na criação de diversos circuitos regionais de festivais independentes e a região Norte lança o seu, o Circuito Amazônico de Festivais Independentes.

O Circuito Amazônico conecta festivais de perfis distintos que mostram a diversidade cultural da região amazônica em seus diversos contextos e cenários. O primeiro festival do circuito, o Festival de Música no Marajó, é um exemplo dessa diversidade, realizado na cidade de Muaná, a seis horas de barco da capital paraense, o festival conecta artistas da música brega ao rock em um contexto amazônico rico de singularidades.

Outra característica é o investimento na integração entre linguagens artísticas, com festivais de artes integradas veteranos, como o Até o Tucupi (AM), e estreantes, como o Festejo Beradero (RO) que abrem espaço para ações que vão desde a apresentação de peças de teatro à intervenções urbanas de rua, passando por manifestações populares. “Diversidade é uma palavra que traduz bem a Amazônia e os festivais que compõem o circuito expressam isso de forma bastante intensa, seja nos estilos musicais, na integração artística e também nas manifestações culturais que são abarcadas por cada um em suas especificidades”, afirma Caio Mota, coordenador do Circuito Amazônico de Festivais e gestor da Casa Fora do Eixo Amazônia.

O festivais Se Rasgum (PA), que vai para sua sétima edição e é considerado pela crítica especializada o maior festival da região norte e um dos cinco do Brasil compõem o circuito, assim como o tradicional festival Varadouro (AC), Tomarrock (RR), o Festival Quebramar (AP), que vai para sua quinta edição em 2012 como um grande festival de troca de conhecimentos e diversidade musical e o Transamzoniennes da Guiana Francesa, que acontece a cada 2 anos e tem um formato de uma grande feira cultural.
Circuitos Regionais

A criação do Circuito Amazônico de Festivais Independentes segue a linha adotada em outras regiões do País e em experiências de sucesso como o Circuito Mineiro de Festivais Independentes, que chega à sua terceira edição esse ano. A potencialização dos festivais envolvidos na ação envolve um processo que vai além da produção. “A ideia é criar circuitos regionais que se autogestionam de maneira colaborativa e atuando em rede, potencializando assim as curadorias, a divulgação e o impacto de cada festival”, comenta o coordenador nacional dos Festivais do Fora do Eixo, Felipe Altenfelder.

O Circuito Amazônico de Festivais Independentes está presente em quase todos os Estados da Amazônia Brasileira, indo de setembro de 2012 à dezembro de 2013, com o primeiro sendo na Ilha de Marajó, no Estado do Pará, de 7 a 9 de setembro. Em seguida, o restante da região segue representado por Varadouro (AC), BeradeRO (RO), TomaRRock (RR), Quebramar (AP), Se Rasgun (PA) e Transamazoniennes (GUF).
Rede Brasil de Festivais

A Rede Brasil de Festivais surge em 2012 com a junção de 107 festivais independentes, organizados em seis circuitos regionais: Paulista, Mineiro, Sul, Nordeste, Centro-Oeste e Amazônico. São 88 cidades que realizam festivais durante todo o ano, com programação envolvendo além de música, diversas outras linguagens e atividades de formação.
Fora do quê?

O Fora do Eixo - responsável pela execução de todos os Circuitos Regionais de Festivais - é uma rede de trabalhos formada hoje por mais de 90 Pontos em todo o país, que somam aproximadamente 2 mil pessoas envolvidas. Desde 2006, realiza uma série de ações estruturantes com foco nos setores de comunicação livre, distribuição, circulação, linguagens artísticas, sustentabilidade, economia solidária e políticas culturais.
Percursos de vivência e Formação Livre

Visando maior integração entre as cidades que sediam os festivais e potencializando atividades de troca de conhecimento, serão abertos Percursos de Vivência entre as microrrotas que compõem o Circuito. Esses editais permitem que os interessados atuem na área de produção cultural - em diversos subsetores, tais como, comunicação, design, distribuição, entre outros. Os aprovados integram as equipes dos festivais em diferentes cidades, fomentando a circulação e buscando fortalecer um Percurso da Cultura por entre as edições com uma rota que estimula o livre conhecimento através de um processo de formação aberto e compartilhado.
Cobertura Colaborativa

