sexta-feira, 14 de junho de 2013

8ª confissão de James Patterson

8ª confissão

James Patterson


Tradução Carla Gouveia
Páginas 192


As aparências enganam

Na ópera de São Francisco, os milionários mais glamourosos da cidade assistem à grandiosa apresentação de Don Giovanni. Divertindo-se com os amigos, Isa e Ethan Bailey não imaginam que um assassino está em sua mansão e os aguarda para executar uma terrível vingança. No momento propício, ele vai cometer o crime perfeito.

Uma conspiração engenhosa

Encarregada de investigar as mortes na alta sociedade, a tenente Lindsay Boxer também precisa ajudar sua amiga Cindy Thomas no caso de um morador de rua que foi brutalmente executado. Ao conhecer mais a história daquele homem, Cindy percebe que tem uma preciosidade nas mãos e faz de tudo para levá-la a público, descobrindo, sem querer, a conexão com uma rede criminosa.

A verdade pode ser mortal

O Clube das Mulheres contra o Crime precisa desvendar esses dois mistérios e tem ainda o desafio de se manter unido. Lindsay nota que seu parceiro, Richard Conklin, e Cindy estão cada vez mais próximos e o ciúme estremece a relação dos três, podendo comprometer as investigações. No fim, o Clube pagará um alto preço por se envolver nessas duas caçadas.

****

Isa e Ethan Bailey gostam de esbanjar dinheiro e aproveitar a vida. Por causa disso, sempre foram alvo de inveja e de fofocas em toda a cidade. O que ninguém imaginava era que eles seriam mortos em sua própria cama.

As autoridades pressionam a polícia para solucionar o caso e a médica-legista Claire Washburn entra em ação. Depois de fazer diversos exames e análises, ela chega a um resultado estarrecedor: nada indica a causa da morte do casal. Essa é a pior notícia que os agentes Lindsay Boxer e Richard Conklin poderiam receber.

Sem saber como avançar na resolução desse mistério, eles ainda investigam um caso para a amiga e repórter Cindy Thomas, que descobriu o corpo de um sem-teto. Sempre em busca de uma matéria, ela quer pegar o assassino, sem imaginar que existe uma conspiração por trás dessa história.

Quando mais mortes atingem a alta sociedade, o trio precisa se separar e correr contra o tempo para deter o serial killer. Só que Conklin e Cindy não conseguem disfarçar a atração que sentem um pelo outro e iniciam um relacionamento que abala sua amizade com Lindsay.

Com dois criminosos à solta, porém, eles têm que deixar as emoções conflituosas de lado e cuidar do seu trabalho. Para isso, contarão com a ajuda de Claire e da assistente de promotoria Yuki Castellano, sempre a postos para lutar pelo Clube das Mulheres contra o Crime.

 O AUTOR

James Patterson

James Patterson
Com 230 milhões de livros vendidos em mais de 100 países, James Patterson é um dos maiores escritores do mundo.

Leia mais



UM LANÇAMENTO


 

Autor

James Patterson

James Patterson
Com 230 milhões de livros vendidos em mais de 100 países, James Patterson é um dos maiores escritores do mundo.
Leia mais - See more at: http://www.editoraarqueiro.com.br/livros/ver/208#sthash.4CxkrcgY.dpuf


Autor

James Patterson

James Patterson
Com 230 milhões de livros vendidos em mais de 100 países, James Patterson é um dos maiores escritores do mundo.
Leia mais - See more at: http://www.editoraarqueiro.com.br/livros/ver/208#sthash.4CxkrcgY.dpuf







Autor

James Patterson

James Patterson
Com 230 milhões de livros vendidos em mais de 100 países, James Patterson é um dos maiores escritores do mundo.
Leia mais - See more at: http://www.editoraarqueiro.com.br/livros/ver/208#sthash.4CxkrcgY.dpuf

Programação especial comemora 6 anos do Centro Cultural Banco do Nordeste em Sousa, no alto sertão paraibano Entrada x



Para comemorar seis anos de atuação no apoio à cultura dos municípios do alto sertão paraibano, o Centro Cultural Banco do Nordeste em Sousa preparou programação especial, incluindo apresentações de dança, música, teatro e debate filosófico. Elas acontecem nesta sexta-feira e sábado, 14 e 15 de junho, e ainda no dia 25 de junho.



Pesquisadores da cultura popular afro-brasileira, o grupo de dança Imburana inicia a programação na sexta-feira, 14, a partir das 19h30, no Calçadão Mundinho Teodoro. Em novo espetáculo, o grupo vai mostrar ritmos e danças dos orixás brasileiros. Também serão apresentadas novas coreografias de cocos de trupé, dos bois e cavalos marinhos da Paraíba, dos maracatus de baque virado de Pernambuco, entre outras.



Ainda na sexta-feira, a partir das 19h, serão abertas duas exposições de artes visuais: Braz Marinho – Poética da Forma” e “Senhoras e Senhores” no salão principal e no corredor galeria do CCBNB, respectivamente. A primeira terá trabalhos em diversas categorias, como pintura, escultura, objeto, gravura, vídeo e assemblage. Eles foram recolhidos no acervo da família de Braz Marinho, natural de Sousa, em razão dos pontos comuns de síntese e sugestões sobre conexões em zonas de tensão, situações-limite e ritmo. A segunda, com obras de Aparecida Moura e Saullo Danilck, resgatará registros de algumas personalidades que influenciaram o desenvolvimento da cidade de Sousa.



A noite prossegue com mais uma edição do Programa Conversas Filosóficas, no teatro multifuncional do Centro Cultural, que terá como expositor o professor mestre em História da Filosofia e doutor em Teologia, Antônio Patativa Sales. Servindo-se do pensamento de Platão, Schopenhauer e Nietzsche, ele explicará como o Eros grego foi rebaixado pelo ágape cristão, e como o conceito moral do amor influenciou a formação cultural e comportamentos na contemporaneidade.



Sábado



No sábado, 15, às 20h, num palco montado frente ao CCBNB, apresenta-se a banda Rosa de Pedra, que une vertentes sonoras do tradicional com o contemporâneo-urbano. O show tem o nome do novo disco e traz jovens e experientes músicos que mesclam sons de violino, guitarra, baixo, bateria, percussão e vozes, com ousadia na poética e um visual plástico, em cenário e figurinos, e na expressão.



Um pouco mais tarde, às 21h30, também no mesmo palco, a cantora paraibana Cátia de França apresenta o show “No Bagaço da Cana, um Brasil Adormecido”, cujo repertório vai do coco ao blues, incluindo 12 canções inspiradas na literatura de José Lins do Rego, especificamente na obra “ciclo da cana de açúcar”.



A programação encerra-se com os espetáculos teatrais “O Planeta que era Azul” e “Errar é Umano”. A primeira peça, infantil, será encenada pelo grupo Teatro Oficina, em duas apresentações, às 15h e 17h, no teatro multifuncional. O enredo conta a aventura de três crianças que tentam devolver as cores ao planeta.



A segunda peça encerra a programação especial, no dia 25 de junho. Ela será encenada no Calçadão Mundinho Teodoro, às 19h30, pela Cia Sinequanon (RJ). Por meio de quadros cômicos e intervenções circenses, o elenco busca contar a história da humanidade.



CCBNB-Sousa



O CCBNB-Sousa foi inaugurado em 25 de junho de 2007. Desde então, mais de 1 milhão de pessoas já circularam no espaço, em cerca de 3.400 eventos. Atualmente, por meio do programa Arte Retirante, são realizadas atividades culturais em 15 municípios do Alto Sertão Paraibano.



O CCBNB-Sousa despertou maior atenção da mídia para os fazeres e saberes desenvolvidos na região, quebrando o monopólio de divulgação centralizada no eixo João Pessoa-Campina Grande. Graças à conscientização e envolvimento da comunidade civil e dos poderes públicos locais, a cultura tem sido inserida nas pautas de prioridades governamentais nos vários municípios que compõem a região do Alto Sertão Paraibano, principalmente na efervescência de discussões, implantação de legislações e infraestruturas necessárias ao fortalecimento da cadeia produtiva da área cultural.



Para cumprir a sua missão de formar plateias, o Centro Cultural Banco do Nordeste-Sousa disponibiliza e vem desenvolvendo programas direcionados para diversos segmentos da cultura. Estes programas são realizados obedecendo a uma proposta ampla de educação e formação, visando o desenvolvimento cultural da comunidade.



Com isso, o Banco do Nordeste define e concretiza a ampliação de sua ação cultural, seguindo seu planejamento de prover a região nordestina com equipamentos onde não só se promove a difusão da cultura, mas também onde a sociedade se reconhece enquanto possuidora de uma identidade regional inserida no contexto universal.

