sexta-feira, 3 de junho de 2011

Resenha - lançamento - Quântica para iniciantes: investigações e projetos


Quântica para iniciantes: investigações e projetos
Helder F. Paula; Esdras Garcia Alves; Alfredo Luis Mateus

Obra Avulsa
Apoio: FINEP – Agência Brasileira da Inovação | Ponto Ciência
204 p.

Quântica para iniciantes: investigações e projetos pode ser considerado uma obra de divulgação científica. Contudo, também pode ser usado por professores e alunos de Ciências, em sala de aula, como material paradidático e fonte de referência para projetos de Feiras de Ciências, entre outros diversos usos.

Nesse ótimo documentário o Discovery Channel explica com uma linguagem simples (não técnica) sobre o que vem a ser a Mecânica Quântica, conhecida como a mais "Dura" de todas as ciências, pois não existe nada mais complexo ou difícil (matematicamente falando) em todo o mundo da ciência do que o "Mundo Quântico" e suas leis misteriosas...



Essa configuração e vocação torna o livro único no mercado. Os temas escolhidos possuem um grande apelo entre os jovens, o que torna o livro e as atividades que ele propõe um veículo de engajamento desses jovens na aventura das ciências.





LANÇAMENTO DA

Resenha -Espiritualidade na Gestão Empresarial Como ser Feliz no Trabalho


LEIA ESTE IMPORTANTE ARTIGO


EMPRESA ESPIRITUALIZADA

A espiritualidade na organização não quer dizer que seja uma empresa que cultua religiosidade, que celebra missas ou cultos, mas aquela que guarda e defende princípios e valores éticos e morais, que tem responsabilidade e governança corporativa direcionada para o bem e que está foca na sua missão e na visão de mercado preservando os princípios e valores coletivos, ou seja, é aquela que agrega valores superiores à sociedade além dos seus objetivos meramente corporativos e financeiros de resultados imediatos.

A organização com espiritualidade é aquela onde a diversidade é respeitada e os colaboradores e sócios são pró-ativos e buscam além dos resultados objetivos e materiais, também os resultados intangíveis ou de valores coletivos, como “Ser feliz no trabalho e ter o prazer de construir uma organização mais bem estruturada do ponto de vista de resultado social para coletividade”.

2 - A Empresa Corpo, Alma E Espírito

Essa organização certamente é uma empresa conceituada como Empresa com Corpo, Alma e Espírito. Ou seja, é uma empresa viva, entendendo que espiritualidade é a capacidade de “Pensar, Sentir, Querer e Agir”, e como define Assumpção (2008) É a empresa semelhante ao Homem e por isso trabalha o “Ser, Saber e Fazer”, onde, Ser é a essência espiritual do homem ou da organização, o Saber refere-se a parte cognitiva ou de conhecimentos necessários para o desempenho, portanto é a alma da pessoa ou da organização, e finalmente o Fazer refere-se a parte objetiva e pratica. É por onde as coisas acontecem, ou seja, é o corpo material da pessoa ou da organização.

O Ser/Espírito é sem dúvida a energia que move o corpo. É a substancia que mantém vivo esse corpo, tanto no caso do homem como, por analogia, na organização; enquanto a parte Saber/Alma é intermediária entre o Espírito e o Corpo, ligando o mundo espiritual e filosófico com o mundo material e operacional. A alma trabalha para o espírito sobre a matéria ( são os conhecimentos e os valores) que tangibilizam a missão, a visão e valores no processo de produção e na realização das atividades. Portanto, a alma é na realidade uma ferramenta do espírito para atuar no corpo físico-operacional.

Considerando a organização como ser vivo, sendo portanto uma somatória dos seus recursos humanos e usando da analogia pode-se estabelecer uma conjectura definindo que:

O Espírito da organização (ser/vida) é a sua consciência intuitiva, imaginativa, filosófica e que serve para definir a sua identidade e a sua cultura organizacional, com luzes que clareiam a Missão, a Visão, os Princípios e Valores da organização. Usando a assertiva de Jesus no Evangelho de João “Eu sou o Caminho, a Verdade e a Vida “. O Espírito é a Vida ( só o Espírito vivifica). O espírito é quem abastece a alma e é por meio da alma ( O caminho) que o espírito (consciência) toma conhecimento dos problemas do corpo (verdade) ( processo e operações) da organização.Caminho ( alma/saber), verdade (corpo/fazer) e Vida (espírito/ser) essa é a tríade da Espiritualidade na gestão.

Alma da corporação (saber/caminho) se materializa através de políticas e estratégicas, além da metodologia e tecnologia para o trabalho. Aqui se encontram os modelos de gestão, o estilo gerencial, a cultura organizacional, os conhecimentos gerais e especializados sobre mercado, finanças, relacionamentos, marketing, recursos humanos, sistemas e também as normas de procedimentos e de conduta. É a parte cognitiva do planejamento estratégico do alinhamento através dos mapas estratégicos do BSC etc..É a parte que recebe do Espírito a Missão, a Visão e os Valores (éticos, morais e corporativos) para interação em sintonia fina com estratégias, políticas, métodos e sistemas para levar ao corpo ( produção)

Corpo da Organização (fazer/verdade) É a hora da verdade; de fazer acontecer. É a parte operativa e mensurável da organização. É o processo em si que vai produzir resultados, lucros, retorno do capital e outras variáveis operativas. O Corpo funciona em estreita sintonia finíssima com os pensamentos (conhecimentos/saber) ou alma da organização, atuando e respondendo conforme estratégias, planos de metas e na sanidade (qualidade e acreditação) para entregar produtos excelentes à sociedade que serve.

Assim como o Homem, a organização precisa estar plenamente em equilíbrio e harmonizada em seus três vértices de Espírito/Ser, Alma/Saber e Corpo/Fazer, sem o que o produto final tanto do homem (reputação/sustentabilidade/salvação) quanto da organização (reputação/sustentabilidade/perenidade) estarão comprometidos. Deste modo, e considerando que a empresa é a somatória dos seus recursos humanos, acionistas, lideres, liderados, executivos e operacionais é preciso cuidar do homem no trabalho, mediante qualidade de vida no trabalho (QVT) tanto quanto se cuida da qualidade total dos produtos e serviços. Um não é possível sem o outro.

É estratégico, salutar e traz excelentes resultados cuidar da Espiritualidade da organização entendendo que para isso é necessário cuidar da Espiritualidade do grupo, mantendo excelentes práticas e transformando o ambiente de trabalho em Melhor lugar para se trabalhar. Ou seja, sendo uma organização com alto índice de QVT e se possível com a reputação de ser considerada pelos seus recursos humanos como Excelente empresa para se trabalhar e ser feliz.

As organizações têm que buscar esse modelo de excelência e felicidade no trabalho. Esse modelo é aquele que denominamos de Relacional/espiritual que se obtém mediante ou somente com a construção de um ambiente com Inteligência Espiritual.