Os Festivais que integram o Circuito Amazônico se apropriam do método colaborativo de produção de mídia para realizar a sua cobertura. Através de processos de comunicação integrada, equipes locais realizam coberturas abrangendo conteúdos que integram texto, foto, vídeo, transmissão ao vivo e mídias sociais. Todos estes agentes atuarão como ‘Cidadãos Multimídia’, trabalhando as diversas áreas dentro das coberturas.
Artes Integradas

Outras linguagens artísticas que enriquecem os festivais e os levam para além da música. As artes cênicas, o audiovisual terão seu espaço garantido dentro do Circuito Amazônico de Festivais Independentes, junto com ações voltadas à atividades de artes visuais. A proposta é dar vazão a diferentes extensões artísticas independentes, construindo uma vitrine de manifestações e artistas, apresentando assim um novo modelo de consumo e produção.
Produção colaborativa

A produção integrada dos Festivais do Circuito Amazônico visa o compartilhamento de conhecimento de produção e gestão. A partir disso, uma equipe de produção nas diversas áreas de atuação (Comunicação, Sustentabilidade, Articulação e Agenciamento) trabalha no suporte, gerindo todo auxilio, unidade e organicidade do Circuito. Essa equipe circulará pelos Festivais em apoio às equipes de produção locais e administrando também os Editais de Vivência conforme as necessidades.
Microrrotas Amazônicas

Proposta de circulação entre uma série de microrrotas (Macapá-Belém, Manaus-Boa Vista, Porto Velho-Rio Branco) com o objetivo de estabelecer trocas de experiências entre artistas/bandas, agentes, produtores e coletivos envolvidos, visando difusão e fruição de trabalhos musicais relevantes no cenário independente amazônico.
Calendário

Festival de Música no Marajó
7, 8 e 9 de setembro
Muaná (PA)|Casa FdE Amazônia
www.facebook.com/festivalnomarajo

Festival Até o Tucupi
9 a 15 de Setembro
Manaus (AM)| Difusão
www.festivalateotucupi.com

Festival Varadouro
27 a 29 de outubro
Rio Branco (AC) | Catraia
www.festivalvaradouro.art.br

Festejo BeradeRO
2, 3 e 4 de novembro
Porto Velho (RO) | Casa FdE Rondônia
www.facebook.com/festejoberadero

Festival TomaRRock
1 a 9 de novembro
Boa Vista (RR)| Canoa
www.festivaltomarrock.wordpress.com

Festival Quebramar
6 a 11 de novembro
Macapá (AP) |Casa FdE Amapá
www.festivalquebramar.com

Festival Se Rasgum
3 a 9 de dezembro
Belém (PA)| Se Rasgum
www.seragum.com.br

Festival Transamzoniennes
novembro de 2013
Saint Laurent du Maroni (GUF)| Atipa Reco

''A nova música brasileira nos 40 anos do Teatro Paiol''



A quarta edição do projeto Radar “A nova música brasileira nos 40 anos do Teatro Paiol” traz para Curitiba, o londrinese Bruno Morais,cantor, compositor e produtor Bruno lança Tudo em Vinil na capital paranaense no proximo dia 23 quinta-feira no Teatro Paiol.

O show recém criado especialmemte para celebrar o lançamento em vinil de seu inspirado álbum, "A Vontade Superstar"(2009) e ainda seus dois compactos chamados “Estúdio A”(2010) e o de inéditas "Estúdio A.2" (dez/2011) em versão expandida.

No repertório duas novíssimas faixas: “Ela e Os Raios” (Bruno Morais/ Guilherme Held) e e versão para “Sorriso Dela” (Erasmo Carlos e Roberto Carlos) que gravou com Bixiga 70 de banda base , que você pode escutar aqui: , algumas inéditas como “E o Mundo vai” (parceria inédita de Romulo Fróes e Lulina) e claro algumas faixas de "A Vontade Superstar" com novidades nos arranjos.