Barbara Eugênia lança clipe filmado em Goiás

Após lançar o seu segundo álbum, “É O que Temos”, Barbara Eugênia lança o primeiro clipe do novo trabalho, na web. O video “Porque Brigamos foi gravado em Resfriado, cidade do interior de Goiás, em 2013 .

O videoclipe conta com personagens locais e imagens gravadas no bar, no cemitério da cidade e no ônibus que circula as ruas de Resfriado, mostrando o lado bucólico do município.

A direção é de André Gagliardo, que fez o clipe “Drop the Bombs”, lançado em 2011.

Para assistir “Porque Brigamos”:  http://www.youtube.com/watch?v=Nr5xeHMIGDQ


 
Ficha Técnica:
 
Bárbara Eugênia - Porque Brigamos

Direção: André Gagliardo
Fotografia: Adriano Zaggo e André Gagliardo
Figurino: André Phergom com peças Ferrugem Vintage
Maquiagem e cabelo: André Gagliardo
Produção: Ana Célia e Rodrigo Zaggo
Elenco:
Laryssa Oliveira
Ana Luísa Zaggo

Mayara Santos 
Luciana Lima
Ana Célia
Lucas Kubistcheck
Heider Cirino
Sebastião Zaggo
Max Araújo
Heraldo Cardoso
Jacinto Cardoso

Sinvaldo de Sena
agradecimento especial á sub-prefeitura de Ipamerí- GO, sub-prefeito Júnior Monteiro, á Polícia Militar, Osmundo (bar), Francielle Cardoso (making off) e Rabih Aidar.

Museu da Fotografia oferece curso com câmara digital





Tem início nesta segunda-feira (17), no Museu da Fotografia Cidade de Curitiba, o curso de Fotografia com Câmera Digital Compacta, ministrado pelo fotógrafo Ruy Rebka Prado. Os interessados podem optar por turmas à tarde ou à noite. Até o dia 17 de setembro de 2013, o curso terá aulas às segundas, quartas e sextas-feiras, das 14h às 18h, ou às quintas e sextas-feiras, das 19h às 21h. O investimento é de R$ 100 e mais informações podem ser obtidas pelo telefone (41) 3321-3260.

Fotógrafo profissional desde 1971, Ruy Rebka Prado responde por vários trabalhos de criação e produção em fotografia, cinema e artes gráficas, sendo responsável por cursos nessas áreas. Dedica-se, ainda, à fotografia comercial, publicitária e portrait, além de projetos fotográficos autorais, paralelamente à direção de vídeos e audiovisuais institucionais, didáticos e comerciais para televisão.



Serviço:

Curso de Fotografia com Câmera Digital Compacta, ministrado pelo fotógrafo Ruy Rebka Prado.

Local: Museu da Fotografia Cidade de Curitiba (Solar do Barão – Rua Carlos Cavalcanti, 533 – Centro).

Data: de 17 de junho a 17 de setembro de 2013, com turmas à tarde e à noite. As aulas acontecem às segundas, quartas e sextas-feiras, das 14h às 18h, ou às quintas e sextas-feiras, das 19h às 21h.

Investimento: R$ 100
Informações: (41) 3321-3260

5/7 ESTREIA O FINO NO SAMBA O TEATRO ITÁLIA




Musical sobre o mais brasileiro de todos

os ritmos estreia no Teatro Itália, no dia 05 de julho.









Esdras de Lúcia  Heloisa Jorge e Guilherme Silva

No espetáculo O FINO NO SAMBA três cantores da noite convidam o público para um passeio pelo melhor do mais brasileiro dos ritmos. Esse é o mote que traz à cena: Rosa do Morro, João do Pandeiro e Zé da Quebrada, vividos pelos atores Heloísa Jorge (novela Gabriela), Guilherme Silva (microserie O Canto da Sereia) e Esdras de Lúcia (musical Ary Barroso), respectivamente.



Crooners de uma casa de shows, em uma noite de estreia o trio recebe a plateia para um novo espetáculo de samba. Só que as canções desse repertório vão ganhando um contorno especial durante o espetáculo, pois desnudam as relações pessoais, e histórias de vida das personagens.



O FINO NO SAMBA foi roteirizado pelo dramaturgo Elísio Lopes Jr. com direção geral assinada pelo baiano Kleber Borges Sobrinho e com arranjos do musicista Bruno Elisabetsky e preparação vocal de Daniel Maia. As músicas serão executadas ao vivo e um corpo de baile dará o contorno às cenas, mostrando toda a elegância do samba.



No roteiro musical contamos com letristas como: Paulinho da Viola, Paulo Cesar Pinheiro, Benito de Paula, Caetano Veloso, Agepê, entre outros, todos pertencentes a elite do samba brasileiro.



Com estreia marcada para 5 de julho, às 22h, no Teatro Itália, em São Paulo, O FINO NO SAMBA conta, ainda, direção de arte de Adriana Hitomi e coreografia de Anderson Rodrigo.

Serviço:

O FINO NO SAMBA

Autor: Elísio Lopes Jr
Diretor: Kleber Borges Sobrinho

Diretor musical: Bruno Elizsabetsky

Diretor vocal: Daniel Maia

Coreografia: Anderson Rodrigo



Atores: Esdras de Lúcia, Heloisa Jorge e Guilherme Silva

Bailarinos: Michelle Tobias,  Adeilton Ribeiro e  Rafael Leal

Banda/ Músicos: Violão: Bruno Elizsabetsky
Cavaquinho: Marcelo Kurchal
Percussão:  Franklin Santos e  André Kurchal

Temporada: de 05 de julho à 25 de agosto de 2013

sextas e sábados,  às 22h e domingos, às 20h



Classificação: 14 anos

Duração: ?

278 lugares



Ingressos populares: R$ 30,00 (inteira) e R$15,00 (meia)

Bilheteria das 15h às 21 horas (de 3ª a 5ª)

e das 15h às 22h (6ª e sábados) e das 15h às 20h (domingos)

Telefone: 11- 3255.1979

Vendas antecipadas via internet: compreingressos.com

11. 2122.2474

Cartões aceitos – Todos
Cheques: Não
Venda e reserva por telefone: Não
Meia entrada para aposentados, professores da rede

estadual e estudantes (mediante documento comprobatório)



Local: Teatro Itália

www.teatroitalia.com.br

Av. Ipiranga, 344 – Centro



Ar condicionado
Acesso e banheiro para deficientes físicos
Estacionamento – serviço de valet conveniado ao Edifício Itália



Ficha técnica
Autor: Elísio Lopes Jr
Diretor: Kleber Borges Sobrinho

Diretor musical: Bruno Elizsabetsky

Diretor vocal: Daniel Maia

Coreografia: Anderson Rodrigo



Atores:

Esdras de Lúcia

Heloisa Jorge

Guilherme Silva



Bailarinos:

Michelle Tobias
  Adeilton Ribeiro
Rafael Leal

Banda/ Músicos:

Violão: Bruno Elizsabetsky
Cavaquinho: Marcelo Kurchal
Percussão:  Franklin Santos
            André Kurchal

Direção de arte e figurinista: Adriana Hitomi

Iluminação: Dahriel Souza
Operação de Luz: Cleiton de Souza
Operação de Som: Sidnei Rodrigues
Arte gráfica: Alessandro Romio

Foto: Thiago Borba

Administração Financeira: Marta Tramonti

Produção Executiva: Marcelo Nascimento e Súlivam Sena

Coordenação de produção: Erlon Bispo e Cleiton de Souza

Realização Sazarte Produções Ltda



Sobre o elenco



Heloisa Jorge

Atriz angolana, radicada no Brasil há 16 anos, natural da Lunda Norte,

província do Dundo-Chitato, Heloisa Jorge é filha de pai brasileiro e mãe

angolana. O interesse pelo fazer teatral vem do desejo de futuramente

poder ajudar jovens angolanos por meio da arte, com esse intuito, a atriz

graduou-se em Artes Cênicas pela Universidade Federal da Bahia,

atuando no cenário teatral baiano desde 2003.

No período de Janeiro a Abril de 2013, fez a direção artística do projeto

de arte educação “Malta da Paz e da Alegria”, nesta ocasião, Heloisa

Jorge é convidada a contribuir para com a profissionalização do fazer

teatral em Angola. Ainda na terra natal, a atriz foi convidada pelo

conceituado dramaturgo angolano, José Mena Abrantes, a apresentar o

monólogo “Amêsa” no ano de 2009, realizando uma turnê de 9

apresentações na capital do país.