Esse novo ambiente, ao contrario do que apregoam os mecanicistas ortodoxos da administração, não coloca em risco a disciplina e a produtividade, antes produz sinergia espiritual no grupo, elimina o medo e a coerção e traz a participação. Participar na organização, em qualquer nível, é tão necessário quanto respirar. É portanto uma necessidade básica do ser humano.

O processo de Inteligência Espiritual nas organizações passa antes pelas etapas de Inteligência racional ou cognitiva (objetiva lógica, matemática, quantitativa e estratégica) onde se encontram as figuras do Homo Econômico e do Homo Organizacional das Escolas Clássica, Neoclássica, Sistêmica e Estruturalista da administração. Este é o primeiro estagio da Inteligência na Organização.

A seguir alcança o segundo estagio com a Inteligência Emocional que nos traz a figura do Homo Emocional das escolas de Relações Humanas e de Desenvolvimento Organizacional, objeto da psicologia organizacional, sociologia e fisiologia no trabalho, saúde ocupacional, endo-marketing e outras disciplinas do saber que buscam o equilíbrio do homem no trabalho, levando-se em conta os aspectos salutares do ambiente e da saúde nos relacionamentos.

O terceiro estagio é alcançado pela Inteligência Social das organizações que trabalha relacionamentos e sistemas em interação com ambientes abertos de macro e micro ambientes. Nesse estágio de desenvolvimento da inteligência nas organizações está centrado o Homo Social ou Homo relacional. É o estagio em que se desenvolvem as relações internas e externas da organização, trabalhando marketing, marketing de relacionamento, tecnologia da informação e de gestão, com estilo gerencial de interação e de intercambio constante com o ambiente e com as organizações e pessoas. É o estágio do conhecimento e das relações.

Finalmente, como produto direto da Inteligência Social ou Relacional das organizações; Ainda em fase embrionária, encontra-se a supra consciência ou a supra inteligência, denominada de Inteligência Espiritual nas organizações. Esse será o estagio a ser perseguido e alcançado pelas organizações, pois ao contrario do que se propala por aqueles que desconhecem o assunto, esse estágio é altamente lucrativo e o único a garantir sustentabilidade plena e perenidade para as organizações. As empresas não precisam estar atreladas somente aos seus fundadores ou acionistas. Ela precisa ter Espiritualidade com personalidade ampla e altamente consciente do seu papel e da sua missão, da sua visão e dos seus valores perante a sociedade. Isso precisa emergir do grupo e estar acima de todos os interesses.

Uma empresa para o seu próprio bem não pode ter somente o estilo de gestão da Inteligência racional e objetiva com lideres anacrônica e defensores apenas da autocracia e da centrocracia com slogan envelhecidos tais como “ Manda que pode e obedece quem tem juízo”. Antes precisa mesclar os vários estágios da inteligência, somando a inteligência racional com inteligência emocional e a inteligência Social/relacional para obter um produto que é exclusivo da inteligência espiritual, Ou seja, o equilíbrio no todo e nas partes.

O estágio final da inteligência nas organizações – Inteligência Espiritual - que está por vir, e os seus primeiros sinais já se prenunciam em alguns ambientes corporativos, é o estagio de ser reconhecido e ser feliz, com ética, respeito e participação nas organizações. Esse estágio demanda o desenvolvimento ou inclusão de lideres efetivamente holístico, íntegros, centrados, felizes e que promovam a transição dos estágios anteriores até a este estagio plenamente espiritualizado.

Esse é o estagio da visão altamente estratégica e de integralidade nos negócio, presente nas mentes e nos corações dos verdadeiros lideres inovadores e futuristas da gestão. Esse é o ponto futuro dos modelos de gestão a ser buscado e alcançado pela nova geração de verdadeiros executivos e gestores (holísticos) do futuro que se prenuncia.

postado em 17/04/2009 06:21 por Valdir Ribeiro Borba BORBA [ atualizado em 03/04/2010 07:04 por Wesley Ruiz ]


Prof. Valdir Ribeiro Borba

Mestre em Administração

Docente convidado da FGV Management MBA gestão em saúde

Docente e consultor da Fundação Unimed

Doutorando (curso livre) de Educação Cristã. Seminário Teológico Filadélfia SETEFI – Curitiba – Pr.



O LIVRO


Espiritualidade na Gestão Empresarial
Como ser Feliz no Trabalho
de Valdir Ribeiro Borba

Nº de páginas: 200


A modernidade na gestão empresarial tem trazido diversos conceitos, teorias e práticas ao processo de gestão, envolvendo e explorando com relevância a aplicabilidade da liderança e da multidisciplinaridade da inteligência no processo administrativo.

Atualmente, as empresas necessitam de profissionais qualificados em diversos setores. Essa qualificação pode variar desde a já conhecida inteligência racional (QI) à inteligência emocional (QE). Neste livro, o autor nos apresenta uma nova versão, o Quociente de Espiritualidade (QS), fundamental para alicerçar os relacionamentos na empresa de forma ética.

A espiritualidade tratada na obra não se refere à religiosidade dogmática, mas essencialmente ao processo de qualidade no relacionamento, envolvendo os diversos níveis de inteligência no trabalho, na conquista e na fidelização de clientes.

O leitor é apresentado a novos conceitos na área de gestão organizacional que dá origem de forma coletiva ao QEC – Quociente Espiritual Coletivo que permeia e imanta toda organização, criando um clima proativo e que busca novos modelos de gestão, decorrentes do relacionamento com responsabilidade social.

Como produto final, apresenta a Organização que apreende e encanta juntamente com uma proposta prática para formação do novo líder, denominado líder holístico-espiritual, sugerindo a aplicação adaptada de dois grandes instrumentos de gestão empresarial: o planejamento estratégico e o BSC. Esses dois instrumentos nessa adaptação são denominados de PEP – Planejamento Estratégico Pessoal e BSC-SELF – Balanced Scorecard Personalizado.

Lançamento- O caminho de fogo (Os mistérios de Osíris vol. 3)

O caminho de fogo (Os mistérios de Osíris vol. 3)
Título Original: Les mystères d'Osiris - Le chemin de feu
de Christian Jacq
Tradutor: Maria Alice Araripe de Sampaio Doria



Páginas: 504


Enfim o receiro volume
O Caminho do Fogo, terceiro volume de Os Mistérios de Osíris, de Christian Jacq, autor da série Ramsés, traz o jovem Iker em sua missão mais perigosa: entrar em Canaã e descobrir o covil do Anunciador, o grande traidor do Antigo Egito.

Depois de compreender que seu maior inimigo não era Sesóstris, Iker é adotado pelo próprio faraó e recebe o título de Filho Real. Além disso, descobre que o verdadeiro mal, aquele que quer destruir a Árvore da Vida de Ábidos, é o Anunciador, um ser maléfico que reúne as tropas na fronteira para invadir o Egito e destruir o país.

Iker sabe que sua missão é quase mortal, mas nada o impedirá de prosseguir.