Bruno Morais, com sua voz mansa, João Gilbertiana, cheia de faíscas, sofisticação e conteporaneidade vem encantando e hinotizando plateias e músicos por onde passa e colecionando admiradores atentos do mundo todo. Ele já cantou em disco do Kiko Dinucci (“Na Boca dos Outros”, 2009), tem Guizado Man como trompetista e colaborador de quase tudo que grava, produziu “Taxi Imã” junto com Pipo Pegoraro. Participou de varios shows especiais coletivos ao lado de artistas de sua “geração” como Bixiga 70, Kiko Dinucci, Lulina, Rodrigo Campos, Luisa Maita, Blubell, Tulipa Ruiz, Emicida, Flip Grater, Karina Buhr, Marcelo Jeneci, etc. Tem parceria gravada com a lenda viva do soul Americano Leon Ware (Marvin Gaye, Quincy Jones, Ike and Tina, Maxwell…). “A Vontade Superstar” acaba de ser lançado na Europa (2 june 2012) pelo selo Black Brown & White e contou com colaboradores de peso como Marcelo Jeneci em quase todos os pianos eletricos e syths do disco, Toby Laing (Fat Freddy’s Drop), Vitamin D (beat maker de nomes como Blackalicious e Chali2na) e XXXChange (Spank Rock).

Foi apontado pelos jornais Folha de São Paulo, O Globo e Estado de São Paulo como um dos expoentes da nova música produzida no Brasil. O Album "A Vontade Superstar" figurou em muitas das mais importantes listas de melhores do ano de lançamento do mesmo e foi eleito o segundo melhor do ano pela Radio Eldorado ao lado de nomes como Arnaldo Antunes e Maria Bethânia.
Ouça aqui: http://soundcloud.com/brunomorais

A Vontade - Bruno Morais

O projeto ‘’Radar - A nova música brasileira nos 40 anos doTeatro Paiol’’ traz mensalmente á Curitiba artistas relacionados à música contemporânea brasileira que integrarão a programação dos 40 anos do Teatro Paiol. No total serão realizadas 09 edições de Radar, o projeto teve sua estréia em maio com a cantora Anelis Assumpção e já marcaram presença nomes como Lira e Pélico. O projeto é idealizado e realizado pela Verdura Produções Culturais e tem como principal objetivo a formação de público e o intercâmbio musical entre os artistas.

O projeto com com o apoio cultural da Fundação Cultural de Curitiba, Prefeitura de Curitiba, Lumen FM, Serra Verde Express, BWT Operadora, Jacobina Restaurante, Cia do Impresso, Simetria Gráfica e Meio Fio Cultural, YáYó Produções, Bob’s, Cenário Novo, Cena Low-Fi, Balcava Filmes, Tudo que se Ouve, EM Cenários e Singelida Produções.

       
       
       
Serviço:

O que?
Radar - A nova música brasileira nos 40 anos do teatro Paiol convida Bruno Morais.
Data: 23 de agosto (Quinta-feira)
Onde: Teatro Paiol
Endereço: Praça Guido Viaro S/N
Horario: 20:30h
Telefone: 3213-1340
Ingressos: R$ 20,00 Estudantes, Professores, Idosos, Doadores de 1Kg de Alimento, Doadores de Sangue e Deficientes fisicos.
R$ 40,00 inteira.''A nova música brasileira nos 40 anos do Teatro Paiol''

A quarta edição do projeto Radar “A nova música brasileira nos 40 anos do Teatro Paiol” traz para Curitiba, o londrinese Bruno Morais,cantor, compositor e produtor Bruno lança Tudo em Vinil na capital paranaense no proximo dia 23 quinta-feira no Teatro Paiol.

O show recém criado especialmemte para celebrar o lançamento em vinil de seu inspirado álbum, "A Vontade Superstar"(2009) e ainda seus dois compactos chamados “Estúdio A”(2010) e o de inéditas "Estúdio A.2" (dez/2011) em versão expandida.

No repertório duas novíssimas faixas: “Ela e Os Raios” (Bruno Morais/ Guilherme Held) e e versão para “Sorriso Dela” (Erasmo Carlos e Roberto Carlos) que gravou com Bixiga 70 de banda base , que você pode escutar aqui: , algumas inéditas como “E o Mundo vai” (parceria inédita de Romulo Fróes e Lulina) e claro algumas faixas de "A Vontade Superstar" com novidades nos arranjos.