No Brasil, Heloisa Jorge, vem realizando trabalhos no cinema, teatro e

televisão, tais como o longa metragem “Capitães da Areia” dirigido por

Cecília Amado e a minissérie “Gabriela” de Walcyr Carrasco, produzida

pela Rede Globo de Televisão. No cenário teatral baiano a atriz foi

indicada ao prêmio Braskem de teatro na categoria de melhor atriz pelo

espetáculo teatral “O Dia 14”, dirigido por Ângelo Flávio, e em 2009 é

indicada ao mesmo prêmio, na categoria melhor atriz coadjuvante pelo

espetáculo “A Farsa da Boa Preguiça”, dirigido por Harildo Déda.


Guilherme Silva

Atuou na microssérie “O Canto da Sereia”,no papel de Jorge

de Ogum, pela Globo Produções em Janeiro de 2013.

• Espetáculo: “Sonho de Uma Noite de Verão”

Direção: Márcio Meirelles

Local: Teatro Vila Velha

Data: 28 e 29 de outubro de 2008

Grupo: Bando de Teatro Olodum

• Espetáculo: “Cabaré da Raça”

Direção: Márcio Meirelles

Local: Teatro Vila Velha

Data: 11 a 26 de Março de 2011

Grupo: Bando de Teatro Olodum

• Espetáculo: “Breve”

Direção: Thiago Romero

Local: Teatro Vila Velha

Data: 03 de Agosto a 27 de Outubro de 2011

Grupo: Teatro da Queda

Ganhador do prêmio de Melhor Ator Coadjuvante no FIT – Festival Ipitanga de Teatro em 2010,

com o espetáculo “Se

Acaso Você Chegasse”, sob direção de Antônio Marques.






Esdras de Lúcia

Ator, cantor, músico e compositor, formado em

gastronomia, trocou o calor das cozinhas, pelo

frio na barriga,dos palcos. Estudou canto na Casa

de Artes Operária com Frederico Silveira e Ana

Taglianetti, de 2005 a 2008.

Estreou profissionalmente em 2006 no musical

Rua 13 de maio s/n, sob direção de José Renato.

Em 2008 atuou nos musicais "AIDA'' de Elton

Jonh e Tim Rice, sob direção de Augusto Thomas

Vannucci e no documentario musical ''O Soar da

Liberdade'', produzido por Tiago Abravánel

e dirigido por Andréia Vitfer, em 2009 integrou o

elenco do espetáculo Les Rois Faignants,

com a Compagnie Transe Express, Arts de la

rue(França), sob direção de Gilles Rhode e Bighite Burdin.

Em 2010 deu voz ao macaco ''TATO''

personagem do seriado infantil ''Galera Animal'' da Rede

Globo, sob direção de Flávia Moraes,

e no mesmo ano ingressou no elenco de HAIR, de Charles

Möeller e Claudio Botelho no Rio de Janeiro e em São Paulo até abril de 2012.

Em 2013 atuou no musical Ary Barroso do principio ao fim,de Diogo Vilela.

O Brasil tem jeito, acreditem: o Brasil é brasileiro







“Quanto maiores são as dificuldades, maior é o sabor”.

(Dunga, ex- técnico da seleção brasileira)





Ao analisarmos o jogo da final da Copa das Confederações de 2009, fazemos dele uma referência para avaliar o comportamento dos jogadores em campo, de ambas as seleções. Apesar dos limites de uma análise feita por um torcedor e não por um técnico, esta poderá nos oferecer subsídios para a compreensão do momento histórico pelos quais passava e por que não passa o Brasil.



A expressão “Yes, we can” (sim, nós podemos), foi o mote da campanha que elegeu (e reelegiu) o presidente americano Barack Obama. Esta mesma expressão foi divulgada como inspiração da seleção americana para o jogo da final da Copa das Confederações, no domingo, dia 28 de junho de 2009. No Brasil, mesmo sem falar e assumir esta expressão máxima, o povo brasileiro tem demonstrado, ao longo dos últimos anos, que pode mais com suas habilidades, criatividade e ousadia.



Vamos então a retrospectiva do jogo. O primeiro tempo foi absolutamente dominado pela supremacia pragmática do futebol americano. Apesar das tentativas brasileiras jogando em direção à trave do adversário, os americanos é que souberam aproveitar ao máximo as duas únicas oportunidades do jogo, com dois gols. A seleção brasileira jogou apática. A seleção americana jogou soberana. No segundo tempo, as duas seleções mudaram radicalmente suas atitudes em campo. Por um lado, a seleção brasileira emergiu do marasmo e teve atitude altiva de quem almejava jogar para ganhar. A seleção americana, por sua vez, segurou-se para manter o resultado, mas cedeu ao empate e depois ao gol que consagrou o Brasil campeão.



Ora, a seleção brasileira, a exemplo de como age seu povo, jogou o segundo tempo com criatividade, persistência, ousadia e liderança, características próprias de uma nação emergente e com reconhecida capacidade política no cenário internacional. Tinha nos pés de seu maior líder e capitão Lúcio, a referência e a garra para as jogadas. Jogou com espírito de equipe, usando meio e laterais do campo como há tempo a seleção brasileira não ousava jogar. Dunga escalou uma equipe, mas contou novamente com o diferencial de jogadores como Kaká e Luis Fabiano.



A seleção americana, por sua vez, não sustentou o jogo com seu jargão. Não soube reagir diante das investidas dos brasileiros, rumo ao gol, no segundo tempo. Seu jogo pragmático e de resultados rendeu-se ao jogo da criatividade e persistência dos brasileiros. Os jogadores americanos foram incapazes de mudar seu comportamento em campo, dificuldade que também parece estar presente em sua nação, quando esta joga na economia e na política e precisa se recuperar.



Se Roberto Gomes escrevesse hoje seu livro “Crítica da Razão Tupiniquim”, ainda escreveria sobre a não existência de pensadores e filósofos que pensam o Brasil (parece que o Brasil ainda não é suficiente sério para ser pensado), mas já concordaria de que o Brasil construiu condições para a sua auto-afirmação: recuperou a credibilidade, joga como uma grande equipe e devolveu ao povo a esperança e a auto-estima. Ademais, amadureceu como nação e é uma prova que a democracia lhe faz muito bem.



Quando o Brasil joga com futebol, com esperança e com perseverança, ele pode muito mais. Pode, inclusive, virar o jogo da vergonha. É o jogo de uns poucos brasileiros que jogam com a corrupção e com escândalos que envolvem dinheiro público. O Brasil tem jeito, acreditem... O Brasil é brasileiro!

Nei Alberto Pies, professor e ativista em direitos humanos

Atribuição e Autoria é tema de visita na Fundação Ema Klabin



Escola Holandesa, seguidor de Pieter Bruegel – Torre de Babel – Holanda, séc XVI

 A Fundação Ema Klabin propõe uma visita temática ao seu acervo, onde os visitantes serão convidados a descobrir, por meio de algumas peças da coleção, questões de autoria e atribuição em arte.

A Fundação Ema Klabin conta com mais de 1500 obras de grandes mestres da arte mundial, entre pinturas do russo Marc Chagall e do holandês Frans Post, dos modernistas brasileiros Tarsila do Amaral, Di Cavalcanti, Portinari e Lasar Segal; talhas do mineiro Mestre Valentim, mobiliário de época, peças arqueológicas e decorativas.

A visita monitorada é gratuita, dura em torno de quarenta minutos e não é necessário agendamento prévio.

Serviço:
Visita Temática – Atribuição e Autoria
Data: 15/06, sábado, 15h
Entrada gratuita, sem agendamento prévio
Local: Fundação Ema Klabin
Endereço: Rua Portugal, 43, Jardim Europa – São Paulo.
Mais informações: 011 3062-5245 ou pelo site www.emaklabin.org.br

IMAGEM DOS POVOS 2013 EXIBE HERANÇA DA DIÁSPORA AFRICANA


IMAGEM DOS POVOS 2013 EXIBE HERANÇA DA DIÁSPORA AFRICANA

E DEBATE COOPERAÇÃO INTERNACIONAL NO AUDIOVISUAL EM BH



Uma das atrações culturais paralelas à Copa das Confederações, oitava edição da mostra internacional de cinema

terá 50 filmes e homenagem ao ator e cineasta Zózimo Bulbul, entre 15 e 30 de junho

 

Belo Horizonte ganha na segunda quinzena de junho uma chance preciosa de enxergar os efeitos da diáspora africana sobre a cultura global. Em sua oitava edição, a mostra internacional de cinema Imagem dos Povos volta o foco para a produção audiovisual contemporânea de matriz afrodescendente, com a exibição de 50 filmes de diferentes formatos, linguagens e origens.

Com apoio da Belotur, o Imagem dos Povos 2013 integra as ações da programação cultural paralela à Copa das Confederações. Este ano, o evento será realizado em dois espaços da capital mineira, de 15 a 30 de junho: o Cine Humberto Mauro, no Palácio das Artes, e no Memorial Minas Gerais Vale, no Circuito Cultural Praça da Liberdade.