Quem poderá salvar o país? Sesóstris, que enfrenta vários atentados selvagens? Iker, que luta bravamente para impedir que o traidor vença? Ou a bela sacerdotisa Ísis, que, no fundo do coração, encontra uma maneira de acalmar o gênio do Nilo?




lançamento da

Lançamento- A Gaiola de Marcia Willett


A GAIOLA
de Marcia Willett


Páginas: 406


Ninguém é capaz de prever o momento em que a vida está prestes a mudar de rumo. Felix Hamilton teve o seu ao conhecer a atriz Angel Blake. Dali em diante ele soube: sua vida nunca mais seria a mesma. Assim começa A Gaiola, segundo romance de Marcia Willett publicado no Brasil.

Um livro que viaja deliciosamente pelo passado e pelo presente dos personagens, mostrando como tudo na vida está ligado às escolhas realizadas.

“De talento comparável ao de suas conterrâneas Rosamunde Pilcher e Maeve Binchy, Willett constrói personagens que despertam sentimentos profundos enquanto tece enredos instigantes e provocativos.” (Booklist)

A AUTORA
Marcia Willett, natural de Somersert, condado no Sudoeste da Inglaterra, é a mais nova de cinco irmãs. Oriunda de uma família pouco convencional, que revelou também talentos na música, Marcia, porém, preferiu se tornar bailarina. Infelizmente, seu corpo não se desenvolveu de acordo com as proporções clássicas exigidas pelo Royal Ballet, e ela então estudou para ser professora de balé. Seu primeiro marido foi um oficial da Marinha, que servia em submarinos; com ele teve um filho, Charles. Seu segundo marido, Rodney, escritor e apresentador de tevê, encorajou-a a escrever romances. A Hora das Crianças é o terceiro livro de Marcia publicado nos Estados Unidos e o primeiro pela Bertrand Brasil.



BIBLIOGRAFIA
The Summer House
2011 TRANSWORLD PUBLISHERS LTD

Une Semaine En Hiver
2010 Pocket

Summer House
2010 TRANSWORLD PUBLISHERS LTD

Prodigal Wife
2010 TRANSWORLD PUBLISHERS LTD

Entre Rires Et Larmes
2009 Pocket

Prodigal Wife
2009 TRANSWORLD PUBLISHERS LTD

Way We Were
2009 TRANSWORLD PUBLISHERS LTD

Way We Were
2008 TRANSWORLD PUBLISHERS LTD

Memories Of The Storm
2008 TRANSWORLD PUBLISHERS LTD

Echoes Of The Dance
2007 TRANSWORLD PUBLISHERS LTD

Memories Of The Storm
2007 TRANSWORLD PUBLISHERS LTD

Golden Cup
2006 TRANSWORLD PUBLISHERS LTD

Echoes Of The Dance
2006 TRANSWORLD PUBLISHERS LTD

Birdcage
2005 TRANSWORLD PUBLISHERS LTD

La Risa Olvidada
2004 SALAMANDRA

Children'S Hour
2004 TRANSWORLD PUBLISHERS LTD

Week In Winter
2002 Headline Publishing Group

Winning Through
2001 Headline Publishing Group

Holding On
2000 Headline Publishing Group

Looking Forward
1999 Headline Publishing Group

Second Time Around
1998 Headline Publishing Group

Starting Over
1997 Headline Publishing Group

Hattie'S Mill
1997 Headline Publishing Group

Dipper
1996 Headline Publishing Group

Courtyard
1996 Headline Publishing Group

Thea'S Parrot
1995 Headline Publishing Group

Those Who Serve
1995 Headline Publishing Group

Una Semana De Invierno
1995 SALAMANDRA


lançamento
da


Agenda cinema Curitiba


PROGRAMAÇÃO

De 3 a 9 de junho de 2011

CINEMATECA - Sala Groff - Rua Carlos Cavalcanti nº 1174 fone 41 3321-3252 (diariamente das 09h às 12h e das 14h às 22h30 – sábados e domingos das 14h30 às 22h30) www.fundacaoculturaldecuritiba.com.br

Evento: PROJETO SESSÃO VITRINE

Projeto com parceria entre a Cinemateca de Curitiba e a Vitrine Filmes

Data: de 27 de maio a 30 de junho

Ingresso pago: R$5,00 (inteira) – R$2,50 (meia) e R$1,00 (aos domingos)

Atualmente o cinema brasileiro encontra-se cada vez mais consolidado, em um momento onde nossos filmes destacam-se em festivais nacionais e internacionais e são capazes de liderar bilheterias e atrair espectadores. Um cinema de qualidade, original, que retrata a cultura do país tem se destacado, e aos poucos conquista um publico fiel e interessado em cineastas que tem muito para mostrar.

Esse cinema autoral, produzido muitas vezes com baixíssimo orçamento e de forma totalmente independente diversificou e ajudou a aumentar a produção cinematográfica brasileira – atualmente são produzidos mais de 80 longas por ano.

Pensando nisso, a Vitrine Filmes criou o Projeto SESSÃO VITRINE como forma alternativa de levar esses cineastas de encontro a um número maior de pessoas. Sem subestimar o potencial comercial dos filmes que compõe o projeto, a Vitrine Filmes pretende incentivar a exibição desses filmes, fortalecendo o circuito alternativo e investindo na formação de novas plateias, com filmes que recebem grande atenção dos principais festivais de cinema do Brasil e do mundo.

Programação:

De 3 a 9/06

Dia 3/06, às 14h:

UM LUGAR AO SOL [Brasil, 2009 – 71’ - DVD], de Gabriel Mascaro. Gênero: documentário. Moradores de luxuosas coberturas de prédios abrem seus apartamentos para revelar anseios, desejos, reflexões, incertezas e medos e promover um debate sobre visibilidade, insegurança, status e poder. Classificação livre.

Dias 4 e 5/06, às 15h45, 18h:

UM LUGAR AO SOL [Brasil, 2009 – 71’ - DVD], de Gabriel Mascaro

Às 20h:

ESTRADA PARA YTHACA [Brasil, 2010 – 70’ - DVD], de Guto Parente, Luiz Pretti, Pedro Diógenes, Ricardo Pretti. Gênero: drama. Elenco: Guto Parente, Luiz Pretti, Pedro Diógenes, Ricardo Pretti.

Quatro amigos em luto - interpretados pelos próprios diretores - partem numa viagem até a cidade natal do amigo falecido, depois de uma noite de bebedeira. Ythaca, mais do que um lugar, é um caminho que envolve amizade, silêncio, descoberta e cinema. Classificação 12 anos.

De 6 a 9/06 - às 15h45:

UM LUGAR AO SOL [Brasil, 2009 – 71’ - DVD], de Gabriel Mascaro

Evento: MOSTRA DE FILMES ITALIANOS

A mostra está inserida na programação do evento “Mia Cara Curitiba”, promoção do Consulado Geral da Itália – Curitiba.

Data: dia 3 (programação final)

Entrada franca (doação voluntária de uma lata de leite em pó para os projetos sociais do IPCC).

Legendas em português

Programação:

Dia 3/06, às 16h30:

A PRIMEIRA COISA BELA - La prima cosa bella (Itália, 2010 - 116’- comédia - DVD). Direção de Paolo Virzì.