Bruno Morais, com sua voz mansa, João Gilbertiana, cheia de faíscas, sofisticação e conteporaneidade vem encantando e hinotizando plateias e músicos por onde passa e colecionando admiradores atentos do mundo todo. Ele já cantou em disco do Kiko Dinucci (“Na Boca dos Outros”, 2009), tem Guizado Man como trompetista e colaborador de quase tudo que grava, produziu “Taxi Imã” junto com Pipo Pegoraro. Participou de varios shows especiais coletivos ao lado de artistas de sua “geração” como Bixiga 70, Kiko Dinucci, Lulina, Rodrigo Campos, Luisa Maita, Blubell, Tulipa Ruiz, Emicida, Flip Grater, Karina Buhr, Marcelo Jeneci, etc. Tem parceria gravada com a lenda viva do soul Americano Leon Ware (Marvin Gaye, Quincy Jones, Ike and Tina, Maxwell…). “A Vontade Superstar” acaba de ser lançado na Europa (2 june 2012) pelo selo Black Brown & White e contou com colaboradores de peso como Marcelo Jeneci em quase todos os pianos eletricos e syths do disco, Toby Laing (Fat Freddy’s Drop), Vitamin D (beat maker de nomes como Blackalicious e Chali2na) e XXXChange (Spank Rock).

Foi apontado pelos jornais Folha de São Paulo, O Globo e Estado de São Paulo como um dos expoentes da nova música produzida no Brasil. O Album "A Vontade Superstar" figurou em muitas das mais importantes listas de melhores do ano de lançamento do mesmo e foi eleito o segundo melhor do ano pela Radio Eldorado ao lado de nomes como Arnaldo Antunes e Maria Bethânia.
Ouça aqui: http://soundcloud.com/brunomorais

A Vontade - Bruno Morais

O projeto ‘’Radar - A nova música brasileira nos 40 anos doTeatro Paiol’’ traz mensalmente á Curitiba artistas relacionados à música contemporânea brasileira que integrarão a programação dos 40 anos do Teatro Paiol. No total serão realizadas 09 edições de Radar, o projeto teve sua estréia em maio com a cantora Anelis Assumpção e já marcaram presença nomes como Lira e Pélico. O projeto é idealizado e realizado pela Verdura Produções Culturais e tem como principal objetivo a formação de público e o intercâmbio musical entre os artistas.

O projeto com com o apoio cultural da Fundação Cultural de Curitiba, Prefeitura de Curitiba, Lumen FM, Serra Verde Express, BWT Operadora, Jacobina Restaurante, Cia do Impresso, Simetria Gráfica e Meio Fio Cultural, YáYó Produções, Bob’s, Cenário Novo, Cena Low-Fi, Balcava Filmes, Tudo que se Ouve, EM Cenários e Singelida Produções.
Confira as fotos da edição #3 com Pélico aqui
       
       
       
Serviço:

O que?
Radar - A nova música brasileira nos 40 anos do teatro Paiol convida Bruno Morais.
Data: 23 de agosto (Quinta-feira)
Onde: Teatro Paiol
Endereço: Praça Guido Viaro S/N
Horario: 20:30h
Telefone: 3213-1340
Ingressos: R$ 20,00 Estudantes, Professores, Idosos, Doadores de 1Kg de Alimento, Doadores de Sangue e Deficientes fisicos.
R$ 40,00 inteira.

segunda-feira, 13 de agosto de 2012

Ilusões (Vol. 3)


   

Ilusões (Vol. 3)

Título Original:     Illusions

de Aprilynne Pike

Tradutor:     Sibele Menegazzi


Coleção:     Fadas
Páginas:     350
Formato:     16 x 23 cm



Depois de mais de 700 mil exemplares vendidos nos Estados Unidos e figurar nas principais listas do país, Ilusões, terceiro título da série Fadas, de Aprilynne Pike, apresenta-se como o volume mais misterioso e com a maior dose de ação até agora. Um livro que fará até o mais cético querer acreditar em fadas.