Ícone do cinema brasileiro nos anos 60, o ator e cineasta Zózimo Bulbul, morto em janeiro, receberá homenagem especial na noite de abertura. À frente de papéis de destaque em clássicos como “Cinco Vezes Favela” (1962), “Ganga Zumba” (1963) e “Terra em Transe” (1967), Bulbul foi o primeiro ator negro a protagonizar uma novela (“Vidas em Conflito”, na TV Excelsior) no Brasil.

Com presença da viúva do homenageado, Biza Viana, e do presidente da Fundação Palmares, Hilton Cobra, a cerimônia prevê a exibição do curta-metragem “Alma no Olho” (1973), dirigido por BulBul (com trilha original assinada por John Coltrane), e a apresentação de uma coreografia de Rui Moreira criada para a ocasião.

A noite reserva também a estreia do longa “FAN do Brasil”, de Steve e Stèphanie James, coprodução entre Guadalupe e Brasil, a partir de uma parceria entre Shaktis Produtions e T'AI Criação e Produção (realizadora do Imagem dos Povos), com apoio da Fundação Municipal de Cultura de Belo Horizonte.

A partir de um diálogo com o dançarino e coreógrafo Rui Moreira, diretor-artístico do Festival de Arte Negra (o FAN), o documentário discute a adoção de ações afirmativas voltadas para a população negra e celebra a contribuição afrodescendente ao desenvolvimento cultural e econômico do país, em um processo permanente de busca de identidade, similar ao vivido no contexto caribenho.

Esta edição marca o lançamento em Minas Gerais de “Raça”, novo filme de Joel Zito Araújo, co-dirigido por Megan Mylan. Entre as atrações internacionais, merece destaque a primeira retrospectiva brasileira do cineasta e ativista político haitiano Raoul Peck, ministro da cultura em seu país na década de 1990, com uma seleção de filmes (em 35mm) assinada pela Cinemateca Francesa.

Nestes oito anos de existência, Imagem dos Povos se afirma como um expressivo polo de articulação na cadeia produtiva audiovisual brasileira, com debates em torno dos mecanismos de financiamento e do cenário da cooperação internacional no setor.

A mostra reforça este ano seu empenho em posicionar o cinema nacional como uma janela privilegiada de promoção da riqueza natural e da diversidade cultural do país. Para isso, lança mão da plataforma digital Brasil Imagem dos Povos, um banco de conteúdos com informações sobre destinos turísticos associado a um canal de exibição de filmes brasileiros, que permitirá acompanhar a mostra de qualquer lugar do planeta. O Brasil Imagem dos Povos conta com a chancela do GECOPA, o grupo executivo responsável pela organização da Copa do Mundo de 2014.

A experiência foi iniciada no ano passado e obteve excelente acolhida. Em sua fase piloto, o acesso por streaming foi limitado a mil visualizações completas para cada um dos vinte filmes disponibilizados –com destaque para a produção belo-horizontina. Todos os filmes atingiram o limite de exibições previsto, com espectadores em 193 cidades de 29 países, nos cinco continentes.

Histórico

Criada em 2004 em Ouro Preto, a mostra internacional Imagem dos Povos já exibiu mais de 700 filmes, realizou sete seminários e workshops sobre temas estratégicos para o setor e oito exposições com conteúdos artísticos e educativos das regiões enfocadas a cada edição, além de ter promovido o intercâmbio entre realizadores de Belo Horizonte e convidados de 53 países.

Em 2008, a mostra ganhou um braço em Belo Horizonte. Foco principal da edição passada, a produção belo-horizontina ganha relevo novamente, com uma seleção de filmes que tem a cidade como cenário ou tema.

O formato da mostra enlaça, a cada ano, a cinematografia de um estado brasileiro e um país diferentes. Desta vez, o recorte territorial foi expandido para o tema da diáspora, catalisadora de uma visão de mundo que vai além de fronteiras rígidas, geográfica e esteticamente.

Em seu percurso, Imagem dos Povos já voltou-se à cinematografia dos estados do Rio Grande do Sul, Recife, Amazonas e Minas Gerais e de países como Nova Zelândia, China, Japão e Índia.

O objetivo é diagnosticar o estágio de produção de determinada região, tomar contato com soluções inovadoras de cada localidade e identificar oportunidades de intercâmbio com o Brasil.

Para aprofundar os temas, os seminários sobre as relações de produção audiovisual são desdobrados em workshops, que se debruçam sobre ferramentas de coprodução, acesso a fundos de financiamento, o impacto da nova ordem digital sobre a relação entre cinema e televisão ou os desafios e oportunidades do universo transmídia, tanto do ponto de vista da linguagem como dos negócios.



SERVIÇO

O quê?: Imagem dos Povos – Mostra Internacional de Cinema. Exibição de 50 filmes, com sessões comentadas, debates e workshops.

Quando?: 15 a 30 de junho

Onde?: 15 a 30 de junho

             Cine Humberto Mauro (Av. Afonso Pena, 1.537 - Centro)             

             25 a 27 de junho

             Memorial Minas Gerais - Vale (Pça. da Liberdade, s/nº, esquina com R. Gonçalves Dias - Savassi)

Quanto?: Programação gratuita [observação: a abertura, no sábado-15.jun, é restrita a convidados]



PARA SABER MAIS

www.imagemdospovos.com.br

www.facebook.com/imagemdospovos 

quinta-feira, 13 de junho de 2013

Do povo para o povo de Roger Osborne


Do povo para o povo

de    Roger Osborne

Título Original:     Of the People, by the People: A New History of Democracy
Tradutor:     Ludmila Hasimoto

Páginas:     476
Formato:     16 x 23 cm

  

A democracia é o motor da prosperidade ou um luxo que só os prósperos podem ter?

Do povo para o povo, de Roger Osborne, apresenta sob um novo olhar a história da democracia. Para isso, prova que os sistemas são sempre um reflexo da cultura e da história locais em que nascem e surgem por meio de oportunidades passageiras. Explica como o passado e as diferentes democracias se combinam para formar o presente. A narrativa começa na Grécia Antiga e estende-se até a Primavera Árabe.

A maioria dos livros sobre o assunto se concentra na teoria e na análise políticas, numa vã tentativa de definir esse tipo de governo. Do povo para o povo usa uma abordagem diversa, levando em conta as histórias das diferentes democracias dos últimos dois mil e quinhentos anos. De Atenas à Grécia, de Jamestown a Nova Délhi, de Putney a Pretória.

Um dos grandes êxitos do autor foi escolher apenas estudar e narrar a ascensão e a queda da democracia ao longo dos tempos, em vez de se aprofundar sobre alguma teoria particular acerca do surgimento de tal sistema político. Osborne fornece um contexto social, cultural e histórico que ilustra a consolidação da democracia ao longo dos séculos.

Do povo para o povo é um estudo amplo e preciso do tema, abordando épocas e episódios muito avaliados pela maioria das pessoas, como a Revolução Francesa e a democratização da Índia, além de outros menos conhecidos, como a criação das Três Ligas, na Suíça.

A CRITICA

“Roger Osborne desafia as suposições que fundamentam a sociedade ocidental.” (Observer)

“Um trabalho admirável: recontar a história da democracia de forma tão vívida não é tarefa fácil. Seu trabalho serve como um lembrete: o preço da liberdade democrática é a eterna vigilância.” (BBC History Magazine)

“Uma escrita lúcida, uma prosa precisa que passa com leveza as informações mais complexas.” (Independent on Sunday)


O AUTOR
Roger Osborne nasceu em Scarborough, na costa norte da Inglaterra. Com seus livros, tem inovado a forma de ver o passado e o modo como ele afeta o presente. Do povo para o povo é sua estreia no Brasil.





Lançamento





 


Churchill e três americanos em Londres de Lynne Olson

Churchill e três americanos em Londres

de Lynne Olson


Tradutor: Joubert de Oliveira Brízida
Páginas: 520
Formato: 16 cm x 23 cm

Você sempre pode contar com os americanos para fazer a coisa certa – depois que eles tentaram todo o resto.

 


disse Winston Churchill


Winston Leonard Spencer Churchill (nascido a 30 de Novembro de 1874 em Blenheim, Woodstock, Oxfordshire, Inglaterra - falecido a 24 de Janeiro de 1965, em Londres, Inglaterra ) foi um estadista britânico, famoso principalmente por ser o primeiro-ministro do Reino Unido durante a Segunda Guerra Mundial.

 

 


Tempos sombrios aqueles no início da década de 1940, quando a Alemanha de Hitler parecia invencível, a França tinha caído, a Inglaterra estava encurralada e os Estados Unidos ainda não tinham entrado na Segunda Guerra. Churchill e três americanos em Londres é o retrato desse momento histórico no qual civis americanos deram início à costura da complexa e decisiva aliança entre o primeiro-ministro inglês Winston Churchill e o presidente americano Franklin D. Roosevelt, até então desconfiados um do outro.