Às 20h:

DUAS PARTIDAS - Due partite (Itália, 2009-91’- comédia - DVD). Direção de Enzo Monteleone. Elenco: Margherita Buy, Isabella Ferrari, Marina Massironi

Uma comédia doce e ao mesmo tempo amarga sobre o mundo feminino. Duas épocas, dois jeitos de ser mulher. Anos sessenta: um jogo de cartas para se encontrarem. Toda quinta-feira à tarde, quatro amigas falam de amores e traições, teorizando sobre a maternidade, a vida e os problemas do casamento. Trinta anos depois: as filhas se reencontram no funeral de uma das mães, e como elas, confidenciam sonhos e medos, o tempo que passa, a relação com o trabalho, o desejo de terem filhos. Passaram-se décadas, mas a identidade feminina parece inalterada, apesar da carreira e da emancipação, ser mulher significa hoje, tanto quanto antes, energia, alegria, trabalho e dor.

Classificação 12 anos

Evento: FILME, HISTÓRIA E PENSAMENTO. Evento em parceria entre Curso de História e Imagem da UFPR, Cinemateca de Curitiba e Núcleo de Cinema do SESC Paço da Liberdade.

Data: Dia 6

Entrada franca

Às 18h30:

Exibição do filme ANTES DA REVOLUÇÃO - Prima della Rivoluzione (Itália, 1964, drama, 115’ - DVD). Direção de Bernardo Bertolucci. Elenco: Francesco Barilli, Adriana Asti, Allen Midgette.

O filme trata da desilusão na política da juventude dos anos 60. Decepcionado com o comunismo e consigo mesmo, Fabrizio, jovem italiano, renega a burguesia, mas não se rende ao movimento revolucionário, vivendo um amor turbulento com sua tia. Classificação livre

Às 20h:

Conferência de Leandro Saraiva “História e subjetividade de classe”.

Evento: Lançamento de curtas metragens

Data: Dia 7

Horário: 19h30

Entrada franca

O LOBO (BR/PR, 2011 – 16’ – DVD). Direção de Jaqueline M. Souza. Elenco: Eduardo Colgan, Rafael Lourmmel, Ailen Scandurra, Elisandra Castellani, Fernandah Rocha, Lorita Rivera, Herica Veryano, Lucy Merlin e Fernanda Pizza.

Pedro mente sempre. Mente por problemas de auto-estima, por falta de aceitação, por insegurança, por ter uma imaginação muito fértil, para tornar sua vida mais interessante, por não conseguir dizer a verdade. Classificação livre

ANTES QUE SEJA TARDE (BR/SP, 2007 – 14’ – DVD). Direção de André Queiroz. Elenco: Fábio Lucindo, Sofia Botelho, Rodolfo Henrique.

Digo é um adolescente mal-humorado em crise com as mudanças em sua vida desde que terminou o colégio. Ele não quer seguir adiante, mas o resto do mundo não vai parar de andar só porque ele precisa de um tempo. Classificação 14 anos

Filme produzido pelo Curso Superior de Audiovisual – ECA/USP.

A ESTÓRIA DA FIGUEIRA (BR/SP, 2006 – 16’ – DVD). Roteiro e Direção de Julia Zakia. Elenco: Marina Schenkel, Marilia de Santis, Naomi Silman, Ricardo Puccetti e Luiz Orlandi.

Adaptação da “Estória da Figueira”, uma cantiga popular brasileira há muito tempo contada no Brasil. Um pai viúvo e sua pequena filha moram em um lugarejo perdido. Na vizinhança habita uma mulher que prepara deliciosos bolos de mel para a menina e um jardineiro que cuida das plantas e dos bichos. A filha pede para o pai se casar com a vizinha, ele se recusa. A filha insiste e a vida de todos começa a mudar depois do casamento. Classificação livre

Filme produzido pelo Curso Superior de Audiovisual – ECA/USP.

Prêmio do Público, no festival Internacional de Curtas de São Paulo – 2006.

Evento: Lançamento dos curtas-metragens paranaenses

Data: Dia 8

Horário: 19h30

Entrada franca

Classificação livre para os filmes

MEMÓRIAS DO MEU TIO (PR, 2011 – ficção – 13’). Direção de Alexandre Garcia e Álvaro Zeione Cruz.

As aventuras de Ariel, um garoto de 10 anos que encontra o tio-avô já morto e ao lado dele parte em busca de um tesouro inimaginável.

Curta metragem de ficção contemplado no Programa de Apoio e Incentivo à Cultura através do edital de Mecenato Subsidiado da Fundação Cultural de Curitiba, incentivado pela CELEPAR - Companhia de Informática do Paraná.

MÁQUINA DE SORVETES (PR, 2011 – ficção – 16’). Direção de Christopher Faust.

Martin há um ano trabalha com uma máquina expressa de sorvetes em frente a um mercadinho. Martin há um ano está apaixonado pela garçonete que trabalha na lanchonete do outro lado da rua, com quem nunca trocou uma palavra. Agora, algumas estranhas histórias e uma garota de descendência asiática farão Martin ter a coragem de falar com ela pela primeira vez.

Curta-metragem de ficção financiado através do edital 15° Cultura Inglesa Festival na categoria "Cinema". Uma comédia romântica nonsense gravada em Curitiba no mês de março de 2011.

EVENTO: Pré-estreia do filme NEVERMORE, com a presença do diretor Paulo Biscaia Filho para debate.

Data: Dia 9

Horário: 20h

Entrada franca

Classificação 16 anos

NEVERMORE (PR/BR, 2011, 51’). Direção de Paulo Biscaia Filho.

Conjunto de quatro curtas adaptados da obra de Edgar Allan Poe (1809-1849). Os trabalhos exploram as imagens criadas pelas palavras de Poe mantendo elementos do horror e do simbolismo marcantes em seu trabalho. Os contos de Poe usados no projeto:

BERENICE (16’37’). Com Rafaella Marques & Andrew Knoll
Um homem fica obcecado pelos dentes de sua prima cataléptica.
LIGEIA (14’18’). Com Wagner Correa e Sheylly Caleffi

Mesmo após a morte da inesquecível Ligeia, um homem não consegue se afastar de sua lembrança.
MORELLA (
10’). Com Michelle Pucci
Morte, renascimento e degeneração da amada Morella e de sua filha sem nome.
O CORVO(10’26”). Com Luiz Bertazzo & Carolina Fauquemont
Um corvo bate a porta e entra na casa de um homem apenas para servir de instrumento para sua mágoa e culpa.

Evento - HOJE


clique para ampliar

Artigo- As glórias de Srila Prabhupada






“Vejam como esse macaco é inteligente…”

17 de outubro de 1972, Templo de Radha Damodara, Vrndavana, Índia

Durante esta visita, Srila Prabhupada regularmente dava aulas informais em sua sala de estar. Residentes locais ofereciam frutas e flores, colocando-as a seus pés de lótus.