Ilusões, por meio de situações surpreendentes, revelações estarrecedoras e novos personagens, fará com que os leitores permaneçam grudados ao livro até o fim. Para isso, vai revelar, pela primeira vez, mudanças de rumo impensáveis até para o maior fã da série.

Desde que lhe implorou para deixá-la em paz no ano anterior, a fada Laurel não teve mais contato com o elfo Tamani. Embora seu coração ainda esteja ferido, a protagonista tem certeza de que o humano David foi a escolha certa. Porém, quando a vida começa a voltar ao normal, ela descobre que há um novo inimigo à espreita. Uma vez mais, Laurel deverá contar com Tamani para protegê-la e guiá-la, pois o perigo que agora ameaça Avalon é algo que o mundo das fadas jamais imaginou que fosse possível. E, pela primeira vez na vida, Laurel não tem tanta certeza de que seu lado prevalecerá.

Neste volume, o leitor verá a história não só pelos olhos de Laurel, como também de Tamani.

Como sempre, Aprilynne dosa com extrema maestria cenas de suspense, ação e romance. Ilusões vai agradar desde o mais jovem leitor àqueles que sempre disseram que não creem em seres fantásticos.

A CRITICA




“A Série Fadas continua em alta rotação. Com um final chocante, deixará os leitores ávidos pelo volume final.”  - Booklist

“Com Ilusões, Aprilynne Pike tornou sua aclamada série em um marco do gênero. A trama bem-elaborada e os personagens irresistíveis fazem com que a leitura voe.” - Romantic Times


A AUTORA
Aprilynne Pike vem criando histórias de fadas desde que era uma criança de imaginação fértil. Completou seu bacharelado em escrita criativa aos vinte anos na Lewis-Clark State College, em Lewiston, Idaho. Vive atualmente com o marido e os três filhos.
Saiba mais em www.aprilynnepike.com.

um lançamento






O Evangelho do Barão de Luís Cláudio Villafañe G.Santos

O Evangelho do Barão

de Luís Cláudio Villafañe G.Santos


Formato: 14 x 21

Páginas: 174

Edição:

Ano: 2012

Acabamento: Brochura

Peso: 210g


Este livro busca discutir as ideias e o legado de José Maria da Silva Paranhos Júnior, o Barão do Rio Branco, cujo centenário de morte comemora-se este ano. De forma inusitada, o autor questiona o consenso formado em torno das posições do Barão, que influenciaram claramente a política externa brasileira até os anos 1960 e são eventualmente seguidas ainda hoje. O longevo consenso, diz o autor, transformou Paranhos e seu “evangelho” em paradigma em relações exteriores de um país.

A passagem de Rio Branco pela chefia da chancelaria brasileira de 1902 até sua morte, em 1912, coincidiu com um momento especialmente rico em situações que possibilitaram a construção da nacionalidade e a modernização do Brasil. O Barão soube consolidar, nesse cenário, uma determinada visão da identidade internacional do país e do papel que a política externa deveria desempenhar na construção e reafirmação dessa identidade.

O autor enfatiza que sua atuação foi extremamente importante na consolidação do nacionalismo brasileiro, em bases modernas, como esteio ideológico do Estado, após a crise de legitimidade pela qual o país passou com a proclamação da República. E a relaciona à construção de uma nova identidade coletiva para o Brasil, já em bases plenamente nacionais.

No entanto, Rio Branco foi, antes de tudo, um agente político, marcado pelo pragmatismo. E suas ações e diretrizes, que se traduzem em lições ambíguas e contraditórias, permitem a seus pretensos seguidores justificar opções políticas muito distintas entre si. Tanto mais porque ele não deixou um registro sistemático de suas ideias e orientações, que se sustentam por textos isolados, escritos ao sabor das circunstâncias, tais como discursos, cartas particulares, artigos de jornal e instruções às representações diplomáticas no exterior.