Escrito pela experiente jornalista Lynne Olson — que trabalhou durante sete anos na Associated Press, incluindo um tempo como correspondente em Moscou, e depois no Baltimore Sun como repórter de política em Washington —, o livro refaz a trajetória desses americanos e suas relações com Churchill. Mas quem eram eles e qual foi o papel de cada um?

Os mais conhecidos foram o influente jornalista Edward R. Murrow, chefe da CBS News na Europa, e W. AverellHarriman, presidente da Union Pacific Railway e administrador de um programa de ajuda ao Reino Unido. O menos conhecido, até pelos americanos, era John Gilbert Winant, o idealista embaixador dos Estados Unidos (seu antecessor fora Joseph P. Kennedy, pai do presidente John Kennedy, que fugia de Londres durante os ataques aéreos e afirmou a Roosevelt que o país sucumbiria ao poderio de Hitler). Enquanto Harriman e Winant iam e vinham com recados e ponderações entre os líderes, Murrow usava as transmissões radiofônicas da CBS para defender uma aliança multinacional contra o nazismo.

Pesquisadora incansável, Olson estabelece ainda que a política e a diplomacia entre esses homens também se misturavam com questões muito pessoais. Murrow e Harriman, por exemplo, tiveram um caso, em tempos diferentes, com Pamela Churchill, nora do primeiro-ministro, enquanto Winant se envolveu com Sarah Churchill, a filha preferida dele. E quando os Estados Unidos foram atacados pelos japoneses em Pearl Harbor, em 7 de dezembro de 1941, e o país definitivamente entrou em guerra, Winant e Harriman jantavam com Churchill, e Murrow estava na Casa Branca com Roosevelt... O resto é história.


UM LANÇAMENTO

 


Mary Del Priore lança livro em Curitiba


A escritora e historiadora Mary del Priore estará em Curitiba na próxima terça-feira, dia 18, para debate e lançamento do livro “Castelo de Papel” (Rocco), que narra a biografia cruzada da Princesa Isabel e seu marido, o Conde D’ Eu. O encontro, que tem entrada franca, acontece às 19h30, no Teatro Regina Vogue, sendo realizado dentro do projeto Sempre Um Papo, que conta com o patrocínio da Volvo.

“Castelo de Papel”

Ele, um nobre europeu, neto do último Rei da França. Ela, obediente filha e herdeira do Império do Brasil. Em comum, a formação rígida e a devoção religiosa. A união por interesses familiares não impediu, no entanto, que fossem apaixonados por toda a vida, representando o retrato acabado do romance do século XIX.

Através da história dos dois, o livro revela a tensa atmosfera de um mundo em transição. Na Europa, monarquias estavam em crise e a industrialização criava um proletariado cada vez mais ativo. A nobreza defendia seus direitos em arranjos familiares e alianças dinásticas. Enquanto no Brasil, o Império parecia imune aos novos ventos.

Junto com seu tempo, o casal também muda. Das rusgas com o sogro, à atuação controversa na Guerra do Paraguai, o jovem príncipe descobre aos poucos que, embora a monarquia resista no novo mundo, ela parece mais identificada com o novo sistema burguês do que o Antigo Regime. A princesa, obediente e reclusa, acaba por assinar a Lei Áurea, que a tornaria inesquecível na História do Brasil.

Baseado em uma vasta documentação, o livro reconstrói o mundo que dava sentido ao romance dos dois personagens, conduzindo o leitor a um dos períodos mais interessantes de nossa história. Um tempo onde reis perdiam suas coroas, barões eram aposentados de sua grandeza, mas que, como mostra o romance, príncipes e princesas ainda casavam e eram felizes para sempre.

Mary Del Priore é especializada em História do Brasil, reconhecida por transformar fatos históricos em crônicas. Com mais de 20 livros publicados, Mary recebeu diversos prêmios, entre eles o Jabuti por “História da Vida Privada” e “História das Mulheres no Brasil”. Publicou também “Uma Breve História do Brasil”, em conjunto com Renato Venancio, e o mais recente, “A Carne e o Sangue – A imperatriz D. Leopoldina, D. Pedro I e Domitila, a Marquesa de Santos”. Lecionou em diversas universidades do país e continua dando aulas. Atualmente, mora em uma chácara, na região serrana do Rio.

Sempre Um Papo

Há 27 anos, o "Sempre Um Papo – Literatura em Todos os Sentidos” promove a difusão do livro e seu autor. Já atuou em mais de 30 cidades brasileiras, tendo realizado mais de 4.500 eventos com um público presente estimado em 1,5 milhão de pessoas. O encontro presencial converge para a televisão, sendo exibido, todo sábado e domingo, há 10 anos, na TV Câmara. Desdobra-se para a série de DVDs educativos “Cultura Para a Educação”, em sua quinta edição, distribuída para mais de 6.000 escolas brasileiras. E no site www.sempreumpapo.com.br, estão disponíveis mais de 400 programas com escritores brasileiros e internacionais, gratuitamente, além de diversos seminários, na íntegra.


Serviço:

Sempre um Papo com Mary Del Priore

Dia: 18 de junho de 2013, terça-feira, às 19h30

Local: Teatro Regina Vogue - Avenida 7 de setembro, 2775, Shopping Estação

Entrada Franca

Informações: (41) 2101.8292 – www.sempreumpapo.com.br

Cortella e Terezinha Rios: "Vivemos mais! Vivemos bem?", em Campinas.



Gang do Eletro lança clipe de “Só no Charminho”



    
Forte representante do eletromelody e com um estilo que agrega vários ritmos, como a cumbia, o carimbó e o tecno, a Gang do Eletro lançou seu primeiro álbum, homônimo, esse ano, pela Deck. O quarteto paraense, que está rodando o país com o novo show, lança hoje o clipe do novo single, “Só no Charminho” http://www.youtube.com/watch?v=0jxGPhxDPTk, dirigido por Raul Machado.


O vídeo, gravado em São Paulo, capta todo o suingue, ritmo e movimento da Gang. O grupo, formado por Waldo Squash nas bases e os vocais de Keila Gentil, William Love e Maderito, aparece em imagens fluorescentes dançando e cantando. O figurino neon feito pela estilista Sandra Machado, pensado especialmente para a performance do quarteto, destaca-se e dá um toque especial ao clipe.


Amanhã, sexta-feira (14/06), o grupo se apresenta pela primeira vez no Rio de Janeiro, fazendo o show de lançamento do álbum “Gang do Eletro” no Studio RJ (www.studiorj.org.br).

Perspectiva: projeção e representação é Tema de Encontro na Fundação Ema Klabin

     


Público realiza visita monitorada, participa de dinâmica e discute arte 
   
     

   
     
Todos os meses, a Fundação Ema Klabin promove “Encontros com o Público” que aborda temas diferenciados sobre arte, sempre com uma visita monitorada gratuita ao espaço, onde o público pode apreciar o acervo de 1500 obras de grandes mestres da arte mundial.

Na próxima edição de “Encontros com o Público”, no dia 14 de junho, das 14h30 às 17h30, o visitante será convidado a refletir questões relacionadas às diferentes noções de representação da arte ao longo da história e de diversas culturas.
“O evento é voltado ao público que já conhece o acervo da casa- museu e quer refletir sobre as inúmeras temáticas que a arte nos proporciona e também aberto àqueles que ainda não visitaram o acervo, mas são apaixonado por arte”, explica o curador da Casa-Museu, Paulo Costa.
Durante a visita, após um descontraído café, o público poderá participar de uma dinâmica para discutir e melhor entender o tema.



O espaço:
Oficialmente registrada em 1978, a Fundação Cultural Ema Gordon Klabin é uma instituição sem fins lucrativos, declarada de utilidade pública federal, que tem por objetivos a promoção e divulgação de atividades de caráter cultural, artístico e científico, além da transformação da residência de Ema Gordon Klabin em museu aberto à visitação pública desde março de 2007.

A casa abriga um valioso acervo de 1545 obras, entre pinturas do russo Marc Chagall e do holandês Frans Post, dos modernistas brasileiros Tarsila do Amaral, Di Cavalcanti, Portinari e Lasar Segall;  talhas do mineiro Mestre Valentim, mobiliário de época, peças arqueológicas e decorativas.