Uma manhã, no meio da aula de Srila Prabhupada, um macaco se arremessou para dentro da sala e correu para pegar as bananas. Visakha dasi rapidamente jogou seu chadar sobre o macaco e puxou as bananas, ao que ele começou a correr atrás dela. Ele tentou segurar o máximo de bananas que pôde, mas, alguns segundos depois, o macaco estava fugindo com uma banana-troféu em sua mão.

“Vejam como esse macaco é inteligente”, disse Srila Prabhupada. “Isso mostra que, variando com o interesse de cada um, toda entidade viva é inteligente. Quanto tempo você acha que você levaria para fazer isso, entrar e sair daqui e pegar as bananas? Esse macaco é muito inteligente para o seu interesse de comer. Ele pode fazer um assalto em poucos segundos. Praticamente ninguém sequer o viu. Ele simplesmente pegou as bananas e foi embora. É assim que as coisas são no mundo material. Todo mundo é especialista em sua própria esfera de interesses. Então, temos de nos tornar devotos especialistas, não especialistas como os macacos”.

Todo o incidente durou cerca de quatro segundos. Muito embora Srila Prabhupada estivesse palestrando, ele estava alerta de tudo o que acontecia a sua volta. Srila Prabhupada estava sempre ciente das atividades ao seu redor. Ele era muito hábil em fazer mais de uma coisa ao mesmo tempo.





- Do livro “Qual a Dificuldade?”, escrito por Srutakirti Das, traduzido por Bhagavan Das (DVS)

Evento -Oficinas circenses na programação do Circo da Cidade “Zé Priguiça”







Crianças e adolescentes tomam conta do Circo da Cidade “Zé Priguiça”, unidade da Fundação Cultural de Curitiba, para integrar as novas oficinas de técnicas circenses, que têm início nesta segunda-feira (6). Vindos de escolas da Rede Municipal de ensino e da comunidade em geral, os participantes, na faixa etária de 7 a 17 anos, terão 40 horas de aulas até o dia 27 de junho, com atendimento pela manhã e à tarde.

No comando do aprendizado de 100 alunos está a companhia TripCirco, selecionada por meio do Edital de Difusão em Circo do Fundo Municipal da Cultura. As oficinas, que têm por objetivo o desenvolvimento pessoal dos participantes, sem o intuito de profissionalização, abrangem técnicas tradicionais e também abrem espaço para a linguagem contemporânea do circo.

A companhia apresenta ainda o espetáculo “TripCirco Pocket Show”, com nove sessões agendadas para alunos de escolas públicas curitibanas e entidades sociais de todas as Regionais da cidade, além de uma apresentação aberta à comunidade, que acontece às 15h do dia 18 de junho de 2011, com entrada franca.

Fundada em 1998, a TripCirco reúne artistas que têm em comum o interesse de estudar e desenvolver técnicas circenses. A partir disso, o grupo realiza um trabalho especial, com a mistura das diversas expressões das artes como teatro, dança e música. A inovadora forma de abordar o circo é transmitida pela TripCirco Escola Experimental, mantida pela companhia, que também realiza periodicamente o Cabaré de Variété, evento dedicado ao resgate da tradição circense.



Serviço:

Circo da Cidade “Zé Priguiça”

Oficinas de arte circense a cargo da companhia TripCirco

Local: Rua Benedicto Siqueira Branco, s/n – Alto Boqueirão (próximo ao Armazém da Família Jardim Paranaense) – telefone: (41) 3287-5307

Dias e horários: de 6 a 27 de junho de 2011, com aulas pela manhã (das 9h às 10h e das 10h às 11h) e à tarde (das 14h às 15h e das 15h às 16h), de segunda a quarta-feira.

A companhia apresenta também o espetáculo “TripCirco Pocket Show”, com nove sessões agendadas para alunos de escolas públicas curitibanas e entidades sociais, além de uma apresentação aberta à comunidade, às 15h do dia 18 de junho de 2011, com entrada franca.

MUSICA - Banda Cabaçal dos Irmãos Aniceto fará duas apresentações


Banda Cabaçal dos Irmãos Aniceto fará duas apresentações gratuitas em Fortaleza em junho



A Banda Cabaçal dos Irmãos Aniceto vem do município caririense do Crato para duas apresentações gratuitas em Fortaleza, neste mês de junho: no Centro Cultural Banco do Nordeste-Fortaleza (rua Floriano Peixoto, 941 - Centro - fone: (85) 3464.3108), no próximo dia 17 (sexta-feira), às 18 horas; e no CUCA Che Guevara (av. Presidente Castelo Branco, 6417 - Barra do Ceará - fone: (85) 3237.4223), no dia 18 (sábado), às 19 horas.

A Banda Cabaçal dos Irmãos Aniceto é um grupo de músicos residentes na cidade do Crato, no sul do Ceará. Tudo começou com José Lourenço, apelidado Aniceto, que viveu até os 104 anos e legou a tradição aos filhos Francisco, João, Hugo, Antônio e Raimundo.

Atualmente, uma terceira geração, representada por Cícero, Joval e Adriano, dá continuidade ao trabalho iniciado pelo Mestre José Lourenço. O nome Cabaçal deve-se ao uso de cabaças para confecção do zabumba e da caixa, hábito de origem indígena.

Vestidos com roupas de cores vivas, calçando alpercatas de couro, os Irmãos Aniceto criam peças notáveis, ocupando o espaço cênico com dança anímica, em conjunto ou em solos, usando os pífanos feitos de taboca, acompanhados de zabumba, caixa e pratos. O grupo também constrói os instrumentos utilizados nas apresentações.

Dentre seus elogiados números, envolvendo música, poesia matuta, dança e dramatização realizada a partir da observação da natureza, dando um sentido profundo de ecologia aplicada às artes, os Irmãos Aniceto nos brindam com apresentações antológicas como "A briga do cachorro com a onça", "A dança do caboré", "A dança do marimbondo", "Severino Brabo" e "O casamento da acauã com o gavião". Os Irmãos Aniceto parecem feitos de mola, pinotando pelo espaço, virando onça, voando feito caborés, realizando um teatro de expressiva beleza.

A Banda Cabaçal dos Irmãos Aniceto apresenta intensa e harmoniosa criatividade, sempre no trabalho de reelaboração da herança coletiva, conservando traços de nítida influência da cultura dos índios cariris, onde a música e a dança são mostradas com características profundamente populares, ressaltando a importância da cultura tradicional do Nordeste brasileiro.

A Banda Cabaçal dos Irmãos Aniceto já percorreu as principais cidades do Brasil, apresentando-se diversas vezes em São Paulo, Rio de Janeiro, Recife e Natal, ao lado de artistas como Hermeto Pascoal, Quinteto Violado, Alceu Valença, Dominguinhos e Orquestra de Câmara Eleazar de Carvalho, tendo sido agraciada com o Prêmio Dragão do Mar de Arte e Cultura, na categoria Artista Popular.

Em 2005, participou do Ano do Brasil na França, apresentando seus pinotes e trinados na Cité de La Musique, em Paris. Juntamente com a Orquestra de Câmara Eleazar de Carvalho, os Irmãos Aniceto lançaram em 2009 um DVD dirigido pelo cineasta Sérgio Rezende, com gravações no Theatro José de Alencar e no Cariri.