O AUTOR
Luís Cláudio Villafañe G. Santos - Diplomata, graduado em Geografia pela Universidade de Brasília e em diplomacia pelo Instituto Rio Branco. Pós-graduado em Ciência Política pela New York University, é mestre e doutor em História pela Universidade de Brasília. Pesquisador associado do Instituto Rio Branco, publicou O Brasil entre aAmérica e a Europa (Editora Unesp, 2004) e O dia em queadiaram o Carnaval (Editora Unesp, 2010).










outras obras deste autor:

Caçadores de sombras Título Original: Shadow runners de Daniel Blythe


Caçadores de sombras

Título Original:     Shadow runners

de    Daniel Blythe

Tradutor:     Cláudia Mello Belhassof



Páginas:     252
Formato:     16 x 23 cm








Criada por Daniel Blythe, Caçadores de sombras é a esperada aventura de suspense e de paranormalidade que chega ao país após agradar milhares de jovens ao ser lançado na Grã-Bretanha. O autor ficou famoso por ser roteirista da famosa série de televisão Doctor Who.

Quando a menina de treze anos Miranda Kay muda-se para uma pequena cidade, rapidamente se convence que está sendo seguida. O estranho é que ela tem a sensação de que seu perseguidor não é humano... Será que está enlouquecendo? Para enfrentar esse mal e resolver este mistério, a protagonista terá a ajuda de mais quatro jovens – Josh, Cal, Ollie e Lyssa.

O quarteto sabe que precisa de Miranda. E ela, por sua vez, tem a estranha sensação de que Cal e seus amigos têm as respostas para as muitas dúvidas que tiram seu sono. Liderados pela srta. Bellini, os quatro formam uma espécie de equipe de investigação de eventos paranormais, que vão muito além de fantasmas e fenômenos da natureza aparentemente inexplicáveis.

No ótimo Caçadores de sombras, o autor apresenta um suspense em que o mal só será vencido no momento em que corajosas crianças superarem suas diferenças e se unirem com o mesmo objetivo: derrotar a Forma.

A CRITICA
"Um escritor inteligente, observador e cheio de energia, com um ágil domínio da escrita." - The Times

O AUTOR
Daniel Blythe nasceu em Maidstone, na Inglaterra, em 1969, e estudou Línguas Modernas na St. John's College, em Oxford. Trabalhou durante alguns anos como radialista na imprensa local, e suas primeiras produções como escritor foram roteiros para muitos capítulos da famosa série de televisão Doctor Who. Baseado nela, publicou Anonymous em 2009. Daniel escreveu mais de quinze livros para os públicos jovem e adulto e Caçadores de Sombras é a estreia dele no Brasil.


um lançamento


Guia de uso do português Confrontando regras e usos de Maria Helena de Moura Neves

Guia de uso do português

Confrontando regras e usos

de Maria Helena de Moura Neves

 

Formato: 16 x 23
Páginas: 830
Edição: 2ª
Ano: 2012
Acabamento: Brochura
Peso: 1340g

 

IMPERDÍVEL ! Essencial para estudantes e "coleguinhas" em geral que ainda acreditam ser necessário escrever corretamente para se comunicar.


O que é certo, o que é errado no uso do português? O que são normas? Neste livro, organizado a partir de um estudo exaustivo dos usos vigentes do português contemporâneo do Brasil, a autora defende que se pode contrariar a norma e que há liberdade de escolha no uso da língua. Dirigindo-se a todos os que se expressam por meio do idioma, e não apenas a estudantes ou profissionais de ramos relacionados às Letras, ela apresenta tanto o modo como os manuais normativos dizem que “se deve” utilizar o idioma, quanto o modo como de fato se fala e escreve em português no país.

O objetivo é orientar o uso da língua considerando-se as variadas situações de comunicação, sem apego a uma ou outra das duas atitudes predominantes em relação à norma linguística – a dos que concebem a língua como fato homogêneo e estático, e a dos que consideram as questões de norma um falso problema, algo que se emprega meramente para marcar a superioridade de um grupo social sobre outro.

O Guia de uso do português foi concebido em oposição a esses dois pontos de vista sobre a norma, oposição que se confirma na explicação de cada uso, na organização de cada verbete, na seleção do que foi examinado. Ao recusar o unilateralismo e o simplismo, o livro constrói um discurso bem fundamentado sobre o uso linguístico, que se assenta não sobre opiniões preconcebidas, mas sobre um minucioso, amplo e paciente trabalho de pesquisa.