Serviço:  Encontros com o público

Tema:  Perspectiva: projeção e representação

Data: 14 de junho, sexta feira das 14h30 às 17h30
Entrada gratuita
, com agendamento prévio via e-mail: educativo@emaklabin.org.br ou pelo telefone: (55 11) 3062 5245
Local:
Fundação Ema Klabin
Endereço
: Rua Portugal, 43, Jardim Europa - São Paulo. Mais informações: 011 3062-5245 ou pelo site www.emaklabin.org.br

Filme conta a história do primeiro travesti eleito para um cargo político no Brasil




                 

Estreia nesta sexta-feira (14), em Curitiba, o filme Kátia, um documentário da cineasta Karla Holanda sobre a vida de Kátia Tapety, o primeiro travesti eleito para um cargo político no Brasil. O filme terá a sua sessão de lançamento às 14h30, na Cinemateca, e depois entra em cartaz nas sessões das 18h e 20h, no Cine Guarani (Portão Cultural).

Nascida em Colônia do Piauí (PI), com o nome de José Nogueira Tapety Sobrinho, Kátia ingressou na política em 1992, quando foi eleita vereadora. Exerceu três mandatos legislativos até tornar-se vice-prefeita do município, de 2004 a 2008. Depois, candidatou-se novamente para vereadora, mas não foi eleita. Filha de uma família de políticos, Kátia viveu até os 16 anos praticamente reclusa, escondida em casa pelos pais, sem acesso à educação formal.                                      

A cineasta Karla Holanda começou a produzir o filme em 2008, no final da carreira política de Kátia Tapety. Karla, que também é piauiense, diz que o que lhe chamou atenção num primeiro momento foi o sobrenome de Kátia, que vinha de uma das famílias mais tradicionais daquele estado. “O que mais me impactou foi o fato de uma forte história de ruptura com os modelos convencionais, que a trajetória de Kátia representa, vir justamente de um dos estados mais pobres do país e, precisamente, de uma pequena cidade cravada no sertão, geralmente associado à terra de ‘cabras machos’, como se ali os preconceitos, naturalmente, aflorassem mais e maiores”, conta a diretora.

O filme ficou pronto em março de 2012 e estreou nacionalmente no Festival de Brasília. Foi exibido na Mostra Internacional de Cinema São Paulo, Mix Brasil e For Rainbow Festival, onde recebeu tripla premiação: Melhor Filme, Melhor Fotografia e Melhor Edição. Karla Holanda é diretora desde 1992, quando iniciou uma série de documentários sobre escritores brasileiros, no Rio de Janeiro. Depois disso, morando em Fortaleza, recebeu prêmios de fomento do governo do Ceará e da Petrobras, com os quais realizou os curtas Vestígio e Riso das Flores. O filme Kátia é o seu primeiro longa-metragem. Professora de cinema na Universidade Federal de Juiz de Fora, é doutora em Comunicação pela UFF (Universidade Federal Fluminense) e mestre em Multimeios pela Unicamp.



Serviço:

Estreia do filme Kátia, de Karla Holanda

Local: Cinemateca de Curitiba (Rua Carlos Cavalcanti, 1.174)

Data: 14 de junho de 2013 (sexta-feira), às 14h30

Classificação: livre

Ingressos: R$ 5 (inteira) R$ 2,50 (meia)

Exibição: de 14 a 20 de junho (terça a domingo), nas sessões das 18h e 20h, no Cine Guarani (Portão Cultural – Av. República Argentina, 3.430 – Portão)

Classificação: livre

Ingressos: R$ 5 (inteira) R$ 2,50 (meia) e R$ 1(aos domingos)

Domingo Onze e Meia mostra a nova geração do choro curitibano





O grupo Os Curitibocas no Choro é a atração da próxima edição do programa Domingo Onze e Meia, desenvolvido pela Fundação Cultural de Curitiba. O espetáculo, que acontece às 11h30 deste domingo (16), na Praça Jacob do Bandolim do Conservatório de MPB de Curitiba, leva ao palco músicos que são autênticos representantes da nova geração de chorões curitibanos. A entrada é franca.

Formado pelos instrumentistas Daniel Miranda (clarinete e sax), Lucas Melo (violão 7 cordas), Lucas Miranda (cavaquinho) e Ricardo Salmazo (pandeiro), o conjunto tem se apresentado nos principais espaços culturais da cidade, ao lado de nomes de destaque no cenário artístico paranaense e nacional.

A proposta principal do grupo é divulgar o choro e o que de melhor tem sido feito nesse gênero musical, em Curitiba e no Paraná. Os músicos traçam um panorama do choro por meio de um repertório que reúne compositores tradicionais, como Walter Scheibel, e contemporâneos, entre eles Claudio Menandro.



Serviço:

Programa Domingo Onze e Meia, com o show do grupo Os Curitibocas no Choro.

Data e horário: dia 16 de junho de 2013 (domingo), às 11h30.

Local: Praça Jacob do Bandolim do Conservatório de MPB de Curitiba (Rua Mateus Leme, 66 – Setor Histórico).

Entrada franca.

Informações: (41) 3321-2855

CJ Ramone convida fãs para shows no Brasil




CJ Ramone, ex-baixista do lendário Ramones, enviou mensagem aos fãs para prestigiarem suas apresentações pelo Brasil. Músico vem novamente ao país promover o álbum "Reconquista".


CJ Ramone SP crédito Ronaldo Chavenco
Baixista durante show no tradicional Hangar 110, em SP, no ano passado - crédito: Ronaldo Chavenco

Depois de grande sucesso pelos quatro cantos do Mundo, CJ Ramone, lendário ex-baixista dos Ramones, está de volta ao Brasil. Com a produção da CP Management, o músico agendou uma extensa turnê pelo país. A excursão tem 11 shows confirmados e acontece de 26 de junho a 7 de julho.

Mesmo com agenda lotada, o artista fez questão de gravar mensagem convocando o público a prestigiar suas tão aguardadas performances e declarou que está extremamente ansioso para reencontrar os fãs brasileiros. Confira o video em http://www.youtube.com/watch?v=PDLZqT7lVUY&feature=youtu.be.

Considerado um dos artistas mais carismáticos da música mundial, CJ Ramone, há menos de um ano, emocionou os fãs brasileiros, apresentando diversas composições clássicas dos Ramones, além das excelentes composições de seu álbum solo "Reconquista".

Os ingressos para o show em São Paulo já estão à venda na Galeria Presidente (London Calling), Galeria do Rock (Consulado do Rock e loja 255), em Santo André (Metal CDs e Ratus Skateshop) e pelo site da Ticket Brasil, no valor de R$ 70,00 (1° lote – promocional/estudante) e R$ 90,00 (2° lote – promocional estudante).

A nova passagem de CJ Ramone pelo Brasil é a seguinte:
26 de Junho: John Bull Lagoa - Florianópolis/SC
27 de Junho: John Bull - Curitiba/PR
28 de Junho: Goiânia Arena - Tattoo Rock Festival - Goiânia/GO
29 de Junho: Tendencies Music Bar - Palmas/TO
30 de Junho: America Rock Club - Taguatinga/DF
02 de Julho: Fênix Coffee Pub - Santos/SP
03 de Julho: Nite Club - Maringá/PR
04 de Julho: Clube de Regatas Bandeirantes - Bragança Paulista/SP
05 de Julho: Hangar 110 - São Paulo/SP - Guest Band: Garotos
06 de Julho: Barraca Biruta - Fortaleza/CE
07 de Julho: Espaço Garage Park - Betim Rock Festival - Betim/MG

Christopher Joseph Ward foi escolhido para substituir Dee Dee, o lendário baixista dos Ramones, em 1989, e ficou até o fim da banda em 1996. Com o grupo, e já usando nome de CJ Ramone, lançou os álbuns Loco Live (1991), Mondo Bizarro (1992), Acid Eaters (1994) e Adios Amigos (1995). Depois disso, o artista montou outros projetos como o Los Gusanos e Bad Chopper, e esteve outras oportunidades no Brasil para shows solo.