Com dois discos lançado, Banda Cabaçal dos Irmãos Aniceto (1999) e Forró no Cariri (2005), o grupo se prepara para lançar o terceiro CD, "Sou Tronco, Sou Raiz", todos produzidos pelo cantor e compositor cearense Calé Alencar. Em 2007, os Irmãos Aniceto foram agraciados com a medalha da Ordem do Mérito Cultural, do Ministério da Cultura.



PROGRAMA

1. Marcha de Chegada

2. Marcha Caririzeira

3. Marcha Rebatida Pé de Serra

4. Marcha de Estrada

5. Forró no Cariri

6. Alvorada

7. Galope

8. Quilombo

9. Bendito de Nossa Senhora das Candeias

10. Bendito de Nossa Senhora da Penha

11. O Bem-te-vi

12. Alegra o Povo

13. O Casamento da Acauã com o Gavião

14. Quilariô (Adriano, Cícero e Joval)



Músicas de 1 a 13 - temas de domínio público adaptados pela Banda Cabaçal dos Irmãos Aniceto.



FICHA TÉCNICA

1º Pífano: Antônio

2º Pífano: Raimundo

Caixa: Cícero

Caixa: Azul

Pratos: Joval

Zabumba: Adriano

Texto, fotos e produção: Calé Alencar

ESPORTES - NOTÍCIA - 24º BRASILEIRO DE JET SKI: ETAPAS FINAIS SERÃO REALIZADAS ESTE MÊS, EM BOA ESPERANÇA

As disputas da terceira e quarta etapas do 24º Campeonato Brasileiro de Jet Ski serão realizadas de 23 a 26 deste mês, na Represa de Furnas, em Boa Esperança (MG)





2/6/2011



BOA ESPERANÇA É SEDE DAS ETAPAS

DECISIVAS DO 24º BRASILEIRO DE JET SKI
A cidade do Sul de Minas Gerais receberá de 23 a 26 deste mês, os melhores pilotos do país e convidados internacionais para a competição que será realizada na Represa de Furnas.


A cidade de Boa Esperança, no Sul de Minas Gerais, receberá de 23 a 26 deste mês, as duas últimas etapas do 24º Campeonato Brasileiro de Jet Ski. As disputas serão realizadas na Represa de Furnas e, como acontece há mais de 10 anos, um grande público é esperado. O evento também apontará os brasileiros classificados para o Campeonato Mundial, marcado para o período de 1º a 9 de outubro, em Lake Havasu, no Arizona (EUA).



O presidente da Associação Brasileira de Jet Ski – BJSA, Luiz Marcelo Teixeira (Pardal), lembrou que as etapas de Boa Esperança são sempre aguardadas com grande expectativa. “A cidade foi a que mais recebeu etapas do Campeonato Brasileiro nesses 24 anos de sua realização. O evento movimenta toda a região, atraindo público de diversos municípios vizinhos. As pessoas recebem a todos com muito carinho e vibra muito durante as disputas. Sem dúvida, Boa Esperança é bastante especial para a modalidade. A Represa de Furnas com sua grande extensão e próxima ao centro da cidade, oferece excelentes condições para montagem do circuito e toda infraestrutura de arquibancadas, secretaria e área vip. Além disso, contamos com total apoio da Prefeitura Municipal, que é fundamental”, acrescentou.



No aspecto técnico, Pardal acredita que as disputas da terceira e quarta etapas do 24º Campeonato Brasileiro de Jet Ski serão emocionantes e equilibradas. Explicou que muitos pilotos estrearam na segunda etapa na competição e, alguns venceram suas categorias e entraram na luta para chegar ao título, mas para isso precisam conseguir excelentes resultados, pois não pontuaram na primeira etapa. Por outro lado, aqueles que lideravam após a etapa de abertura e perderam posição, tentarão recuperar o lugar e garantir o título. “Sem dúvida as 44 baterias programadas, divididas em 13 categorias, apresentarão um alto nível técnico e bastante equilíbrio” , completou.





A programação da terceira etapa do 24º Campeonato Brasileiro de Jet Ski tem início no dia 23, com as inscrições dos pilotos e vistoria. Das 11 às 12h30 estão marcados os treinos oficiais e às 14 horas será realizada a primeira série de bateria do circuito fechado. Às 16 horas está programada a primeira série do Freestyle e às 17 horas a tomada de tempo da Super Course.

No dia 24, a movimentação tem início às 10 horas com a disputa da categoria Super Course, às 13 horas, acontece a disputa da segunda série de baterias do circuito fechado. A partir das 15 horas, os pilotos inscritos no Freestyle fazem a segunda série de apresentações.

A movimentação da quarta etapa começa no dia 25, com treinos oficiais das 11 às 12h30. Às 13 horas será realizada a primeira série de bateria do circuito fechado. Às 15 horas está programada a primeira série do Freestyle e às 16 horas a tomada de tempo da Super Course.

No dia 26, a programação tem início às 10 horas com a disputa da categoria Super Course. Às 13 horas, acontece a disputa da segunda série de baterias do circuito fechado. A partir das 15 horas, os pilotos inscritos no Freestyle fazem a segunda série de apresentações. Em seguida haverá a premiação das duas últimas etapas e do campeonato.

A terceira e quarta etapas do 24º Campeonato Brasileiro de Jet Ski é uma realização BJSA - Associação Brasileira de Jet Ski, com homologação da International Jets Sports Boating Association – IJSBA. A organização e produção é da CMP 7 Full Promotion. Os apoios são da Prefeitura Municipal de Boa Esperança, Prolife, Casarini/Sea-Doo BRP, Unifisa Consórcio Nacional, PhotoJetski.com.br, Revista BomBarco, GloboJet, Jet Chula e Martog.

EVENTOS - Paraibano Toninho Borbo, alagoana Fhátima Santos e cearense Oscar



Paraibano Toninho Borbo, alagoana Fhátima Santos e cearense Oscar cantam no CCBNB-Fortaleza

O paraibano Toninho Borbo, a alagoana (radicada no Ceará) Fhátima Santos e o cearense Oscar são atrações musicais gratuitas neste mês de junho no Centro Cultural Banco do Nordeste-Fortaleza (rua Floriano Peixoto, 941 - Centro - fone: (85) 3464.3108). Toninho Borbo se apresentará no próximo dia 15 (quarta-feira), às 12 horas e 18 horas; Fhátima Santos e Oscar, no dia 16 (quinta-feira), ao meio-dia e às 18 horas, respectivamente.

Paraibano movido pela inquietação artística, Toninho Borbo chega ao seu sétimo ano de estrada apontando a liberdade de criação e tencionando limites estéticos através da fusão entre a tradição folclórica e o universo multicultural da música contemporânea mundial. Toninho faz música de qualidade, por isso fechou parceria com o selo Pimba, do Rio de Janeiro, no ano passado. As músicas podem ser adquiridas pelo site da Dubas (www.dubas.com.br).