A AUTORA
Maria Helena de Moura Neves
é lingüista, doutora em Letras (Letras Clássicas) pela USP. Professora aposentada voluntária da Unesp, é autora também de Gramática de usos do português (Editora Unesp, 2000).

UM LANÇAMENTO


Lançamento Clio-Psyché

Clio-Psyché – Gênero, Psicologia, História
Organizadores: Francisco Teixeira Portugal e  Ana Maria Jacó-Vilela.

Dia 16 de agosto - quinta-feira - 19h
Local: Blooks Livraria
Praia de Botafogo, 316 (Cinema Arteplex)

"De que modo o processo de construção das identidades femininas se entrecruza com a história da psicologia? Como a análise dos saberes a respeito das questões de gênero (e das reformulações propostas pelos discursos feministas) têm contribuído com outras correntes da teoria e da prática psi que defendem o reconhecimento do espaço e da expressão da diferença? O livro Clio-Psyché apresenta um rico conjunto de estudos em que corpo, sexo, afeto, trabalho e loucura confrontam-se e evidenciam seus potenciais de crítica da ordem social."

um lançamento

Terça Brasileira apresenta “Café da Manhã à Luz de Velas”





O curitibano Isaac Dias sobe ao palco do Teatro do Paiol nesta terça-feira (14) para apresentar o show “Café da Manhã à Luz de Velas”. No repertório, composições do próprio Isaac e de Gustavo Bonin, que juntos buscam traduzir o cotidiano em forma de música e poesia. Integrando a tradicional programação do Terça Brasileira, a apresentação acontece a partir das 20h. Os ingressos custam R$ 20 e R$ 10.

Isaac Dias integra atualmente a banda Sincopé, da qual também fazem parte alguns dos convidados da noite, que se apresentam ao lado do músico. Apostando em uma mistura de diferentes ritmos populares e temas relacionados ao dia a dia, o músico se isenta de rótulos e procura enfatizar a multiplicidade cultural com criatividade. 



Serviço:

“Café da Manhã a Luz de Velas” com Isaac Dias e convidados

Local: Teatro do Paiol (Praça Guido Viaro, s/n – Prado Velho)

Data e horário: dia 14 de agosto de 2012 (terça-feira), às 20h

Ingressos: R$ 20 e R$ 10 (meia-entrada)

Sai o resultado da primeira fase do edital da Corrente Cultural



A Fundação Cultural de Curitiba divulgou o resultado da primeira fase, referente à análise de mérito, do edital que está selecionando projetos para integrar a programação da Corrente Cultural 2012. O evento será realizado de 5 a 11 de novembro. Os projetos aprovados na primeira fase passarão ainda por uma segunda etapa, quando serão avaliados quanto à documentação necessária para receber os recursos vindos do Programa de Apoio e Incentivo à Cultura – PAIC, por meio do Fundo Municipal da Cultura.
Foram selecionados os 33 projetos com as mais altas pontuações recebidas pelo Grupo de Análise Técnica, constituído especificamente para analisar o mérito das propostas artísticas, enquadradas em quatro modalidades distintas: projetos para espaços cênicos, para espaços musicais, para espaços dedicados às artes visuais e logradouros públicos. Os projetos serão desenvolvidos durante a Virada Cultural, ponto alto da programação da Corrente, que acontece nos dias 10 e 11 de novembro.
A participação na programação da Corrente Cultural, por meio do edital do Fundo Municipal da Cultura, foi aberta a todos os artistas e grupos interessados. As inscrições foram realizadas no período de 22 de junho a 16 de julho. A intenção da Fundação Cultural de Curitiba ao lançar o edital é garantir espaço para a divulgação dos talentos curitibanos. Fruto da união de instituições públicas e privadas, a Corrente Cultural tem exatamente o objetivo de valorizar e promover a diversidade cultural em Curitiba.
A lista dos selecionados na primeira fase do edital Corrente Cultural 2012 está disponível no site www.fundacaoculturaldecuritiba.com.br no link Lei de Incentivo/ Fundo Municipal/ Convocações FMC 2012. Clique aqui para conferir a lista.