Serviço São Paulo
CP Management orgulhosamente reapresenta CJ Ramone
Data: 5 de julho de 2013 – sexta-feira
Local: Hangar 110
End: R. Rodolfo Miranda, 110 – Metrô Armênia
Horário: 19h
Banda de abertura: Garotos
Ingressos: R$ 70,00 (1° lote – promocional/estudante) e R$ 90,00 (2° lote – promocional estudante)
Pontos de venda:
Galeria Presidente: London Calling - R.24 de Maio, 116 - (11) 3223.5300
Galeria do Rock: Consulado do Rock (11) 3221.7933 | Loja 255 (11) 3361.6951
Santo André: Metal CDs - R. Dona Flaquer, 184 - (11) 4994.7565 | Ratus Skateshop - R. Dona Flaquer, 286 – (11) 4990.5163
Venda online: Ticket Brasil (http://www.ticketbrasil.com.br)
Infos: (11) 3229.7442

FESTIVAL DE MÚSICA INFANTIL PEIXE BOI

***
FESTIVAL DE MÚSICA INFANTIL PEIXE BOI
O Festival de Música Infantil Peixe Boi reúne em Junho de 2013, durante 6 dias na Praça “Victor Civita” em São Paulo, apresentações de 15 artistas representativos da música para crianças.
Dias 14, 15 e 16 / 21, 22 e 23 de junho de 2013, às 15h.
Todos os shows serão realizados gratuitamente.
Uma mostra inédita de música que irá reunir atrações musicais de nichos e estilos variados da música popular brasileira para crianças, como cantigas de roda, contadores de histórias, teatro de bonecos, dança, mamulengos, literatura popular, folclore e outras manifestações artísticas ligadas à criança e ao adolescente.
Apresentam-se artistas que estão se revelando no cenário nacional com trabalhos de extrema qualidade e que mostram diferentes propostas musicais, oriundos das mais diversas regiões e que vem resgatando, preservando e difundindo a cultura popular para crianças.
14/06 – sexta-feira
- Wagner Freire e Cia. Lira dos Anjos – “O Ganso de Ouro”.
- Paulo Bira convida Trupe Pé de Histórias– “Brasileirinhos”
15/06 – sábado
- Aline Cântia e Chicó do Céu – Contadores de Histórias
- Cia. Cabelo de Maria convida Lis Smith – “São João do Carneirinho”
16/06 – domingo
- Girasonhos convida Giba Pedroza e Valdeck de Garanhuns - “Roda de Histórias”
21/06 – sexta-feira
- Inimar dos Reis convida grupo Beija Fulô – “Criança da Terra”
22/06 – sábado
- Tempo de Brincar – “Tranças do Tempo”
- Giba Pedroza - “Canciones, Cuentos e Versitos Para Chiquititos”
23/06 – domingo
- Barbatuques – “Tum Pá”
Ficha técnica
Realização: Pôr do Som Produções Culturais
Coordenação Geral: Patrick Karassawa
Direção de Produção: Laura Lopes
Direção artística: Sérgio Mendonça
Comunicação e Marketing: Patrick Karassawa
Projeto Visual, Cenário e Ilustrações: Letícia Rita
Assessoria Administrativa: Janaina L. Santos
Produção: José Marcos P. Bueno
Apoio Praça Victor Civita
Projeto realizado com apoio do Governo de São Paulo, Secretaria de Estado da Cultura, Programa de Ação Cultural 2012.
Local: Praça Victor Civita
Rua Sumidouro, 580 – Pinheiros - (11) 3372-2303
O local tem capacidade para 400 pessoas e condições de acessibilidade para portadores de deficiência ou mobilidade reduzida.
http://pracavictorcivita.org.br/
Livre para todos os públicos

19/6 ABRE EXPO DE MARCIA KIKUCHI NA MONICA FILGUEIRAS


Mônica Filgueiras Galeria convida para a abertura da exposição

Registros  de Marcia Kikuchi

dia 19 de junho, às 19h





 


A Mônica Filgueiras Galeria convida para a abertura da exposição Registros, de  Marcia Kikuchi, no dia 19 de junho, às 19h.



Tendo o papel como suporte, em Registros a artista mescla aquarela, xilogravura, recorte, colagem, sumiê e outras técnicas, na busca por um resultado “simétrico”, pontuado por inúmeros detalhes. “Me interessa o desafio de manusear um suporte delicado e sensível, mais ainda quando interage com os outros elementos que compõem o meu trabalho”, fala Marcia sobre seu processo atual de pesquisa e criação.





Aquarela azul – 89 x 141 – s/título – técnica mista



A artista faz uso também de registros fotográficos pessoais relacionando e integrando a sua arte ao lúdico, ao apelo à concentração na observação de uma obra de forma inteiramente espontânea, quase que inconsciente, pelo simples desafio de descobrir a cada novo olhar uma forma nova, um conteúdo diferente, uma experiência diversa.



Na ausência de títulos das obras se justifica a intenção da interpretação pessoal de cada um, porém tendo como ponto de partida a experiência da artista já registrada no papel.



Marcia Kikuchi trabalhou por vários anos com acrílica sobre telas de composição inicialmente figurativa seguida por abstrata, fase que se tornou uma ponte de transição espontânea e evolutiva para seus trabalhos atuais. “Quero o diálogo direto e franco através das cores sinceras que pretendem diretamente a alma e o coração, mais que a razão e o cérebro”.






Serviço

Exposição Registros  de Marcia Kikuchi

Abertura: dia 19 de junho, às 19h.

Exposição: de 19 de junho até 13 de julho

Local: Mônica Filgueiras Galeria
Rua Bela Cintra, 1533 Tel (11) 3082-5292

Horário: 2a a 6ª feira, das 10h às 19h
Sábado, das 10h às 14h30



Biografia


1967 Nasce em São Paulo, Capital. Vive e trabalha em São Paulo, Capital



FORMAÇÃO SUPERIOR

1987 Fundação Escola de Belas Artes de São Paulo - Faculdade de Artes Plásticas, São Paulo



CURSOS DE APERFEIÇOAMENTO

1986            Artes Gráficas - Prof. Mário Mele, São Paulo

1988            História da Arte - Prof. Antonio Santoro, São Paulo

1989 Cerâmica e Modelagem - Prof. Luiz Paulo Pitta Ornaghi,

São Paulo

1990 Joalheria - Profª Vera Mokarzel e Profª Vera Ribeiro, São Paulo

1992 Curso de Harmonia e Piano - Concertista Angelina Loschiavo Pensado, São Paulo

2001 Desenho de Observação, Percepção e Memória - Prof. Dalton de Luca, São Paulo

2003 História da Arte - Prof. Marcos Moraes, MAM / São Paulo

Aquarela - Prof. Tuneu, MAM / São Paulo

2005 Aquarela - Prof. Tuneu, MAM / São Paulo

2007 Xilogravura/Gravura Japonesa – Flavia Yue, Museu Lasar

Segall / São Paulo

2009 Sumiê – Sueli Shiba, São Paulo

2010 Aquarela - Prof. Tuneu, MAM / São Paulo



EXPOSIÇÕES INDIVIDUAIS

2006 Pinacoteca de São Caetano do Sul, São Paulo - Brasil

2005 Centre Culturel de la Maison du Brésil, Paris - França

2003 5 ène Festival du Cinéma Brésilien, Paris - França

2002 Centre Culturel de la Maison du Brésil, Paris - França

                                             

EXPOSIÇÕES CONJUNTAS

2004 Espaço Cultural STJ (com Gisela Schrader e Hélio Vilela) –

Superior Tribunal de Justiça, Brasília – Brasil

2003 Fundação Nacional da Arte – Funarte (com Adriana Dias e

Ida Zami), São Paulo - Brasil


EXPOSIÇÕES COLETIVAS
2012 Pinacoteca 10 anos – Artes Visuais em São Caetano do Sul,
Pinacoteca SCS, São Paulo
2008 10 Artistas Nipo-brasileiros, SESC São Caetano do Sul, São
Paulo
Aquarela Internacional 2008, Pinacoteca de São Caetano
do Sul, São Paulo
            Arte. Brasil-Japão. Moderno e Atual, MAC USP, São Paulo
2006 Leilão de Arte Doutores da Alegria e Museu Brasileiro da
Escultura, São Paulo
2004 II Salão Made in Brazil (Medalha de Bronze), Washington –
USA
2003 IV Biennale Internazionale dell’Arte Contemporanea,
Firenze - Itália
III Leilão de Arte Fundação Abrinq e Instituto Tomie
Ohtake, São Paulo
            XVII Mostra de Arte Centro Brasileiro Britânico, São Paulo
2002 III Salão de Arte Contemporânea Brasileira Caixa
Econômica Federal, São Paulo
VIII Salão Internacional de Artes Plásticas Proyecto Cultural
Sur, Bento Gonçalves

TRIXMIX CABARET Última edição do semestre comemora os 6 anos do projeto





dia 4 de Julho, no Centro Cultural Rio Verde



Mariana Duarte - Foto Paulo Barbuto.JPG

Há 6 anos, o Trixmix  Cabaret reúne

consagrados artistas,

nacionais e internacionais,

para apresentações autorais

 onde a surpresa, o humor,

a beleza e o inusitado

fazem de cada noite uma

celebração única.



Já se apresentaram no projeto

os atores Domingos Montagner,

Luis Miranda,  Marcelo Mansfield,

Marco Luque, Marcio Ballas, Angela Dip,

Grace Gianoukas, Carol Zocolli e Claudio Carneiro,

além de destaques da cena circense

e  burlesca nacional e internacional.



A edição 2013 ocupou o novo teatro do

Centro Cultural Rio Verde,

um espaço com dependências que seguem

uma estética orgânica que permite

um formato multiuso e a

interseção das múltiplas artes,

num casamento perfeito com a filosofia

do TRIXMIX CABARET,

que abre o seu palco para a

cena atual  de variedades

e circo contemporâneo.