Dub, afrobeat, samba, rock, música eletrônica e ritmos regionais como o coco e a embolada se misturam no Experimental Samba, o novo show do músico. Antenado na vanguarda cultural brasileira, o som é um mix do violão com colagens e bits eletrônicos. Do show anterior, o Para Fins de Mercado, surgiu uma parceria com alunos de Arte & Mídia (UFCG) que produziram um videoclipe do artista com a música "É poesia".

Desde que iniciou a carreira profissional, o músico participou de alguns eventos nacionais, como o Encontro de Pontos de Cultura (Teia), em São Paulo-SP (2006), Bienal da UNE no Rio de Janeiro-RJ (2007), CCBNB (Paraíba e Ceará - 2008), 7° Feira da Música (Fortaleza-CE - 2009), além do 1º Salão Internacional do Livro (João Pessoa-PB).



Repertório do show*

1.Cuscuz, manteiga e fé

2. Vozes dos vultos vivos

3. Faca de samba

4. A Feira (poesia Lourdes Ramalho/música T. Borbo)

5. Crânio vazio

6. Para Fins de Mercado

7. Ser humano

8. Aparente coisa

9. Só alma

10. Meu barco

11. Do lado de lá

12. Zé Molambo

13. Desfelicidade

14. Zabé sabe (Arthur Pessoa)

15. Cinza

16. Nada sem você

17. É poesia

18. Enquanto eu Lírio, você mal me quer

19. Carne dura



* As demais músicas são de autoria de Toninho Borbo



Ficha Técnica

Letras, violão e voz: Toninho Borbo

Bateria: Beto Cabeça

Baixo: Fábio Alves

DJ fHz0



Fhátima Santos homenageia Noel Rosa

Nasceu em Serra Grande (AL), vindo morar em Fortaleza ainda criança e nessa época cantava no colégio. Incrivelmente ficava surpresa com os aplausos por não se achar talentosa. Adolescente já se apresentava na noite, por isso é considerada cearense de "coração" pelo público que acompanha e admira o seu talento e a voz maravilhosa. Participou de vários shows e eventos musicais, como o Projeto Pixinguinha, Festival de Jazz e Blues de Guaramiranga, Mostra SESC Cariri, entre outros. Já dividiu palco com artistas ilustres como João de Aquino, Miltinho, Maria Creuza, Rosinha de Valença, Leci Brandão, Leny Andrade, Nana Caymmi, Filó Machado, Guinga e Zé Luiz Mazziotti.

O show é uma bela homenagem a Noel Rosa, o "Poeta da Vila", no centenário de seu nascimento (11/12/1910), relembrando grandes sucessos que marcaram o cancioneiro popular brasileiro através de uma poesia permeada de temas do cotidiano como saudade, amor, boemia, morte e desilusão, destaque para os sambas que possuem uma veia humorística que desemboca na ironia.



Programa

1. Gago apaixonado (Noel Rosa)

2. Com que roupa (Noel Rosa)

3. Conversa de botequim (Noel Rosa / Vadico)

4. Filosofia (Noel Rosa)

5. Feitiço da vila (Noel Rosa / Vadico)

6. Feitio de oração (Noel Rosa / Vadico)

7. João ninguém (Noel Rosa)

8. Pela décima vez (Noel Rosa)

9. Palpite infeliz (Noel Rosa / Araci de Almeida)

10. Último desejo (Noel Rosa)

11. O x do problema (Noel Rosa)

12. Três apitos (Noel Rosa)



Ficha Técnica

Voz: Fhátima Santos

Violão: Carlinhos Patriolino



Oscar

A música de Oscar estabelece uma fusão entre o universal e o regional. Sua melodia incorpora características do rock, jazz e samba, claramente influenciada pela fusão jazz-rock dos anos 1970 e 80. Com pluralidade instrumental, os temas melódicos produzidos por Oscar mantêm um equilíbrio entre a simplicidade e a originalidade. Os versos se encaixam de forma inusitada e harmoniosa nas suas mensagens melódicas. São letras marcadas por experiências do compositor em diversos cenários cearenses, envoltos em uma atmosfera de sentimentos e imagens com teor particular e universal. Sentimentos universais como o amor são explorados sob um ponto de vista peculiar, pessoal. A característica marcante de sua musicalidade é o perfeito equilíbrio estabelecido entre o jazz contemporâneo, as influências do Rock'n'Roll e samba e as temáticas tipicamente cearenses, combinando um rico arranjo instrumental com a beleza lírica da música brasileira. O projeto musical Uni Verso marca o início da carreira solo do artista (uni), até o momento dedicado a projetos coletivos e instrumentais, e da apresentação das suas composições em forma de canções (verso).



Programa

1 - Praia do Futuro - Oscar

2 - Canoa Veloz - Oscar

3 - Carnaubais - Oscar

4 - Revolução - Oscar

5 - Quem Verá - Oscar

6 - Vim de Lá - Oscar

7 - Faz um Ano - Oscar

8 - Deixa o tempo passar - Oscar

9 - Pra que tanto ódio - Oscar

10 - Ela - Oscar



Ficha Técnica:

Guitarra e Voz - Oscar

Baixo - Romualdo Filho

Teclado - Ivan Timbó

Bateria - Herverson Santos

Evento - A bossa nova em forma de dança






O espetáculo “Bossa Nossa” estreia na CAIXA Cultural





A CAIXA Cultural traz para Curitiba a companhia carioca Cia Nós da Dança, com o espetáculo “Bossa Nossa”, de 10 a 12 de junho. Com direção artística de Regina Sauer, a montagem homenageia os 50 anos da bossa nova, fluindo entre a dança clássica, moderna e contemporânea. O espetáculo é uma homenagem a Tom Jobim, Vinicius de Morais, João Gilberto, Carlos Lyra, Badem Powel, Johnny Alf, Roberto Menescal e a tantos outros.



Com versões originais e releituras atuais de grandes clássicos da bossa nova, o espetáculo revisita o legado deixado por estes artistas e traz a poesia das letras para o movimento corporal, o desenho melódico para a fluidez da execução coreográfica e a batida característica para o balanço do corpo.



O que se vê nessa montagem coreográfica é a combinação de um tempo social, dialogado em um gestual cênico. Os bailarinos evoluem no tempo, num ato constante de construção e desconstrução de formas relacionais, ao pulso dos arranjos do violonista Danilo D' Ávila. Nesse plano temporal, geográfico distinto e individual a música passa a ganhar uma sonorização contemporânea, resgatando o legado da bossa nova.



A ambição é recontar a história de uma época, um momento de transformação musical do país que surgiu de maneira espontânea e natural. Dançar “nossa bossa” é revisitar a saudade de um momento, as características das relações humanas estabelecidas em signos e gestos. É invadir, respeitosamente, a memória corporal de uma coreografia que a seu modo dialoga com as diversas manifestações culturais e tenta incorporar o antigo ao novo, comungando as diferenças como estimulo no seu processo poético de conceber movimentos.



Cia Nós da Dança



A Cia Nós da Dança está na estrada desde 1981 e sempre esteve aberta a novos estilos com os mais diversos espetáculos em palcos tradicionais, televisão e festivais ao ar livre, servindo como uma vitrine da dança moderna carioca. Premiada e respeitada pela crítica especializada, atraiu para seus espetáculos participações de talentos da dança nacional como Nora Esteves, Paulo Rodrigues, Marcelo Misailidis (Primeiros Bailarinos do TMRJ), Doris Giese (ex-apresentadora da Rede Globo) e Paulo e Ricardo Santoro (Violoncelistas da OSB).



Em seu repertório, a Cia Nós da Dança conta com “Overdose Monk”, “Místico”, “Estações”, “João Joana”, “América do Sol”, “Estudo Nº 10”, “Fração de Segundo”, “Nossos Nós”, “Cirandas Cirandinhas”, “Violência e Paixão” e “Retirantes”, entre outros.



Ficha Técnica



Direção Artística e Coreográfica - Regina Sauer

Bailarinos: Adriana Salomão, Alan Rezende, Alex Neoral, Ana Formighieri, Clara Castro, Gabriela Leite, Marcos Rogério, Patrícia Ruel, Rodrigo Fernandes, Stela Máris, Thiago Manhães, Thiago Williams e Kleiton Sistelos

Direção Musical - Danilo D’Avila

Design de Luz - Luiz Fernando Filetto

Figurino – Marcos Rogério

Fotografia - Ricardo Adami e Margarida Castro



Serviço



Dança: Bossa Nossa

Local: Teatro da CAIXA – Rua Conselheiro Laurindo, 280 – Curitiba/PR

Data: de 10 a 12 de junho

Hora: sexta e sábado 21h e domingo 19h

Ingressos: R$10 e R$5 (meia – conforme legislação e correntista CAIXA)

Bilheteria: (41)2118-5111(de terça a sexta, das 12 às 19h, sábado e domingo, as 16 às 19h)

Classificação etária: Livre para todos os públicos

Lotação máxima: 125 lugares (02 para cadeirantes)

www.caixa.gov.br/caixacultural

Evento - As lendas brasileiras na CAIXA Cultural

Paulo Munhoz lança “Mitorama – Lendas Brasileiras”, com ilustrações de Antonio Eder





A CAIXA Cultural Curitiba apresenta, no dia 08 de junho às 19h, o lançamento do livro “Mitorama - Lendas Brasileiras”. A obra surgiu da união do criativo texto do diretor e roteirista de cinema Paulo Munhoz, com os desenhos do ilustrador e quadrinista Antônio Eder. O livro, viabilizado através da Lei Municipal de Incentivo à Cultura de Curitiba e com o patrocínio da CAIXA, apresenta sete mitos e lendas da nossa cultura, narrados segundo uma visão que pretende ajudar a explorar e compreender a sabedoria popular brasileira.



De acordo com Paulo Munhoz, os mitos e lendas retratados no livro, são histórias "que nos ajudam na compreensão de quem somos como integrantes de um grupo que se pergunta de onde veio, para onde vai e por que está aqui". Como explica o autor, os mitos nos conduzem a interpretações e significados para o entendimento do mundo natural. Já as lendas são histórias fantasiosas que não têm a pretensão de nos revelar verdades, mas mexer com nossos sentimentos, provocar reflexões, instigar nossa curiosidade.



As sete histórias que o livro apresenta foram contadas e recontadas ao longo do tempo, apresentando sempre versões diferenciadas. Contando com o projeto gráfico de Daniella Michelena Munhoz, cada uma das lendas e mitos de "Mitorama" é apresentada com uma tipologia diferente, ora em letras maiúsculas, ora em escrita cursiva, para enriquecer a experiência de leitura do livro, em especial das crianças. A edição bilíngue visa facilitar o diálogo com outras culturas.



As lendas e mitos de Mitorama



Em “Duelo de Sacis”, o tema da ação dos sacis é atualizado, fazendo um comparativo entre o trabalho de artistas grafiteiros e pichadores. Esta homenagem à arte do grafite também é uma reflexão sobre a rebeldia contida na pichação e uma renovação da presença dos sacis em nossas vidas. Já “O Negrinho de Pastoreio” é um drama tradicional, apresentado em versos na visão de Munhoz.



“As Iaras Encantam” reconta, no formato de história em quadrinhos, o mito das sereias que habitam rios e mares brasileiros. Em “Mestres Araucárias” o tema é a árvore símbolo do Paraná, uma das espécies mais antigas do nosso planeta, que atravessou eras e conviveu até com dinossauros. “O Curupira” figura no panteão mitológico brasileiro ao lado de personagens maus, mas é uma espécie protetora das florestas.

“A Lenda das Cataratas” é um relato de origem indígena sobre o surgimento das Cataratas do Iguaçu, um dos maiores patrimônios naturais da humanidade. Essa lenda narra o grande amor entre Naipi e Tarobá e o ciúme de M'boi, personagem monstruoso que geralmente encarna as grandes ameaças. E por fim, “O Vaqueiro Misterioso” presta uma homenagem ao homem do campo, presente em todo o interior do Brasil, aqui representado pelo vaqueiro nordestino.



Sobre o autor e o ilustrador



Paulo Munhoz nasceu em Curitiba, em 1962. Engenheiro que virou cineasta, entende a arte como alimento do espírito humano e busca produzir obras que gerem reflexão, prazer e atitudes positivas em relação à vida. Munhoz tem diversas obras em cinema e vídeo, entre as quais se destacam os curtas “Pax” e “O Poeta”, e os longas-metragens “Brichos”, “Belowars” e “Brainforest”. Como escritor iniciou a carreira com a publicação “Inverno”. Depois vieram o “CD-Rom Leminski”, “Um Poeta Multimídia” e os livros “Brichos – HQ” e “A Floresta é Nossa”. Mestre pelo PPGTE-UTFPR, Paulo desenvolve pesquisas no campo da linguagem e dos meios digitais. É militante ambientalista e cultural.



O ilustrador e quadrinista Antonio Eder, nascido em 1971, também é curitibano. Sua parceria com Paulo Munhoz, além desde livro, já resultou nos filmes “Brichos” e “Belowars”, dos quais participou como diretor de arte. Eder desenha desde que se entende por gente e usa as histórias em quadrinhos como sua principal forma de expressão. É formado pela Faculdade de Artes do Paraná. Ao longo de sua carreira, já editou diversos livros como “Chalaça” e “7 Vidas”. Atualmente dirige 1o Sputnik Studio.



Serviço



Livro: Lançamento do livro “Mitorama – Lendas Brasileiras” de Paulo Munhoz e AntônioEder

CAIXA Cultural Curitiba – Rua Conselheiro Laurindo, 280 – Curitiba/PR

Data: 08 de junho

Hora: Quarta 19h30

Ingressos: Entrada franca.

Informações: (41)2118-5111(de terça a sexta, das 12 às 19h, sábado e domingo, as 16 às 19h)

Classificação etária: Livre para todos os públicos

www.caixa.gov.br/caixacultural