Links para conhecer o espetáculo:

http://www.trixmix.org/multimidia.php





Os Criadores



Destaque: Histórico



Entre 2003 e 2006, Emiliano Pedro e Raquel Rosmaninho desenvolveram seu trabalho artístico em Londres, onde estudaram técnicas de acrobalance e malabarismo na The Circus Space e participaram de eventos e montagens performáticas na Europa e no Oriente Médio.



De volta ao Brasil, em 2007, dividiram seu tempo com a realização do Trixmix Cabaret e com seus treinos acrobáticos. Em 2008 a dupla foi contemplada com o prêmio Funarte de Fomento ao Circo para criação de novo número circense, o qual integrou a programação de entretenimento do Live Stage em Dubai. Em dezembro do mesmo ano, a convite do Corpus Acrobatics Theatre, eles se apresentaram no evento HP Software Universe, em Viena, Austria.



Desde 2009 a dupla decidiu dedicar-se totalmente para consolidação do Trixmix Cabaret e da agência Trixmix no mercado cultural de São Paulo. O ano de 2010 foi um ano de expansão da rede de artistas e clientes.  O Ano de 2013 começa com trabalho e dedicação para fomentar a cena de variedades e circo contemporâneo no Brasil.



Emiliano Pedro - Diretor artístico e curador do Trixmix Cabaret. Iniciou sua formação circense no começo dos anos 90, como integrante do Grupo Acrobático Fratelli (1992-1996) e no Circo Escola Picadeiro. Em 1995, junto com Daniel Pedro e Guga Aranha, fundou o Circodélico, grupo que conquistou prêmios (APCA e PANAMCO-2000) e atuou no Japão, México e França. Como artista circense, já atuou na Europa, Ásia e Américas em companhias como GandiniJuggling Project, Ornintorrinco e Corpus Acrobatics Theatre. Foi professor e coordenador do curso de acrobacia do Youth Circus Programme, na The Circus Space de 2004 a 2006 (Londres) e professor de técnicas circenses em 2007/2008 no CEFAC (São Paulo). Graduado em Educação Física pela Universidade de São Paulo (USP).



Raquel Rosmaninho diretora geral e curadora do Trixmix Cabaret. Iniciou sua carreira artística em 2000, no Circo Escola Picadeiro e com o Grupo Circodélico. Atuou no Brasil, Europa e Ásia junto ao projeto Trixmix e em companhias como Corpus Acrobatics Theatre, MLC, Ocean Village Cruise Ship, David Atkins Enterprise. Foi professora do curso de acrobalance do Youth Circus Programme na The Circus Space (Londres) entre 2004 e 2006. Entre 2007 e 2009 foi consultora temática de circo do Programa Fábricas de Cultura da Secretaria de Estado da Cultura de São Paulo.



É bacharel em artes circenses pela The Circus Space em colaboração com a The Central School of Speech and Drama (Londres), em Geografia pela Universidade de São Paulo (USP) e pós-graduada em Linguagens da Arte no Centro Maria Antônia (USP).



TRIXMIX CABARET



Serviço:

Casa abre às 21h

Show começa às 22h

Ingresso: R$ 50,00 / meia R$ 25,00

Cartões de crédito: Visa e Mastercad

Capacidade: 200 lugares

Local:  Centro Cultural Rio Verde - Teatro

Rua Belmiro Braga, 181 - Pinheiros
Tel: (11) 3774.0415 – das 10h às 17h de segunda a sexta-feira

Fim de semana com música celta no Portão Cultural



Neste fim de semana, o Auditório Antônio Carlos Kraide do Portão Cultural recebe a banda Gaiteiros de Lume, que apresenta a música tradicional dos países de origem celta, como Galícia, Irlanda, Escócia e Bretanha, além das tradicionais Irish drinking songs (composições que contam histórias engraçadas ou interessantes). As apresentações acontecem às 20h de sábado (15) e às 18h de domingo (16).
Criada em 2007, a Gaiteiros de Lume é formada por Ana Smania (fiddle – violino), Bruno Novak (percussão com o tambor irlandês bodhrán  tambor snaredrum  e tambor viking), Carlos Simas (violão folk, harpa céltica, gaita de fole galega, flautas e voz), Luís Felipe Fitz Patrick (gaitas de fole galega, escocesa e irlandesa, concertina, flautas, violão folk e voz) e Mateus Sokolowski (banjo, bandolim e o instrumento de cordas bouzouki).
As versões vocais e instrumentais, que utilizam instrumentos típicos e raros, encantam o público de todas as idades. Em 2012, a banda lançou seu primeiro CD, intitulado Rocky Roadto Dublin, que já tem mais de mil cópias vendidas em todo o mundo. O grupo apresenta-se regularmente em diversos eventos, bares e teatros no Brasil. Participou de várias edições de Oficinas de Música de Curitiba, inclusive ao lado da Orquestra de Cordas de Jaraguá do Sul (SC).

Serviço:
Espetáculo da banda Gaiteiros de Lume.
Datas e horários: dia 15 de junho (sábado), às 20h, e dia 16 de junho de 2013 (domingo), às 18h.
Local: Auditório Antônio Carlos Kraide (Portão Cultural – Av. República Argentina, 3.430 – Portão).
Ingressos: R$ 10 e R$ 5 (meia-entrada).
Para saber mais:
Show no Sheridan's Irish Pub:
Trechos de músicas do CD – Rocky Road to Dublin:
Show com orquestra no Teatro da Reitoria:
gaiteirosdelume.blogspot.com/

PROGRAMAÇÃO CINE GUARANI | 14 A 20 DE JUNHO DE 2013





De 14 a 20 de junho de 2013 – 16h (de terça a domingo):

CURTA CRIANÇA

Nos filmes deste programa são as crianças que fazem acontecer. As produções têm isso em comum, mesmo com estéticas variadas e em cenários brasileiros tão diferentes uns dos outros. Assim, no interior alagoano, a menina Lia corre atrás do sonho de ir à festa com um vestido novo. Na Amazônia, uma pequena índia busca alcançar a Lua, lançando-se ao seu reflexo nas águas, em releitura de grande intensidade poética do mito guarani. Nos canaviais, uma jovem cuja mula que empacou faz inusitada aliança com um menino da cidade. Em São Paulo, uma menina faz da própria sombra sua melhor amiga. No litoral baiano, um jovem catador de cajus usa seu carrinho de mão para um carreto muito especial e solidário. E em uma grande cidade do sul, um menino muito diferente dos outros não abre mão de ser quem é. São curtas-metragens que vão emocionar, divertir e... dar o que falar!

Total do programa: 81 minutos

A MULA TEIMOSA E O CONTROLE REMOTO (SP, 2010 – 15’ – ficção – digital). Direção: Hélio Vilela Nunes

 A SOMBRA DE SOFIA (SP, 2011 – 14’ – ficção – digital). Direção: Flávia Thompson

CARRETO (BA, 2009 – 11’ – ficção – digital). Direção: Claudio Marques e Marília Hughes

GAROTO BARBA (PR, 2010 – 14’ - ficção – digital). Direção: Christopher Faust

NAIÁ E A LUA (SP, 2010 – 13’ – ficção – digital). Direção: Leandro Tadashi.

UM VESTIDO PARA LIA (AL, 2009 – 14’ – animação – digital). Direção: Hermano Figueiredo e Regina Barbosa

Classificação: livre

Ingresso gratuito



De 14 a 20 de junho de 2013 – 18h e 20h (de terça a domingo):

Estreia em Curitiba do filme KATIA (BR, 2014 – 74’ – documentário – digital)
Direção: Karla Holanda

Kátia Tapety é o personagem central deste filme. Nascida José, em Colônia do Piauí (8 mil habitantes), Kátia tornou-se a primeira travesti a ser eleita a um cargo político no Brasil. O filme é resultado de 20 dias de convívio com ela.
KÁTIA estreou nacionalmente no Festival de Brasília. Com um público de cerca de 700 pessoas, o filme foi ovacionado após a sessão. KÁTIA participou de outros festivais, como a Mostra Internacional de Cinema São Paulo, Mix Brasil e For Rainbow Festival, onde recebeu tripla premiação: Melhor Filme, Melhor Fotografia e Melhor Edição.

Classificação: livre

Ingresso pago: R$5,00 (inteira) R$2,50 (meia) – R$1,00 (aos domingos)




Portão Cultural
Cine Guarani
Av. República Argentina, 3430 - Portão
Funcionamento: de terça a domingo, sessões normalmente às 16h, 18h e 20h
O acesso ao Cine Guarani a partir das 19h é pela portaria do estacionamento
Fone: 3345-4051